Notícias

O bagaço Chardonnay pode ser rico em compostos que melhoram a saúde

Traduzido de Science Daily

A Califórnia produz quase 4 milhões de toneladas de vinho de classe mundial a cada ano, mas com isso vêm milhares de toneladas de resíduos, como cascas, sementes, caules e polpa de uva. E se os cientistas pudessem aproveitar esses resíduos de vinho para ajudar a promover a saúde humana?

Talvez eles possam, de acordo com uma nova pesquisa de cientistas de alimentos da Universidade da Califórnia em Davis. Em um estudo publicado na revista LWT – Ciência e Tecnologia de Alimentos, a equipe descobriu uma série de compostos potencialmente benéficos à saúde e moléculas de açúcar chamados oligossacarídeos dentro do bagaço de uva Chardonnay.

Os oligossacarídeos são encontrados em muitos tecidos vegetais e animais, incluindo o leite materno. Avanços recentes revelaram o grande potencial dos oligossacarídeos para apoiar a saúde intestinal.

“Ficamos surpresos com a diversidade de oligossacarídeos nas uvas para vinho Chardonnay, incluindo a presença de elementos estruturais encontrados no leite humano”, disse Amanda Sinrod, autora principal e candidata a mestrado que trabalha com a professora Daniela Barile.

A equipe da UC Davis analisou a composição molecular dos resíduos de chardonnay fornecidos pela Jackson Family Wines e Sonomaceuticals, uma empresa fundada por dois empresários da indústria de alimentos para desenvolver novos usos para resíduos de viticultura. O bagaço da uva para vinho, ou bagaço, compreende cerca de 30 por cento do material original da uva para vinho, e muito dele é deixado para se decompor ao sol.

Fonte potencial de alimento ou suplemento.

“É uma produção sustentável de vinho e encontrar uma segunda vida para as uvas para vinho”, explicou Barile. “Até este ponto, o bagaço de chardonnay foi considerado um subproduto da vinificação com pouco ou nenhum valor. Os primeiros resultados são encorajadores de que o bagaço pode ser uma fonte valiosa de oligossacarídeos e outros compostos que apoiam a saúde e nutrição”.

Os pesquisadores da UC Davis estão entre os primeiros a decodificar a magia dos oligossacarídeos no leite materno. As moléculas de açúcar não nutrem diretamente o bebê. Em vez disso, eles alimentam uma cepa de bactéria nos intestinos do bebê que ajuda a construir imunidade contra doenças e enfermidades. Essa descoberta está ajudando os cientistas a desenvolver métodos e produtos para melhorar a saúde humana.

O laboratório Barile inova tecnologias para recuperar compostos que melhoram a saúde de vários fluxos de resíduos agrícolas e industriais, como soro de leite, legumes e grão de bico. Sua equipe já havia descoberto oligossacarídeos em resíduos de vinho tinto e branco e está satisfeita com as descobertas preliminares da análise de chardonnay.

“Há mais pesquisas a serem feitas, mas os primeiros resultados prometem que o bagaço de chardonnay pode se tornar uma fonte para o desenvolvimento de suplementos e outros produtos alimentícios para apoiar a saúde”, disse Barile.

Os oligossacarídeos parecem ser especialmente abundantes na casca das uvas para vinho. Em pesquisas anteriores, os cientistas detectaram oligossacarídeos no vinho acabado, mas não em grandes concentrações. Os pesquisadores não incluíram vinho engarrafado neste estudo.

As amostras de bagaço de Chardonnay também eram ricas em flavonóides, compostos saudáveis ​​encontrados em muitas frutas e vegetais. Os pesquisadores estão explorando se os oligossacarídeos funcionam de forma independente ou sinergicamente com esses compostos bioativos para apoiar a saúde intestinal. A equipe está estudando como as condições de cultivo, colheitas e processamento podem afetar o potencial de saúde dos resíduos vitícolas.

“Observamos diferenças significativas na abundância relativa e tipo de oligossacarídeos em diferentes partes do bagaço, então mais pesquisas são necessárias para maximizar seu potencial no design de produtos alimentícios”, disse Sinrod.

A equipe da UC Davis incluiu a Especialista em Extensão Cooperativa Selina Wang e Xuequi Li com o Olive Center, e Mrittika Bhattacharya e Bruna Paviani com o Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade da Califórnia – Davis. Original escrito por Diane Nelson. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo