Notícias

A importância da paisagem – ScienceDaily

Traduzido de Science Daily

A reconstrução, uma abordagem direta para restaurar e proteger a biodiversidade, está cada vez mais sendo usada em todo o mundo para combater a pegada ambiental da rápida urbanização e da agricultura intensiva. A recente reintrodução de lobos cinzentos em Yellowstone, o primeiro parque nacional da América, é considerada um dos esforços de recuperação mais bem-sucedidos, pois revitalizou um ecossistema que havia sido desestabilizado pela remoção de grandes predadores.

No entanto, as tentativas bem-sucedidas de regenerar a paisagem dependem de mais do que apenas a reintrodução de uma espécie vegetal ou animal, elas também exigem que a geografia e a geologia sejam levadas em consideração, de acordo com novas pesquisas da Universidade de Amsterdã e do Serviço Florestal Estado da Holanda.

É a paisagem que em última análise decide o resultado dos esforços de reconstrução, diz Kenneth Rijsdijk, ecologista da Universidade de Amsterdã, apresentando os resultados da equipe na Assembleia Geral da União Europeia de Geociências (EGU) 2021.

Um dos principais desafios da reconstrução é decidir onde fazê-lo, diz Rijsdijk, especialmente considerando os usos de terra concorrentes, como infraestrutura e agricultura. “Claramente, não podemos e não devemos regenerar em todos os lugares. Faz sentido selecionar áreas específicas onde a regeneração tem mais probabilidade de ser bem-sucedida, levando em consideração como as características da paisagem, como rugosidade do solo e nutrientes, podem dar formas aos ecossistemas”.

Ecologistas medem o sucesso da reconstrução usando métricas de biodiversidade, como um aumento na abundância e diversidade de espécies de plantas ou pássaros. Mas essas medições não levam em consideração o papel da paisagem: da topografia e dos sistemas fluviais ao solo e à geologia subjacente.

Esses aspectos, conhecidos coletivamente como geodiversidade, fornecem todo o suporte físico necessário para a vida na Terra. “A paisagem desempenha um papel fundamental na definição do ecossistema: determinando onde a vegetação cresce, os herbívoros pastam, os animais procuram abrigo e os predadores caçam”, diz Rijsdijk.

“É notável que, do ponto de vista da conservação, a própria paisagem seja significativamente subestimada no sucesso dos projetos de reconstrução”, diz o coautor Harry Seijmonsbergen, ecologista da Universidade de Amsterdã.

A equipe tem como objetivo construir um índice mais holístico para medir e prever o sucesso da reconstrução.

As primeiras aplicações de sua abordagem, no noroeste da Europa, em locais previamente sinalizados pelo Serviço Florestal do Estado da Holanda como candidatos potenciais para reconstrução, mostram que paisagens mais variadas apresentam maior potencial de conservação.

Seu índice é baseado em mais de um século de dados de mapas geológicos e geográficos, que a equipe traçou em 12 locais no noroeste da Europa, combinando características da paisagem como elevação, áreas florestadas, abertura e tranquilidade para calcular uma métrica de qualidade. a paisagem. Eles também estudaram como a geodiversidade influenciou a regeneração ao longo do tempo usando dados de satélite, aéreos e de campo. Ajustando seu novo índice com um índice ecológico usado anteriormente, eles foram capazes de avaliar de forma independente a relação entre a biodiversidade e a paisagem em cada local.

Como um teste independente da robustez da paisagem, eles complementaram seu fluxo de trabalho com dados previamente coletados de Yellowstone. O terreno montanhoso e variado do parque é o lar de ambientes de nicho para os animais caçarem e se abrigarem.

A nova pesquisa pode ajudar os tomadores de decisão a selecionar futuros locais de reconstrução com a receita certa para o sucesso. “Biólogos conservacionistas têm perguntado como podem identificar locais com as características certas para reconstrução”, diz Rijsdijk. “Nossa pesquisa é a primeira a começar a construir o conjunto de ferramentas necessárias para medir a qualidade da paisagem e informar essa escolha.”

Fonte da história:

Materiais fornecido por União Europeia de Geociências. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo