Notícias

A mudança climática reduziu a produtividade agrícola global em 21% desde 1960

Traduzido de Science Daily
[ad_1]

Apesar dos avanços agrícolas significativos para alimentar o mundo nos últimos 60 anos, um estudo liderado por Cornell mostra que a produtividade agrícola global é 21% menor do que poderia ter sido sem as mudanças climáticas. Isso equivale a perder cerca de sete anos de aumentos de produtividade agrícola desde a década de 1960.

Os potenciais impactos futuros das mudanças climáticas na produção agrícola global foram quantificados em muitos relatórios científicos, mas a influência histórica das mudanças climáticas antropogênicas no setor agrícola ainda não havia sido modelada.

Agora, um novo estudo fornece esses insights: “A mudança climática antropogênica desacelerou o crescimento da produtividade agrícola global”, publicado em Nature Mudança Climática, foi liderado pelo economista Ariel Ortiz-Bobea, professor associado da Escola de Economia Aplicada e Gestão Charles H. Dyson em Cornell.

“Descobrimos que a mudança climática basicamente matou cerca de sete anos de melhorias na produtividade agrícola nos últimos 60 anos”, disse Ortiz-Bobea. “É equivalente a apertar o botão de pausa no crescimento da produtividade em 2013 e não ver melhorias desde então. A mudança climática antropogênica já está nos impedindo.”

Cientistas e economistas desenvolveram um modelo econométrico abrangente que liga as mudanças anuais no clima e nas medidas de produtividade com os resultados dos modelos climáticos mais recentes ao longo de seis décadas para quantificar o efeito das mudanças climáticas recentes causadas pelo homem no que os economistas chamam de “total produtividade dos fatores ”, uma medida que capta a produtividade geral do setor agrícola.

Ortiz-Bobea disse que considerou mais de 200 variações sistemáticas do modelo econométrico e os resultados permaneceram amplamente consistentes. “À medida que focamos em diferentes partes do mundo, descobrimos que os impactos históricos das mudanças climáticas foram maiores em áreas que já estão mais quentes, incluindo partes da África, América Latina e Ásia”, disse ele.

Os humanos já alteraram o sistema climático, disse Ortiz-Bobea, já que a ciência do clima indica que o mundo está cerca de 1 grau Celsius mais quente do que sem os gases de efeito estufa atmosféricos.

“A maioria das pessoas vê a mudança climática como um problema distante”, disse Ortiz-Bobea. “Mas isso é algo que já está surtindo efeito. Temos que lidar com a mudança climática agora para evitar mais danos às gerações futuras”.

O financiamento da Cornell foi fornecido pelo Instituto Nacional de Alimentos e Agricultura do USDA e pela National Science Foundation.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Cornell University. Original escrito por Blaine Friedlander. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo