Notícias

Agricultores suíços contribuíram para a domesticação da papoula

Traduzido de Science Daily
[ad_1]

Os campos de papoulas do ópio floresceram onde hoje fica a garagem subterrânea da Ópera de Zurique. Por meio de uma nova análise de sementes arqueológicas, pesquisadores da Universidade de Basel conseguiram reforçar a hipótese de que fazendeiros pré-históricos dos Alpes estiveram envolvidos na domesticação da papoula.

Embora conhecida hoje principalmente como uma fonte de ópio e opiáceos, a papoula também é uma planta medicinal e alimentar valiosa. Suas sementes podem ser usadas para fazer mingaus e óleo de cozinha. Ao contrário de todas as outras culturas anteriormente domesticadas, que se presume que foram domesticadas no sudoeste da Ásia (vários cereais, leguminosas e linho), os especialistas acreditam que a papoula do ópio (Papaver somniferum L.) foi domesticada no Mediterrâneo ocidental, onde se presume que o pai é Papaver somniferum subsp. setigerum (DC.) Arcang é nativo e ainda hoje cresce selvagem.

Usando um novo método de análise, pesquisadores das Universidades de Basel e Montpellier conseguiram reforçar a hipótese de que fazendeiros pré-históricos que viviam em palafitas ao redor dos Alpes começaram a cultivar e usar a papoula do ópio em grande escala por volta de 5.500 aC. Com isso, contribuíram para sua domesticação, conforme relata a equipe na revista. Relatórios científicos.

“Até agora era impossível determinar exatamente quando e onde a papoula do ópio foi domesticada”, diz o líder do estudo, Dr. Ferran Antolín, da Universidade de Basel e do Instituto Arqueológico Alemão de Berlim. “Não havia métodos para identificar os achados arqueológicos de sementes de papoula como domesticadas ou como subespécies selvagens.”

Isso agora foi conseguido graças a um método desenvolvido pela arqueóloga Ana Jesús como parte de seu trabalho de doutorado. O método envolve medir o número de células e o tamanho e a forma da semente usando análise de contorno para capturar as diferenças sutis entre variantes domésticas e selvagens. Os pesquisadores testaram seu método usando 270 sementes de um total de nove espécies de papoula (30 sementes por espécie) retiradas das coleções de sementes da Universidade de Basel e do Museu Nacional de História Natural (MNHN) em Paris. Esses testes mostraram que a classificação das sementes como uma variante selvagem ou doméstica da papoula do ópio era confiável em 87% dos casos.

Por fim, a equipe aplicou o método a achados arqueológicos de sementes descobertos durante a escavação da residência de 5.000 anos na garagem subterrânea da Ópera de Zurique. A análise das sementes de papoula mostrou que cerca de metade eram selvagens e a outra metade domesticada. “Existem duas explicações possíveis para isso”, diz Jesus. “Os agricultores poderiam ter misturado essas duas variantes, ou a pressão de seleção devido ao cultivo fez com que a papoula se tornasse gradualmente a variante que agora conhecemos como a papoula domesticada.”

A última explicação significaria que a papoula ainda tinha sementes de tipo selvagem quando chegou à Europa Central e que os agricultores, consciente ou inconscientemente, contribuíram para as mudanças no tamanho e na forma das sementes, ou seja, o processo de domesticação.

Os pesquisadores agora querem aplicar o método a outras descobertas arqueológicas de sementes de papoula suficientemente bem preservadas. O objetivo da equipe internacional é reconstruir todo o processo de domesticação da papoula. Isso pode permitir que conclusões gerais sejam tiradas sobre a domesticação de plantas e para identificar o papel que o cultivo desempenha em regiões climáticas diferentes da área nativa da planta.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Basel University. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo