Notícias

Culturas mistas para rendimentos mais elevados – ScienceDaily

Traduzido de Science Daily

Monoculturas dominam as terras aráveis ​​hoje, com vastas áreas dedicadas a variedades exclusivas de elite que prometem altos rendimentos. Mas o plantio de terras aráveis ​​com apenas um tipo de cultura tem suas desvantagens: essas áreas são um jogo fácil para pragas de fungos e insetos, que representam uma ameaça para as plantações. Para manter as pragas afastadas, os agricultores precisam usar variedades resistentes e vários pesticidas.

As culturas mistas apresentam uma alternativa potencial às monoculturas. Em vez de ter grandes extensões de terra plantadas com uma única espécie ou variedade, várias espécies ou variedades são plantadas lado a lado. No entanto, como pouca pesquisa foi feita sobre este método, especialmente do ponto de vista agrícola, o cultivo misto é raro na agricultura arável.

Uma equipe liderada por Christian Schöb, professor da ETH Zurique, revelou que as culturas mistas na verdade produzem um rendimento muito maior do que as monoculturas na agricultura arável. Seu estudo foi publicado recentemente na revista Plantas naturais.

Aplicando um princípio ecológico

As culturas mistas baseiam-se no princípio ecológico de que os ecossistemas podem desempenhar suas funções com mais eficácia onde há maior biodiversidade. Essas funções incluem regular o equilíbrio da água, manter a fertilidade do solo e aumentar a produtividade das plantas.

Isso também se aplica a ecossistemas agrícolas: “Pesquisas em pastagens usadas na agricultura mostraram que áreas com uma mistura maior de plantas são mais produtivas do que aquelas com apenas uma ou poucas espécies”, diz Schöb.

Até agora, quase nenhum estudo comparável enfocou a agricultura arável. Assim, junto com seus colegas, Schöb começou a investigar se esse mecanismo ecológico básico também influenciaria as terras aráveis, especificamente no que diz respeito à produtividade.

Os pesquisadores criaram dois jardins de teste: um na Suíça, no campus Irchel da Universidade de Zurique, e outro na província espanhola de Extremadura. Este último tem um clima muito mais seco e quente do que o de Zurique, permitindo aos pesquisadores examinar como as safras crescem sob possíveis condições climáticas futuras.

Maior rendimento ao misturar apenas duas safras

Em seu experimento, os pesquisadores testaram misturas de duas ou quatro safras diferentes escolhidas entre oito espécies selecionadas, incluindo trigo, aveia, quinua, lentilha, tremoço, linho e linho falso (uma semente oleaginosa semelhante à colza), bem como coentro. Apenas sementes de diferentes espécies foram usadas. As plantas foram plantadas com 12 centímetros de distância em fileiras paralelas alternadas.

Os pesquisadores compararam a massa de sementes das lavouras mistas com a das monoculturas. Eles também mediram a biomassa das plantas em função de seu crescimento no solo.

O resultado fala por si: em comparação com a monocultura, mesmo uma mistura de duas espécies aumentou o rendimento em 3% na Espanha e em 21% na Suíça. Onde os pesquisadores plantaram quatro espécies lado a lado, o aumento na produção foi de 13 e 44 por cento na Espanha e na Suíça, respectivamente.

Os pesquisadores explicaram que esse rendimento adicional se deve principalmente ao efeito da biodiversidade: uma maior variedade de plantas resulta em um melhor aproveitamento dos recursos disponíveis e no controle natural mais eficaz das pragas; os experimentos foram conduzidos sem agrotóxicos.

As plantas colocam muita energia nas folhas e caules.

Os pesquisadores também observaram, no entanto, que as plantas em culturas mistas desenvolveram mais folhas ou caules do que nas monoculturas. Ou seja, as plantas investiram mais energia e matéria na produção de biomassa vegetativa e proporcionalmente menos na produção de sementes. Schöb explicou que as plantas tiveram que fazer um compromisso: quanto mais esforço elas colocam na biomassa vegetativa, menos elas têm para as sementes. “Apesar disso, as plantas ainda produzem mais sementes em equilíbrio do que em monocultura”, diz o pesquisador agropecuário.

Ele atribuiu às variedades utilizadas nos experimentos o fato de as plantas terem investido mais energia na geração de biomassa vegetativa. “As sementes são cultivadas especificamente para monoculturas. Isso significa que as plantas são projetadas para ter melhor desempenho quando cultivadas entre outras plantas da mesma variedade.”

Schöb acredita que o potencial de rendimento adicional provavelmente será ainda maior com sementes adequadas para culturas mistas.

Com o tempo, as pessoas mudaram a maioria das safras para produzir frutas maiores e safras mais altas em condições de monocultura. Os tomates cultivados hoje são gigantescos em comparação com suas contrapartes silvestres, que produzem frutos do tamanho de mirtilos. Para obter o melhor desempenho possível de plantas cultivadas em culturas mistas, os métodos de melhoramento atuais, voltados para o cultivo em monocultura, precisam ser ligeiramente ajustados.

Semeando as sementes certas

Do jeito que está, as sementes não são produzidas ou comercializadas especificamente para uso em safras mistas. Portanto, os pesquisadores estão ocupados coletando e testando sementes de seus próprios experimentos. “Queremos repetir nossos experimentos com essas sementes autoproduzidas para testar se a seleção em uma cultura mista vale literalmente”, diz Schöb.

No entanto, uma mudança na prática agrícola é necessária para que as culturas mistas ganhem terreno. Entre outras coisas, as máquinas devem ser capazes de colher diferentes safras ao mesmo tempo e também separar os diferentes produtos da safra. “Essas máquinas existem, mas são poucas e raras, sem falar que são caras. Simplesmente, há muito pouca demanda por elas hoje”, diz Schöb. Junto com sementes otimizadas e as máquinas certas, o cultivo misto apresentará aos agricultores uma oportunidade real para o futuro.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo