Notícias

A estrutura lança luz sobre a perda de nitrogênio na produção de alimentos comuns

Traduzido de Science Daily
[ad_1]

O elemento nitrogênio é uma espada de dois gumes. É essencial para o cultivo de plantas e alimentação das pessoas, mas também é uma das principais causas de poluição em todo o mundo. Somente usando o nitrogênio de uma forma mais sustentável os efeitos positivos e prejudiciais do nitrogênio podem ser equilibrados.

Xia (Emma) Liang, membro da Sociedade Agronômica Americana, estuda a perda de nitrogênio durante a produção de alimentos.

Liang e sua equipe criaram uma estrutura que mede com precisão a perda de nitrogênio em uma ampla variedade de culturas e produtos alimentícios. Recentemente, ele apresentou sua pesquisa na Reunião Anual Virtual ASA-CSSA-SSSA 2020.

“Essa estrutura pode capturar os impactos ambientais e os custos sociais das perdas de nitrogênio”, explica Liang. “Isso potencialmente nos permite fornecer informações para informar consumidores, produtores e legisladores”.

A equipe espera que esta pesquisa ajude a fazer um progresso significativo para tornar os sistemas agrícolas em todo o mundo mais sustentáveis, menos poluentes e mais lucrativos.

Sua estrutura mediu a perda total de nitrogênio e a intensidade da perda de nitrogênio. O último é a perda por unidade de alimento ou por unidade de nitrogênio produzida. Isso permitiu melhores comparações entre diferentes culturas e alimentos.

Por exemplo, os grãos de cereais têm uma intensidade de perda baixa, mas uma perda geral alta porque são cultivados em grandes quantidades. Por outro lado, um produto animal como a carne de búfalo tem uma alta intensidade de perda, mas uma baixa perda geral. Isso se deve à pequena quantidade produzida.

A estrutura revela que a quantidade e a intensidade da perda variam amplamente para os diferentes produtos alimentícios, especialmente quando comparados entre agricultores e países. A base de dados inclui 115 produtos agrícolas e 11 produtos pecuários em todo o mundo.

O gado é o maior contribuinte para a poluição global de nitrogênio. Segue-se a produção de arroz, trigo, milho, carne suína e soja. A carne bovina também é o alimento com maior intensidade de perdas, seguida do cordeiro, porco e outros produtos da pecuária. Geralmente, a intensidade da perda de gado é muito maior do que a intensidade da perda de produtos agrícolas.

“A menor perda de nitrogênio dos 11 produtos da pecuária excede a dos substitutos de plantas”, diz Liang. “Isso confirma a importância da mudança na dieta para reduzir a perda de nitrogênio pelo consumo.”

A perda de nitrogênio dos campos pode causar danos de várias maneiras. Pode causar poluição e mais mudanças climáticas. Danifica o solo e a água, bem como as plantas e animais que ali vivem. Para os humanos, altos níveis de nitrogênio no ar e na água têm sido associados a doenças.

Liang ressalta que, com as atividades atuais, o limite de nitrogênio do planeta, um “espaço operacional seguro” para a humanidade, mais que dobrou.

As soluções são complexas. Nas próprias fazendas, existem muitas técnicas para gerenciar melhor o nitrogênio. Isso inclui melhores tecnologias e práticas de fertilizantes, melhores variedades de culturas e seguir os “4 Rs”. Isso significa usar o fertilizante certo na quantidade certa, na hora certa e no lugar certo. Existem também maneiras de melhorar o manejo do nitrogênio no gado.

No entanto, Liang explica que as soluções na fazenda são apenas metade da batalha. Uma abordagem econômica também é necessária.

“Uma abordagem econômica forneceria incentivos para a adoção de melhores práticas de gerenciamento de nitrogênio”, diz ele. “Por exemplo, incentivos devem ser dados para promover medidas sustentáveis ​​para manter o nitrogênio do solo. Isso inclui a redução do risco de degradação e erosão do solo e o uso excessivo de fertilizantes.”

As pessoas também podem adotar mudanças úteis, acrescenta. Reduzir o consumo de carne e reduzir o desperdício de alimentos são duas opções. Outra é ter discussões sobre o manejo sustentável do nitrogênio.

“Quando compramos uma máquina de lavar ou um carro, podemos escolher um produto mais eficiente no uso de água e energia pela classificação de água e energia”, diz Liang. “No entanto, apesar do crescente reconhecimento da importância do nitrogênio na produção e consumo sustentável de alimentos, não seguimos uma ideia semelhante para os alimentos que comemos.”

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo