Notícias

As consequências socioeconômicas do COVID-19 ameaçam a indústria cafeeira global, conclui o estudo

Traduzido de Science Daily
[ad_1]

Os efeitos socioeconômicos do COVID-19 provavelmente causarão outra grave crise de produção na indústria do café, de acordo com um estudo liderado pela Rutgers University.

O estudo, que aparece na revista procedimentos da Academia Nacional de Ciências, incluiu pesquisadores da Universidade do Arizona, da Universidade do Havaí em Hilo, CIRAD, da Universidade de Santa Clara, da Universidade Purdue West Lafayette e da Universidade de Exeter.

“Qualquer grande impacto na indústria global do café terá sérias implicações para milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo o mercado de varejo de café aqui nos Estados Unidos”, disse o autor principal Kevon Rhiney, professor assistente do Departamento de Geografia de Rutgers- New Brunswick.

O café é um dos produtos agrícolas mais comercializados no mundo, sustentando a vida de cerca de 100 milhões de pessoas em todo o mundo, especialmente em países de baixa renda. Mas o setor há muito luta contra muitos estresses, incluindo reformas institucionais, volatilidade dos preços de mercado, condições climáticas extremas e doenças e pragas de plantas. E no ano passado, a COVID-19 surgiu como uma nova ameaça para a indústria do café, agindo como um potencial gatilho para novas epidemias de ferrugem, a doença mais séria da planta do café no mundo.

Os pesquisadores se basearam em estudos recentes sobre a doença fúngica, que afetou gravemente vários países da América Latina e do Caribe na última década. Eles observaram como os surtos anteriores foram associados a colheitas ruins e investimentos em fazendas de café, e como os impactos da COVID-19 no trabalho, desemprego, pedidos de estadia em casa e políticas de fronteira internacional podem afetar os investimentos em cafeeiros e, por sua vez, criam condições. favorável para futuras falhas.

Os pesquisadores concluíram que os choques socioeconômicos da COVID-19 provavelmente levarão o setor cafeeiro a outra grave crise de produção.

“Nosso artigo mostra que os surtos de ferrugem do café são fenômenos socioeconômicos complexos e que o gerenciamento de doenças também envolve uma combinação de soluções científicas e sociais”, disse Rhiney. “Não existe uma ‘fórmula mágica’ que simplesmente fará com que este problema desapareça. Combater a ferrugem do café envolve mais do que apenas controlar surtos; envolve também proteger os meios de subsistência dos agricultores para construir resiliência a choques futuros.”

Os pesquisadores disseram que os desafios da ferrugem do café refletem uma tendência de colapsos induzidos por doenças nos últimos anos nos principais mercados globais de commodities como banana e cacau, onde o cultivo em grande escala de safras únicas e a homogeneização de características das plantas facilitam o aparecimento de doenças. emergir e se espalhar.

Eles concluíram que a pandemia COVID-19 destaca a interconexão do sistema cafeeiro global como uma vulnerabilidade e uma fonte de força.

“A disseminação do COVID-19 e da ferrugem do café revelam as fraquezas e desigualdades sistêmicas de nossos sistemas sociais e econômicos”, disse Rhiney. Segundo a equipe, “Portanto, só podemos ter um sistema cafeeiro saudável se promovermos o bem-estar dos mais vulneráveis. É essencial reconhecer os papéis-chave do trabalho e do funcionamento saudável dos ecossistemas na produção e manutenção de café. Isso significa desafiar o status quo e as atuais cadeias de valor do café para melhor reconhecer o valor produzido pelos pequenos produtores e, ao mesmo tempo, elevar partes essenciais, mas pouco reconhecidas, do processo de produção, como saúde humana, segurança alimentar e sustentabilidade ”.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade Rutgers. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo