Notícias

Pesticida mortal para abelhas agora facilmente detectado no mel

Traduzido de Science Daily

Um inseticida comum que é um grande perigo para as abelhas agora está sendo detectado com eficácia no mel, graças a um método novo e simples.

Pesquisadores da Universidade de Waterloo desenvolveram uma técnica totalmente automatizada e ecológica que extrai piretróides do mel. Os piretróides são um dos dois principais grupos de pesticidas que contribuem para a desordem do colapso da colônia em abelhas, um fenômeno no qual as abelhas operárias desaparecem, deixando a rainha e outros membros da colmeia para morrer. Os produtores agrícolas de todo o mundo dependem das abelhas para polinizar plantações que valem centenas de bilhões de dólares.

A extração de piretróides pelo método de microextração em fase sólida (SPME) facilita a mensuração se seus níveis no mel estão acima dos considerados seguros para consumo humano. Também pode ajudar a identificar onde os agricultores usam o pesticida e em que quantidades. Tradicionalmente, a substância era de difícil extração devido às suas propriedades químicas.

“Os piretróides são pouco solúveis em água e, na verdade, estão suspensos no mel”, disse Janusz Pawliszyn, professor de química em Waterloo. “Nós adicionamos uma pequena quantidade de álcool para dissolvê-los antes da extração usando o sistema SPME automatizado.”

Os agricultores pulverizam pesticidas nas plantações. São neurotoxinas, que afetam o funcionamento do cérebro e dos nervos, causando paralisia e morte de insetos.

“Esperamos que este método simples ajude as autoridades a determinar onde esses pesticidas estão sendo usados ​​em níveis perigosos, ajudando a proteger a população de abelhas”, disse Pawliszyn.

A Agência Canadense de Inspeção de Alimentos testa resíduos químicos em alimentos no Canadá. Os limites máximos de resíduos são regulamentados pela Lei de Produtos de Controle de Pragas. A equipe de pesquisa descobriu que dos produtos de mel testados continham o pesticida, todos estavam em níveis permitidos.

Fonte da história:

materiais fornecido por Universidade de Waterloo. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo