Notícias

Pesquisadores estudam a importância das interações entre plantas e insetos na restauração de ecossistemas

Traduzido de Science Daily
[ad_1]

O declínio dos insetos é um dos maiores desafios que nossa sociedade enfrenta. Como resultado da destruição de muitos habitats naturais, as abelhas, os zangões, as borboletas, os besouros e semelhantes encontram cada vez menos comida. Como consequência, eles mal conseguem cumprir seu papel como polinizadores de plantas silvestres e cultivadas. Esta tendência é cada vez mais perceptível nas regiões agrícolas, em particular.

Pesquisadores da Universidade de Münster examinaram mais de perto como a escolha de sementes em medidas de restauração, ou seja, a restauração de habitats naturais em terras degradadas, afeta a forma como os insetos se beneficiam dessas medidas. Aqui, não só as espécies vegetais desempenham um papel importante, mas também a origem geográfica das sementes utilizadas, pois a proveniência influencia não só a diversidade dos insetos, mas também a frequência com que os polinizadores visitam as flores. Os resultados do estudo foram publicados no Journal of Applied Ecology.

Antecedentes e metodologia

Os insetos são essenciais para o funcionamento dos ecossistemas e para a sobrevivência humana. Eles são necessários, por exemplo, para a polinização de muitas plantas cultivadas que são, por sua vez, uma fonte essencial de nutrição para o homem. Em regiões caracterizadas pela agricultura ou em áreas urbanizadas com assentamentos e cidades, os recursos disponíveis para os polinizadores são limitados. Para apoiá-los em sua polinização, habitats ricos em flores são criados na paisagem, geralmente na forma de listras de flores silvestres.

No entanto, ao criar faixas de flores ou outros habitats, deve-se notar que as espécies de plantas não são entidades homogêneas, pois suas populações diferem geneticamente. Essa diferenciação geralmente ocorre como resultado da adaptação da população ao seu ambiente local. Uma erva daninha marrom, por exemplo, que cresce perto do mar, onde as geadas são raras, será menos resistente à geada do que uma erva daninha marrom que cresce nas montanhas, onde geadas são comuns. Podem ser observadas diferenças em muitas características das plantas, e algumas dessas diferenças podem influenciar os polinizadores, por exemplo, o número de flores ou quando florescem. “Dependendo da proveniência, algumas populações florescem mais cedo do que outras”, explica a Dra. Anna Lampei Bucharová, do Instituto de Ecologia da Paisagem da Universidade de Münster, que também lidera o estudo. “Ao estabelecer habitats para polinizadores, essas diferenças dentro das espécies têm sido freqüentemente negligenciadas até agora”, acrescenta ele, “e as plantas são principalmente selecionadas independentemente de sua proveniência. É por isso que testamos para ver se a proveniência das plantas influencia os polinizadores”.

A origem geográfica das sementes desempenha um papel fundamental neste contexto. Em um experimento de campo, os pesquisadores formaram pequenas comunidades de plantas experimentais que tinham exatamente a mesma composição de espécies, mas procedências diferentes. As populações vieram da região de Münster, da área ao redor de Munique e da grande Frankfurt an der Oder. Eles então registraram dados de floração, observaram polinizadores visitando essas comunidades e compararam a frequência e diversidade de polinizadores em comunidades com diferentes procedências.

Os pesquisadores descobriram que a proveniência de uma planta influencia os polinizadores, tanto a frequência com que os polinizadores visitam as flores quanto a diversidade de espécies de insetos. “O efeito pode ser considerável”, diz o co-autor do estudo, Dr. David Ott. “Observamos o dobro de visitas de polinizadores às flores de uma fonte do que às flores de outra. O parâmetro mais importante que impulsiona isso é a fenologia da flor da planta, ou seja, a sequência temporal da floração”, completa. . Os pesquisadores concluíram que as plantas de algumas origens começaram a florescer mais cedo e mais intensamente do que outras, exibindo mais flores e, consequentemente, interagindo com mais frequência com os polinizadores.

Os resultados são importantes para os cientistas e para a restauração ecológica. Os pesquisadores estão confiantes de que a Alemanha oferece boas condições para a implementação de estratégias de restauração baseadas na proveniência, porque ecótipos regionais de muitas espécies estão prontamente disponíveis no sistema chamado “Regiosaatgut” (“sementes regionais”). Este sistema fornece sementes regionais para muitas espécies em até 22 regiões da Alemanha. Portanto, ao selecionar as origens das plantas adequadas, os recursos para os polinizadores poderiam ser melhorados de forma sustentável.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade de Münster. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo