Notícias

Estudo analisa como as aquisições de terras afetam as mudanças climáticas – ScienceDaily

Traduzido de Science Daily

Em 2007, um aumento nos preços mundiais dos alimentos desencadeou um deslizamento de terra global na forma de grilagem ou aquisição de terras em grande escala. Nas últimas duas décadas, essas aquisições resultaram em milhões de hectares de terras trocando de mãos em países em desenvolvimento. Embora tal mudança possa aumentar o cultivo de safras necessárias para alimentar a crescente população mundial e gerar novas práticas e tecnologias agrícolas, ela também pode levar à degradação ambiental, aumento das emissões de carbono e ameaças à subsistência de pequenos agricultores.

As consequências socioeconômicas e ambientais de tais aquisições de terras em grande escala foram estudadas, mas o efeito da apropriação de terras nas emissões de carbono não foi, pelo menos até agora.

Em um estudo publicado recentemente na revista Alimento natural, os pesquisadores analisaram o que impulsiona as aquisições de terras em grande escala e como a implementação dessas aquisições para o desenvolvimento agrícola afeta as emissões de carbono e, por sua vez, as mudanças climáticas.

“No geral, as descobertas sugerem que há uma maneira econômica de produzir mais alimentos e, ao mesmo tempo, minimizar as emissões de carbono desse processo”, disse Chuan Liao, professor assistente da Escola de Sustentabilidade da ASU e principal autor do estudo.

“Não é realista dizer que não podemos converter mais terras dado que a população mundial está crescendo, especialmente nos países em desenvolvimento, mas ainda devemos minimizar as emissões de carbono enquanto buscamos o desenvolvimento agrícola”, disse ele.

Os pesquisadores do estudo analisaram países que participaram de mais de 1.000 aquisições transnacionais de terras em grande escala. Eles identificaram três áreas geográficas distintas onde ocorrem apropriações de terras, incluindo a costa da África Ocidental e o Vale do Rift da África Oriental; Sudeste da Ásia; América Latina Centro-Sul; e Europa Oriental e Rússia Ocidental.

O estudo mostrou que a busca por recursos, como terras aráveis ​​e água, impulsiona a aquisição de terras em grande escala. Ou seja, os países com baixa ou média-baixa disponibilidade de terra arável costumam ser investidores, enquanto aqueles com média-alta ou alta terra arável servem como anfitriões, disse Liao. Da mesma forma, países com menos escassez de água tendem a fornecer terras, enquanto países com maior escassez de água investem em terras.

Os pesquisadores também estimaram as emissões de carbono de quase 1.500 casos de aquisições de terras em grande escala em dois cenários de desenvolvimento agrícola, que incluem a atividade regular e a aplicação de regulamentações ambientais.

Ao analisar essas emissões, os pesquisadores descobriram que o cenário business-as-usual – ou seja, limpar toda a vegetação em 37 milhões de hectares de terra – emitiria aproximadamente 2,26 gigatoneladas de carbono. Em contraste, a implementação de regulamentos ambientais para restringir a conversão de terras e salvar florestas com alto teor de carbono reduziria as emissões para 0,81 gigatoneladas.

O estudo também descobriu que a aplicação de políticas regulatórias ambientais não reduz a quantidade de terra que pode ser usada para o desenvolvimento agrícola na mesma proporção que a redução nas emissões de carbono.

“Em vez disso, permitimos o desenvolvimento agrícola em terras com menores valores de carbono”, explicou Liao. “Nossa estratégia é gerenciar melhor essas compensações porque a segurança alimentar e a mitigação das emissões de carbono são importantes”.

Fonte da história:

materiais fornecido por Arizona State University. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo