Notícias

Biólogos identificam proteína que reconhece Cuscuta como parasita – ScienceDaily

Traduzido de Science Daily

Trabalhando junto com pesquisadores da Universidade de Tübingen, da Universidade de Tromsø, UC Davis e do Laboratório Sainsbury em Norwich, os biólogos da FAU descobriram como os tomates identificam o Cuscuta como um parasita. A planta possui uma proteína em suas paredes celulares que é identificada como “estranha” por um receptor no tomate.

Cuscuta spp., Também conhecida como cuscuta, é uma videira parasita que se enxerta na planta hospedeira usando rebentos especiais para obter água, minerais e carboidratos. O parasita também ataca e danifica plantações como colza, milho doce, soja, linho ou trevo. Embora a infecção geralmente não seja detectada pelo hospedeiro, algumas espécies de tomate se defendem ativamente, formando um tecido lenhoso que evita que os rebentos penetrem na planta. Em pesquisas anteriores, os biólogos da FAU descobriram que esses tomates possuem um receptor especial, o receptor Cuscuta 1 (CuRe1), que ativa o mecanismo de defesa. No entanto, até agora não estava claro como o receptor reconhece o perigo representado pelo dodder.

Os pesquisadores agora conseguiram responder a esta pergunta: Dodder possui um marcador específico em sua parede celular, uma proteína rica em glicina (GRP). Usando seu receptor CuRe1, o tomate é capaz de reconhecer o padrão molecular do GRP e identificar a casca como patógeno e, com isso, desencadear a reação imunológica. Novas descobertas sobre o diálogo molecular entre o marcador Cuscuta e o receptor do tomate podem ajudar a aumentar a resistência das plantas cultivadas contra plantas parasitas.

Fonte da história:

materiais fornecido por Universidade de Erlangen-Nuremberg. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo