Notícias

Adaptação, sem irrigação recomendada para produtores de milho do Centro-Oeste

Traduzido de Science Daily

Os agricultores do meio-oeste podem evitar o clima quente não obtendo mais água para suas plantações, mas adaptando-se às mudanças climáticas por meio do manejo do solo, diz um novo estudo da Michigan State University.

“O meio-oeste fornece 30% do milho e da soja do mundo”, disse Bruno Basso, um cientista do ecossistema e professor da Fundação MSU no Departamento de Ciências da Terra e Ambientais da Faculdade de Ciências Naturais. “Essas plantações são sensíveis às mudanças de temperatura e água.”

Estudos anteriores sugeriram que, em 2050, o Centro-Oeste precisará de aproximadamente 35% a mais de água para manter seus níveis atuais de produção de milho e soja. Mas a pesquisa de Basso e seus colegas descobriu que os dados não apóiam essa ideia. O Centro-Oeste está em uma localização única que geralmente recebe chuvas abundantes e possui solo profundo, ideal para a agricultura.

A pesquisa foi publicada em 5 de março em Comunicações da natureza.

Basso, com seus membros de laboratório Rafael Martinez-Feria e Lydia Rill, e o distinto professor emérito Joe Ritchie da MSU, analisaram as tendências do tempo de estações meteorológicas em todo o meio-oeste que datam de 1894.

Os pesquisadores descobriram que as temperaturas médias diárias durante o verão aumentaram em grande parte do Meio-Oeste. Mas eles também descobriram que as temperaturas mínimas diárias do ar, geralmente à noite, aumentaram, enquanto as temperaturas máximas diárias durante o dia diminuíram.

Essas tendências foram sustentadas ao longo de todo o registro meteorológico de 120 anos estudado ou por períodos de 30 a 60 anos.

“Temperaturas mais altas geralmente significam que as plantações precisam de mais água, mas esse não parece ser o caso no meio-oeste”, disse Basso, que também é membro do corpo docente da W.K. da MSU. Estação Biológica Kellogg e AgBioResearch. “Como o aumento da temperatura média vem de temperaturas mínimas mais altas, a temperatura na qual o orvalho se forma, isso significa que o ar também está ficando mais úmido.”

Ritchie, um dos co-autores do estudo, disse que essas duas tendências contrastantes se anularam e que, até agora, a demanda potencial de água para as plantações permaneceu relativamente inalterada, apesar do clima quente.

Os dados foram inseridos em modelos de simulação computacional desenvolvidos na MSU por Basso e Ritchie para medir o impacto se essas tendências continuassem em 2050. Martínez-Feria, outro co-autor do estudo, disse que, no pior dos casos, a quantidade de água necessária por safras pode aumentar em média 2,5%. Estimativas mais conservadoras indicam que as necessidades de água permaneceriam praticamente as mesmas, pois as chuvas de verão também aumentariam.

Basso adverte que, embora as necessidades de água das plantações possam ser semelhantes no futuro, o aumento da temperatura do ar também aumenta a probabilidade de secas. “O impacto da mudança climática no meio-oeste ainda é incerto”, disse ele. “Ainda corremos o risco de secas.”

Mas, em vez de instalar sistemas de irrigação extensos e caros que só poderiam pagar em secas extremas, Bassos aconselha os agricultores a investir em tecnologia de solo regenerativo e práticas que tornam as plantas mais resistentes e adaptáveis ​​às mudanças climáticas.

“À medida que continuamos aprendendo mais sobre o clima e sua crescente variabilidade, os agricultores precisam se adaptar, o que eles estão começando a fazer”, disse Basso. “Estou otimista de que com o progresso feito em práticas regenerativas, genética e soluções de tecnologia digital, podemos nos adaptar ao clima e ter uma melhor chance de vencer esta batalha contra nossos próprios erros do passado.”

Fonte da história:

Materiais fornecido por Michigan State University. Original escrito por Emilie Lorditch. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo