Notícias

Combatendo alergias alimentares em sua fonte – ScienceDaily

Traduzido de Science Daily

As alergias alimentares são um grande problema. Cerca de 7% das crianças e 2% dos adultos nos Estados Unidos têm algum tipo de alergia alimentar. Essas alergias custam incríveis US $ 25 bilhões em assistência médica a cada ano. Então, há tempo perdido na escola ou no trabalho. E existe o risco de complicações graves, até mesmo de morte.

Encontrar maneiras de reduzir o sofrimento causado por alergias alimentares é fundamental. As empresas de processamento de alimentos já fazem um grande esforço para rotular produtos para que as pessoas possam evitar os itens aos quais são alérgicas. Mas e se pudéssemos fazer melhor? E se pudéssemos desfrutar dos alimentos de que gostamos, sem nos preocuparmos com o fato de que eles podem causar uma crise de saúde?

Esse é o foco do trabalho de Eliot Herman. Herman dedicou sua carreira a estudar por que as plantas desencadeiam reações alérgicas e como reduzir a chance de elas serem desencadeadas. Herman é membro da Crop Science Society of America e recentemente apresentou seu trabalho na reunião anual virtual ASA-CSSA-SSSA 2020.

“As alergias alimentares são um grande problema da sociedade. Modificando os alimentos e tratando pessoas sensíveis, isso pode ser mitigado, melhorar suas vidas e afetar os gastos médicos gerais nos Estados Unidos”, disse Herman.

Herman está especialmente focado na soja. As alergias à soja afetam especialmente crianças e bebês. E como os produtos de soja, como óleo e proteína, são usados ​​em inúmeros produtos alimentícios, é difícil evitá-los.

No início de sua carreira, Herman descobriu a proteína produzida pela soja que é responsável pela maioria das alergias à soja. Agora, ele dedicou seu trabalho a entender por que essa proteína é tão agravante e como podemos reduzi-la no cultivo.

Para fazer isso, ele usa modelos animais. Às vezes, os porcos têm uma alergia à soja muito semelhante à dos humanos. Herman trabalhou com uma equipe de pesquisa que criou porcos muito sensíveis à soja. Não seria possível testar novas culturas em crianças alérgicas. Mas esses porcos podem ser usados ​​para ver como os criadores se saíram bem na remoção de proteínas alergênicas da soja.

É uma façanha que Herman fez não uma, mas duas vezes. Anteriormente, Herman fez parceria com a empresa DuPont para produzir uma linha de soja que não poderia produzir a proteína mais alergênica.

Eles fizeram essa linha de soja usando engenharia genética. Essa nova soja era um organismo geneticamente modificado (OGM), havendo também uma demanda por uma soja não transgênica sem a proteína alergênica.

Portanto, Herman voltou à prancheta. Ele trabalhou com seus colegas para encontrar uma linha da Coleção Nacional de Soja do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) que naturalmente não produzisse a proteína alergênica. Isso significa que a engenharia genética não seria necessária. Eles então cruzaram essa linha de soja com uma soja mais comumente cultivada para criar uma nova soja produtiva com sensibilidade alérgica reduzida.

“Esta nova soja pretende ser um protótipo de baixo alérgeno que será testado como uma linha convencional não transgênica para mitigar a resposta alérgica dos consumidores”, diz Herman.

Porcos hipersensíveis agora podem ser usados ​​para testar se esses grãos de soja com baixo teor de alérgeno são seguros o suficiente para quem sofre de alergias. Isso não seria bom apenas para quem sofre de alergia que deseja comer mais alimentos com segurança. Também seria uma boa notícia para os animais.

Como os porcos costumam ser alimentados com soja, uma soja com baixo teor de alérgenos pode reduzir sua própria resposta alérgica. Os cães também apresentam uma alta prevalência de reações alérgicas à soja, que é usada em alguns alimentos para cães. Portanto, reduzir a alergenicidade da cultura também seria bom para o melhor amigo do homem.

“Os alimentos são reconhecidos como remédios desde os tempos antigos. Ao reduzir os alérgenos da soja, esperamos produzir um resultado médico positivo para humanos e animais”, diz Herman.

Eliot Herman é professor de ciência de plantas e do Instituto Bio5 da Universidade do Arizona. Este trabalho foi apoiado pelo United Soybean Board e pelo National Institute of Food and Agriculture do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Fonte da história:

materiais fornecido por Sociedade Agronômica Americana. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo