Notícias

Mecanismo de Defesa Corporal – Classe Inteligente


Quem gosta de espirrar em uma sala empoeirada? Ou quem tem febre frequente? Basicamente, espirros e febre são uma forma de defesa ou imunidade do corpo para impedir a entrada de patógenos, como bactérias e vírus, porque nosso corpo reage quando certos patógenos atacam o corpo. Isso está intimamente relacionado ao mecanismo de defesa do corpo.

Com o sistema de defesa do corpo, somos capazes de repelir várias substâncias estranhas que são consideradas prejudiciais à saúde. O mecanismo de defesa do corpo pode ser dividido em 2, a saber, o mecanismo de defesa não específico do corpo e o mecanismo de defesa específico do corpo. Qual é a diferença?

Defesas não específicas do corpo

As defesas não específicas do corpo são a primeira resposta aos patógenos que entram no corpo. As defesas inespecíficas do corpo servem para combater vários tipos de infecções comuns, sem envolver os processos de seleção e memória para certos tipos de patógenos. O mecanismo de defesa não específico do corpo é dividido em 2 estágios, incluindo:

A primeira linha de defesa é dividida em defesa física e química. A defesa física é a primeira barreira que impede que os patógenos entrem no corpo. A defesa física é desempenhada pela pele, membranas mucosas e cílios. Enquanto isso, as defesas químicas são compostos químicos produzidos por secreções que funcionam para matar os patógenos que chegam.

(Leia também: Tecnologias para superar anormalidades no sistema circulatório)

Alguns exemplos de defesas químicas são o suor, secretado pelas glândulas sudoríparas da pele para matar microorganismos. O ácido clorídrico (HCl) que é secretado pelo estômago serve para matar os patógenos que entram junto com os alimentos. O muco ou muco no trato respiratório atua para matar os patógenos que entram com o ar. As glândulas salivares e lacrimais contêm enzimas de lisozima que são antibacterianas.

Os agentes patogênicos que conseguem passar da primeira linha de defesa serão combatidos pela segunda linha de defesa. As defesas de segunda linha incluem fagocitose, inflamação, febre, interferon e o sistema complemento.

  • Fagocitose é o processo pelo qual as células fagocíticas engolfam ou comem outras células ou patógenos.
  • Inflamação ou inflamação é a resposta do corpo a uma infecção caracterizada por inchaço, dor, calor e vermelhidão.
  • Febre, que é uma condição caracterizada por um aumento da temperatura corporal acima do limite normal. A febre serve para inibir a propagação e o crescimento de patógenos que chegam.
  • O interferon é uma proteína produzida pelos leucócitos devido a uma infecção viral. Existem 3 tipos de interferões, nomeadamente IFN-α, IFN-β e IFN-Y que serve para combater vírus.
  • O sistema complemento, as proteínas do complemento podem fornecer uma resposta de defesa ao se anexar à parede bacteriana e causar a formação de buracos na parede bacteriana, de modo que o fluido e os íons da célula bacteriana saiam, causando a morte da célula bacteriana.

Defesas Corporais Específicas

As defesas específicas do corpo são as defesas do corpo que funcionam para combater certos patógenos e serão ativadas se as defesas não específicas forem incapazes de combater infecções patogênicas. O sistema de defesa específico do corpo são os linfócitos, que são divididos em 2 tipos, a saber, linfócitos T e linfócitos B.

Os linfócitos T são formados na medula espinhal, mas sua maturação ocorre na glândula timo. O timo faz parte do sistema linfático responsável pela produção e armazenamento de células que protegem o corpo contra infecções e doenças. Quando está maduro, os linfócitos T também se espalham por todo o corpo. Existem 4 tipos de linfócitos T, a saber:

  • As células T citotóxicas, funcionam para destruir bactérias, vírus e outros patógenos.
  • As células T auxiliares, funcionam para ativar as células T citotóxicas e desencadear a produção de anticorpos pelos linfócitos B.
  • As células T supressoras, funcionam para suprimir a produção de anticorpos produzidos pelas células B do plasma.
  • As células T de memória funcionam para lembrar os antígenos que atacaram o corpo.
  • Células de linfócitos B

Os linfócitos B se formam e amadurecem na medula espinhal e, quando estão maduros ou prontos para uso, espalham-se por todo o corpo. Os linfócitos B funcionam para formar um sistema imunológico humoral, produzindo anticorpos contra o sangue e a linfa.

Essas células B também são capazes de formar células de memória que funcionam para construir imunidade a longo prazo. Se a qualquer momento o mesmo antígeno retornar ao corpo, essas células de memória irão imediatamente desencadear a formação de anticorpos pelas células B do plasma.

Siga-nos e curta-nos:





Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo