Notícias

Sucesso na Amazônia: Reduzindo o Desmatamento – ScienceDaily

Traduzido de Science Daily

Em 2006, o Greenpeace lançou uma campanha para expor o desmatamento causado pela produção de soja na Amazônia brasileira. No ano anterior, o cultivo da soja se expandiu para mais de 1.600 quilômetros quadrados de florestas recentemente desmatadas. A destruição, eles disseram, tinha que parar.

Em resposta, as principais empresas de soja da região chegaram a um acordo histórico como signatárias da Moratória da Soja na Amazônia (ASM), comprometendo-se a não comprar safras cultivadas em terras recentemente desmatadas. O desmatamento caiu nos anos seguintes, mas ninguém havia medido o impacto adicional da moratória.

Agora, o professor assistente Robert Heilmayr e seus colegas da Universidade de Wisconsin Madison quantificaram os efeitos do ASM e documentaram como ele alcançou seu sucesso. Os pesquisadores descobriram que o acordo evitou milhares de quilômetros quadrados de desmatamento durante sua primeira década. Além disso, a política não pareceu prejudicar o crescimento agrícola ou levar o desmatamento para outros setores ou regiões. O estudo, financiado pela Gordon and Betty Moore Foundation e pela Norwegian International Climate and Forest Initiative, aparece em Alimento natural.

“Durante uma década, o ASM salvou 18.000 quilômetros quadrados de floresta”, disse Heilmayr, economista ambiental do Programa de Estudos Ambientais e da Escola Bren de Ciências e Gestão Ambiental. “Esta é uma área maior do que o estado de Connecticut.”

Na mesma época em que a Moratória da Soja na Amazônia foi adotada, o governo brasileiro estava expandindo suas regulamentações contra o desmatamento. As políticas cobriram a Amazônia legal, uma área administrativa maior que inclui o bioma Amazônia e partes do bioma Cerrado, uma vasta região de floresta tropical e savana ao sudoeste da floresta tropical.

Felizmente, a moratória tinha três características principais que a equipe poderia usar para distinguir seus efeitos dessas ações governamentais: ela entrou em vigor em maio de 2006; era restrito ao bioma amazônico; e foi aplicado especificamente a terras desmatadas para a produção de soja. Heilmayr analisou como esses fatores orientaram a análise da equipe. “Comparamos o desmatamento em biomas ecológicos após a adoção do ASM, e em locais com diferentes aptidões para a produção de soja, para isolar o impacto do ASM”, explicou.

Os autores encontraram uma redução no desmatamento além do que eles poderiam atribuir apenas às políticas governamentais. Eles estimam que entre 2006 e 2016, o desmatamento em porções da Amazônia adequadas para a soja foi 35% menor do que teria ocorrido sem ASM.

“Nosso estudo é importante porque, pela primeira vez, fomos capazes de controlar outras políticas e fatores fora do ASM para quantificar sua contribuição única para a conservação florestal”, explicou a coautora Holly Gibbs, professora associada da UW Madison.

Cientistas e conservacionistas temiam que o ASM pudesse levar os produtores de soja a começar a plantar em pastagens, o que levaria os fazendeiros a derrubar mais florestas, basicamente passando a responsabilidade para um setor diferente. No entanto, o estudo sugere que isso não aconteceu. Gibbs explicou que provavelmente se deve, pelo menos em parte, a campanhas semelhantes que visam conter o desmatamento na pecuária. Esses esforços começaram em 2008 e resultaram em acordos semelhantes de desmatamento zero na indústria pecuária. A equipe também viu poucas evidências de que o ASM estava empurrando o desmatamento para o bioma Cerrado próximo, embora esse risco continue sendo uma preocupação.

Embora alguns legisladores brasileiros estejam preocupados que compromissos ambientais rígidos possam enfraquecer o crescimento econômico, a produção de soja na Amazônia continuou a se expandir desde a adoção do ASM. Aumentou de 4,9 milhões de toneladas de produção em 2006 para 17,2 milhões de toneladas em 2019. Em última análise, a moratória mostrou que a expansão da soja é possível sem desmatamento, explicou Gibbs.

Para entender melhor como esse tipo de política de conservação poderia ser aplicada em outros lugares, a equipe tentou identificar exatamente o que contribuiu para a eficácia da moratória. “Um dos pontos fortes da Moratória da Soja na Amazônia é que foi uma decisão quase unânime entre todos os compradores de soja do setor”, disse Heilmayr. Os signatários respondem por cerca de 90% de todas as compras de soja na região, e essa alta participação de mercado garantiu que o acordo transformaria a prática agrícola. Se os agricultores quisessem vender sua soja, eles teriam que cumprir as políticas estabelecidas.

Outro fator que contribuiu para o sucesso do ASM foi a cooperação de empresas privadas, ONGs sem fins lucrativos e órgãos governamentais. A participação corporativa adiciona uma penalidade direta ao mercado que desestimula o desmatamento, explicou Heilmayr. Enquanto isso, o envolvimento de organizações ambientais como Greenpeace, The Nature Conservancy e World Wildlife Fund aumenta a confiança de que o negócio não é simplesmente uma forma de lavagem verde. Por fim, os investimentos públicos em sistemas de monitoramento por satélite e registros de propriedades locais fornecem a espinha dorsal para monitorar e fazer cumprir a moratória. Heilmayr acredita que a interação entre empresas, ONGs e atores governamentais deu à iniciativa maior credibilidade aos olhos da comunidade global.

Em 2016, as partes envolvidas optaram por renovar o ASM por tempo indeterminado. Embora isso represente uma grande vitória para a agricultura sustentável, o sucesso contínuo do acordo ainda enfrenta obstáculos. Alguns representantes de agricultores levantaram objeções ao ASM, dizendo que as exigências que vão além das leis florestais do país constituem uma violação da soberania do Brasil. No entanto, os pesquisadores observam que o ASM também garante que o setor de soja da Amazônia mantenha acesso a valiosos mercados internacionais, de acordo com grupos comerciais da indústria, e a baixo custo para os produtores de soja da Amazônia.

“Muito poucos produtores de soja na Amazônia têm terras adequadas para a produção de soja que possam extrair de acordo com o Código Florestal Brasileiro”, disse a coautora Lisa Rausch, pesquisadora da UW Madison. “O ASM realmente serve para reduzir os incentivos para limpar terras em fazendas que não sejam de soja e em áreas não registradas para a futura produção de soja.”

O atual zeitgeist político, econômico e ambiental destaca os benefícios da combinação única do ASM de formulação de políticas públicas e privadas. As taxas de desmatamento agora são o dobro do que eram em seu ponto mais baixo em 2012, embora ainda sejam dramaticamente menores do que em 2003 e 2004. Este aumento pode refletir os esforços do governo Bolsonaro para enfraquecer as proteções ambientais do país.

Heilmayr espera que “a interação entre a formulação de políticas públicas e privadas pode tornar os benefícios ambientais mais resilientes; a demanda global consistente por soja sem desmatamento continuará a desencorajar novos desmatamentos, apesar do enfraquecimento das políticas públicas.”

À medida que um número crescente de grandes empresas se compromete a reduzir seus impactos ambientais em todo o mundo, surge a questão de como traduzir esses objetivos elevados em ações concretas. “ASM é um bom exemplo do que é possível quando as empresas tomam medidas agressivas e transparentes em direção à sustentabilidade da cadeia de suprimentos”, disse Heilmayr. “Isso oferece esperança de que atores privados possam gerar melhorias significativas na forma como a sociedade interage com nosso meio ambiente.”



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo