Notícias

A secagem atmosférica levará a menores rendimentos agrícolas, árvores mais curtas em todo o mundo

Traduzido de Science Daily

Uma observação global da secagem atmosférica em curso, conhecida pelos cientistas como um aumento no déficit de pressão de vapor, tem sido observada em todo o mundo desde o início dos anos 2000. Nos últimos anos, esse fenômeno preocupante aumentou e deverá se ampliar ainda mais no próximas décadas à medida que as mudanças climáticas se intensificam.

Em um novo artigo publicado na revista Biologia da mudança global, pesquisa da University of Minnesota e Western University em Ontário, Canadá, descreve que a secagem atmosférica global reduz significativamente a produtividade de safras e plantas não cultivadas, mesmo em condições bem irrigadas. As novas descobertas foram estabelecidas em uma análise em grande escala que abrangeu 50 anos de pesquisa e 112 espécies de plantas.

“Quando há um grande déficit de pressão de vapor, nossa atmosfera retira água de outras fontes – animais, plantas, etc.”, disse o autor principal Walid Sadok, professor assistente do Departamento de Agronomia e Genética Vegetal da Universidade de Minnesota. “Um aumento no déficit de pressão de vapor impõe uma maior demanda da safra para usar mais água. Por sua vez, isso coloca mais pressão sobre os agricultores para garantir que essa demanda por água seja atendida, seja por meio de precipitação. Ou irrigação, para que os rendimentos não diminuir. “

“Acreditamos que um aumento na secagem atmosférica impulsionado pela mudança climática reduzirá a produtividade das plantas e os rendimentos das colheitas, tanto em Minnesota quanto globalmente”, disse Sadok.

Em sua análise, os pesquisadores suspeitaram que as plantas sentiriam e responderiam a esse fenômeno de maneiras inesperadas, gerando custos adicionais de produtividade. As descobertas confirmam que várias espécies de plantas, como trigo, milho e até bétulas, se inspiram na secagem atmosférica e antecipam eventos futuros de seca.

Por meio desse processo, as plantas são reprogramadas para se tornarem mais conservadoras, ou seja, ficarem menores, mais curtas e mais resistentes à seca, mesmo que a própria seca não ocorra. Além disso, devido a esse comportamento conservador, as plantas são menos capazes de fixar o CO atmosférico.dois para fotossintetizar e produzir sementes. O resultado líquido? Diminui a produtividade.

“Enquanto corremos para aumentar a produção para alimentar uma população maior, este é um novo obstáculo que precisará ser superado”, disse Sadok. “A secagem atmosférica pode limitar os rendimentos, mesmo em regiões onde a irrigação ou a umidade do solo não são limitantes, como Minnesota.”

Em uma nota positiva, a análise indica que diferentes espécies ou variedades dentro das espécies respondem mais ou menos fortemente a esse ressecamento, dependendo de sua composição evolutiva e genética. Por exemplo, no trigo, algumas variedades respondem menos a esse novo estresse em comparação com outras, e esse tipo de variabilidade parece existir também em outras espécies não cultivadas.

“Esta descoberta é particularmente promissora, pois aponta para a possibilidade de criar genótipos com a capacidade de permanecer produtivos apesar do aumento da secura atmosférica”, disse Sadok.

Danielle Way, fisiologista vegetal e co-autora do estudo da Western University, vê resultados semelhantes quando se trata de ecossistemas.

“A variação na sensibilidade das plantas à secagem atmosférica também poderia ser explorada para prever como os ecossistemas naturais responderão às mudanças climáticas e gerenciá-los de maneiras que aumentem sua resistência às mudanças climáticas”, disse ele.

No futuro, os pesquisadores acreditam que essas descobertas podem ser usadas para criar novas variedades de culturas e gerenciar ecossistemas de maneiras mais resistentes à secagem atmosférica. No entanto, novas colaborações entre fisiologistas de plantas, ecologistas, agrônomos, criadores e agricultores são necessárias para garantir que o tipo certo de variedade seja entregue aos agricultores com base em suas condições específicas.

“Em última análise, esta pesquisa requer esforços de pesquisa interdisciplinar mais focados para melhor compreender, prever e mitigar os efeitos complexos da secagem atmosférica sobre os ecossistemas e a segurança alimentar”, disse Sadok and Way.

A pesquisa foi apoiada por doações do Minnesota Wheat Research and Promotion Council, do Minnesota Soybean Research and Promotion Council e do Departamento de Agricultura de Minnesota.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo