História

Semitism – New World Encyclopedia


Anti-semitismo (escrito alternadamente anti-semitismo) é hostilidade ou preconceito contra os judeus como um grupo religioso, étnico ou racial, que pode variar de ódio individual a perseguição violenta institucionalizada. O anti-semitismo tem uma longa história, que remonta ao mundo greco-romano e culminou no Holocausto nazista. Antes do século 19, a maior parte do anti-semitismo tinha motivação religiosa. O Judaísmo era a única grande minoria religiosa depois que o Cristianismo se tornou a religião oficial da Europa e, portanto, sofreu legislação discriminatória, perseguição e violência. O anti-semitismo religioso (às vezes chamado de antijudaísmo) geralmente não afetou os descendentes de judeus que se converteram a outra religião, sendo a Inquisição Espanhola a notável exceção.

Caricatura racial anti-semita (França, 1898)

A forma dominante de anti-semitismo do século 19 até hoje é o anti-semitismo racial. Com suas origens nas ideias antropológicas culturais de raça que começaram durante o Iluminismo, o anti-semitismo racial enfocou os judeus como um grupo racialmente distinto, independentemente de sua prática religiosa, vendo-os como subumanos e dignos de animosidade. Com a ascensão do anti-semitismo racial, as teorias da conspiração sobre conspirações judaicas nas quais os judeus agiram em conjunto para dominar o mundo tornaram-se uma forma popular de expressão anti-semita. A ideologia altamente explícita do nazismo de Adolf Hitler foi o exemplo mais extremo desse fenômeno, levando ao genocídio dos judeus europeus chamado Holocausto.

Nos países islâmicos, até recentemente, os judeus eram geralmente tratados muito melhor do que na Europa cristã. As atitudes dos muçulmanos em relação aos judeus mudaram drasticamente após o estabelecimento do Estado de Israel. É no mundo islâmico que os exemplos mais cruéis de anti-semitismo são encontrados hoje. Muitas vezes é disfarçado como crítica legítima ao sionismo e às políticas de Israel, mas vai além para atacar os judeus de forma mais ampla.

Etimologia e uso

O termo “anti-semitismo” deriva do nome de Shem, filho de Noé, e de seus ancestrais, conhecidos como Shemites ou Semitas. Portanto, “anti-semitismo” tecnicamente se refere não apenas aos judeus, mas a todos os povos semitas, incluindo os árabes. Historicamente, no entanto, o termo tem sido predominantemente usado de uma maneira mais precisa para se referir ao preconceito contra os judeus apenas, e este tem sido o único uso dessa palavra por mais de um século.

O agitador político alemão Wilhelm Marr cunhou a palavra alemã Anti-semitismo no livro dele O caminho para a vitória do germanismo sobre o judaísmo em 1879. Marr usou o termo como um sinônimo pseudocientífico para ódio aos judeus ou Judenhass. O livro de Marr tornou-se muito popular e, no mesmo ano, ele fundou a “Liga dos Anti-semitas”. (Liga Anti-semita), a primeira organização alemã especificamente comprometida em combater a alegada ameaça à Alemanha representada pelos judeus e defender sua expulsão à força do país.

Nas últimas décadas, alguns grupos argumentaram que o termo deveria ser ampliado para incluir o preconceito anti-árabe, também conhecido como anti-arabismo. No entanto, Bernard Lewis, professor emérito de estudos do Oriente Médio na Universidade de Princeton, observa que até agora, “o anti-semitismo nunca se importou com ninguém além dos judeus”.[1]

Anti-semitismo precoce

O relato mais antigo de anti-semitismo é encontrado no Livro de Ester (século 3 ou 4 A.E.C.) que conta a história da tentativa de Haman de exterminar todos os judeus no Império Persa sob Xerxes. Embora esse relato possa não ter sido histórico, ele fornece evidências de que os judeus sofreram surtos de anti-semitismo no Império Persa. Os preconceitos egípcios contra os judeus são encontrados nos escritos do sacerdote egípcio Manetho no século III. A.E.C. que, reagindo contra o relato bíblico do Êxodo, afirmou que os judeus eram uma colônia de leprosos que foram expulsos e tomaram a Palestina, uma terra à qual eles não tinham direito.[2]

Choque entre Hebraísmo e Helenismo

A antipatia sustentada pela tradição judaica começou na era helenística.[3] Os cosmopolitas gregos ficaram ofendidos com a afirmação dos judeus de que o Deus universal os havia selecionado para serem seu “povo escolhido”. Isso é conhecido como o escândalo do “particularismo”. Os judeus foram ainda distinguidos pela prática incomum da circuncisão e pela recusa em se casar com não judeus, que eles consideravam impuros. Suas leis dietéticas os impediam de ter relacionamentos sociais normais. Essa aparente hostilidade levou à hostilidade e acusações de “estranheza”.

Os gregos, de sua perspectiva, viam os judeus como um espinho no lado de seu universo civilizado multirracial e multinacional, criado por Alexandre, o Grande. Orgulhosos de sua distinta tradição literária, artística e filosófica, eles consideravam que sua cultura era superior e universal, que deveria ser promovida em todos os lugares. Os gregos eram humanistas que acreditavam que deveriam fazer suas próprias leis, escolher seus próprios deuses e definir sua identidade por meio de suas relações sociais. Seus costumes sexuais eram muito liberais e glorificavam o corpo humano, encorajando exercícios e jogos pelados. Alexandre o Grande promoveu deliberadamente o casamento misto e a adoção da cultura grega, estabelecendo ginástica teatros e escolas secundárias em todo o seu império. Após sua morte, seus sucessores construíram vilas e cidades em todo o Oriente Próximo, promovendo e muitas vezes reforçando o helenismo.

A helenização foi geralmente bem recebida pelas nações menos desenvolvidas do Oriente Próximo, exceto entre os judeus. Os judeus encontraram sua principal fonte de identidade em seu relacionamento de aliança com Deus, cujas leis, conforme reveladas a Moisés, não estavam abertas a mudanças pelos seres humanos. Em obediência a essas leis, os judeus se vestiam com modéstia, tinham costumes sexuais conservadores e mantinham uma dieta kosher. Estas leis impediam a integração dos judeus, pelo que os gregos os consideravam misantrópicos e “inimigos da humanidade”.[4]

Houve reformadores judeus, como Filo de Alexandria, que simpatizavam com o espírito do helenismo. No entanto, seus esforços foram prejudicados por medidas gregas consideradas hostis à sobrevivência dos judeus, como os eventos que cercaram a revolta dos macabeus em 165. A.E.C. Em 175 A.E.C. o monarca selêucida Antíoco IV Epifânio chegou ao poder. Querendo apressar a helenização de seus domínios, ele substituiu o sumo sacerdote ortodoxo do Templo por Jason, um reformador e helenizador, que começou a transformar Jerusalém em um policiais. Ele construiu um ginásio onde as pessoas se exercitavam nuas ao pé do Monte do Templo, uma atividade muito chocante para a mente semita. Os fundos do templo foram desviados para peças e dramas internacionais. Em 167 A.E.C. um decreto aboliu a lei mosaica; a circuncisão, que os gregos consideravam desfigurar o corpo humano, foi declarada ilegal e o Templo tornou-se um local ecumênico de culto com uma estátua de Zeus. Esse racionalismo militante imposto pelo poder do Estado provocou uma reação violenta: a revolta dos macabeus que culminou na independência judaica (este episódio é celebrado todos os anos no Hanukkah). O professor Cohn-Sherbok disse que “os selêucidas serviram de modelo para futuras formas de anti-semitismo”.[3]

Os romanos conquistaram o antigo império de Alexandre, mas a cultura grega continuou a dominar, especialmente no Oriente. O Império Romano era governado de forma liberal: as religiões locais e as instituições sociais eram respeitadas. Os judeus foram autorizados a praticar sua religião e foram isentos da obrigação de adoração ao imperador esperada de outros. O anti-semitismo dos gregos mudou cada vez mais as atitudes e políticas romanas.[4] Flaccus, o governador romano da cidade de Alexandria, permitiu que turbas gregas erguessem estátuas de suas divindades nas sinagogas judaicas e depois declarou os judeus fora-da-lei quando resistiram, depois do que milhares deles foram mortos.[5] Fábulas sobre os judeus, como a adoração de burros e o sacrifício humano no templo, eram infinitamente fabricadas e recicladas. Josefo registra o antijudaísmo de seu tempo em sua defesa do judaísmo Contra Apion“Apion é um desses críticos.”

Finalmente, os judeus da Palestina encenaram duas grandes revoltas contra a ocupação romana. Mas, “é importante entender que a aparente revolta judaica contra Roma foi basicamente um choque entre a cultura judaica e grega.”[4] Os romanos arrasaram Jerusalém e expulsaram o povo judeu da Palestina. As autoridades judaicas sobreviventes sob a liderança de Yohanan ben Zakkai chegaram a um acordo político com Roma, prometendo que os judeus renunciariam a atividade política e, em troca, Roma deu aos judeus direitos legais para praticar sua religião. No entanto, o anti-semitismo continuou a crescer no Império, especialmente sob Adriano. O historiador de Tácito em seu amplamente lido histórias ele compilou uma ladainha de calúnias antijudaicas.[6]

O novo testamento

Jesus era judeu e todos os seus discípulos e primeiros seguidores também eram judeus. As histórias dos Evangelhos são de encontros, debates, divergências e conflitos entre judeus. Nos Evangelhos, Jesus é retratado como um severo crítico do judaísmo oficial, acusando-o de ‘pecaminosidade e traição’. Profeticamente, ele condena os fariseus repetidamente por sua compreensão da Lei mosaica:

Mas ai de vocês, fariseus! porque você dá o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as ervas, e negligencia a justiça e o amor de Deus; isso deveria ter sido feito, sem negligenciar os outros. (Lucas 11:42)

Pela sua tradição, você anulou a palavra de Deus. Hipócritas! Isaías profetizou bem a seu respeito quando disse: “Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim; em vão me adoram, ensinando como doutrinas os preceitos dos homens.” (Mateus 15: 6-9)

Muitas das parábolas de Jesus, como a ‘festa de casamento’ (Mateus 22: 1-14), apresentam o povo e os líderes judeus como falhando e sendo rejeitados por Deus. Há uma forte teologia supersessionista em parábolas como os ‘arrendatários da vinha’ (Mateus 21: 33-46), onde os judeus são substituídos pela providência de Deus.

Os Evangelhos minimizam o papel dos romanos na crucificação de Jesus. Em vez disso, os líderes judeus e o povo são culpados por sua morte. O Evangelho de Mateus descreve uma cena infame perante o governador romano Pôncio Pilatos em que “todos os [Jewish] o povo “clamou pela morte de Jesus, clamando:” Que o seu sangue caia sobre nós e sobre os nossos filhos! “(Mateus 27:24)

No livro de Atos, Estêvão, um judeu helenista, confronta um conselho judaico em Jerusalém pouco antes de sua execução e acusa os judeus de serem um povo consistentemente rebelde contra Deus: “Um povo teimoso, incircunciso de coração e ouvidos “O Espírito Santo sempre resiste. Assim como seus pais, você também. Qual dos profetas seus pais não perseguiram? E mataram aqueles que anunciaram de antemão a vinda dos justos, a quem você agora traiu e assassinou.” (Atos 7: 51-53)

Paulo também era judeu e tinha orgulho disso. Suas cartas contêm passagens que afirmam o lugar continuado dos judeus na providência de Deus, mas também alguns denegrem e negam.

Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um do escravo e outro do livre. Seu filho escravo nasceu da maneira comum; mas seu filho da mulher livre nasceu como resultado de uma promessa. Essas coisas podem ser interpretadas no sentido figurado, porque as mulheres representam dois convênios. Uma aliança vem do Monte Sinai e gera filhos que serão escravos: esta é Hagar. Agora, Hagar representa o Monte Sinai na Arábia e corresponde à atual cidade de Jerusalém, porque ela está na escravidão com seus filhos. Mas a Jerusalém acima é gratuita e ela é nossa mãe. Agora vocês, irmãos, como Isaac, são filhos da promessa. Naquela época, o filho nascido da maneira comum perseguia o filho nascido pelo poder do Espírito. É o mesmo agora. Mas o que diz a Escritura? “Livre-se da escrava e de seu filho, porque o filho da escrava jamais compartilhará a herança com o filho da mulher livre.” (Gálatas 4: 21-26, 28-30)

Paulo constantemente ensinou que as pessoas não podem ser salvas seguindo a lei de Moisés, mas somente pela fé em Cristo (Gálatas 2:16). No entanto, ele não estava tentando minar o fundamento do Judaísmo; antes, ele estava cumprindo sua comissão como apóstolo dos gentios. Paulo se opôs aos judeus-cristãos, que exigiam que todos os cristãos seguissem a lei judaica, pois isso seria um grande obstáculo ao seu programa evangélico. Seu objetivo era abrir uma porta ampla para que os gentios se tornassem cristãos, sem as exigências supérfluas e onerosas de serem circuncidados, manter uma dieta kosher, etc.

Essas críticas aos judeus e ao judaísmo eram parte de debates e discussões entre diferentes partidos judeus. Por exemplo, quando Jesus discutiu com os fariseus se era apropriado curar no sábado, sua opinião foi consistente com muitos rabinos de sua época, o grande Hilel entre eles, que tinha a mesma opinião. Quando Paulo ensinou que os crentes gentios cristãos não precisam ser circuncidados, ele estava estendendo o padrão judaico existente que considera os não-judeus como justos diante de Deus, desde que sigam as nove leis simples de Noé. É da natureza do argumento que ambas as partes exagerem para defender seu ponto de vista; portanto, a apresentação de Paulo do significado da Lei era uma caricatura que não representava com precisão o judaísmo do primeiro século. Ainda assim, essas eram discussões dentro da família. No entanto, uma vez que os cristãos pararam de pensar em si mesmos em certo sentido como judeus, essas passagens do Novo Testamento assumiram uma cor diferente e se tornaram acusações contra os judeus em geral.

Na verdade, a imagem dos judeus que os cristãos tiveram nos últimos 2.000 anos foi a das passagens do Novo Testamento. É por isso que os judeus e, mais recentemente, alguns cristãos têm as raízes do anti-semitismo no ensino do Novo Testamento.[3]

Cristianismo primitivo

Durante grande parte do primeiro século, a maioria dos cristãos eram judeus que também frequentavam a sinagoga. A seita judaico-cristã era uma entre várias naquela época.[7] A animosidade entre cristãos e judeus começou como uma discussão entre o pequeno número de judeus que aceitaram Jesus como o Messias e a maioria dos judeus que negou seu status de Messias. A controvérsia se tornou tão acalorada e divisiva que os judeus que acreditavam em Jesus foram expulsos das sinagogas e estabeleceram seus próprios cultos de adoração.

Os gentios que frequentavam a sinagoga, mas não haviam se convertido ao judaísmo devido aos rigores de guardar a lei mosaica, eram provavelmente os mais abertos a se juntar aos judeus-cristãos que lhes ofereciam participação plena e igual na comunidade.[8] À medida que mais e mais gentios se uniam à igreja, eles trouxeram consigo as atitudes anti-semitas gregas tradicionais. Ignorando a vida interior da comunidade judaica na época de Jesus, eles leram muitos dos textos do Novo Testamento como condenações do judaísmo como tal, ao invés das disputas internas que eram comuns dentro da comunidade judaica na época. Os cristãos de herança judaica tiveram que parar de praticar as tradições judaicas como a circuncisão e comer apenas comida kosher ou então ser acusados ​​de heresia “judaizante”.

Seguindo o ensino do Novo Testamento, os primeiros Padres da Igreja desenvolveram um Adversus Judaeos tradição que floresceu dos séculos II a VI. Foi uma polêmica cruel e malévola que pode ser encontrada em sermões e em todos os tipos de literatura. A principal acusação era que os judeus rejeitaram o Messias e, portanto, Deus os rejeitou com justiça e, como resultado, eles mereciam sofrer como punição. Eles se rebelaram contra Deus e é por isso que os cristãos os substituíram como os escolhidos de Deus, o Novo Israel profetizado nas Escrituras. O apologista cristão Justin Martyr em seu Diálogo com Trypho, o judeu (c. 150 CE.) declarou:

A circuncisão segundo a carne, que é de Abraão, foi dada como um sinal; de modo que você está separado de outras nações e de nós; e que só você pode sofrer o que agora sofre com justiça; e que vossa terra fique desolada e vossas cidades queimadas; e que estranhos comam seus frutos na sua presença, e nenhum de vocês suba a Jerusalém. Essas coisas aconteceram com você com justiça e imparcialidade. (Diálogo com Trypho, CH. dezesseis)

A carta apócrifa de Barnabé (c. 100 CE.) declara que Jesus aboliu a Lei de Moisés e afirma que os judeus eram “homens miseráveis [who] eles colocaram sua esperança no edifício (o templo), e não em seu Deus que os fez. “No segundo século, alguns cristãos até declararam que o Deus dos judeus era um ser completamente diferente do amoroso Pai Celestial. O pregador popular O gnóstico Marcion, embora eventualmente rejeitado como herege, desenvolveu uma forte adesão a essa crença, argumentando que as escrituras judaicas seriam rejeitadas pelos cristãos.

No século 5 CE.Várias das homilias do famoso orador da “língua de ouro” João Crisóstomo, bispo de Antioquia, foram dirigidas contra os judeus.[9]

Esse desprezo pelos judeus foi traduzido em legislação. As restrições formais contra judeus começaram já em 305 CE., quando, em Elvira (hoje Granada) surgiram as primeiras leis conhecidas de qualquer concílio eclesiástico contra os judeus. Mulheres cristãs foram proibidas de se casar com judeus, a menos que os judeus primeiro se convertessem ao catolicismo. Os cristãos eram proibidos de comer com judeus ou de manter relações sociais amigáveis ​​com eles.

Durante o Primeiro Concílio de Nicéia em 325 CE., disse o imperador romano Constantino, “… Não tenhamos nada em comum com a detestável multidão judaica, porque recebemos de nosso Salvador de uma maneira diferente.”[10] A Páscoa foi formalmente separada da celebração da Páscoa. Em 329, Constantino emitiu um édito estipulando a pena de morte para qualquer não-judeu que abraçasse a fé judaica, bem como para os judeus que os encorajassem. Por outro lado, os judeus foram proibidos de qualquer retaliação contra judeus convertidos ao cristianismo. Constantino também proibiu os casamentos entre judeus e cristãos e impôs a pena de morte a qualquer judeu que transgredisse esta lei.[11]

Em 391 CE.O imperador Teodósio I proibiu a adoração pagã e de fato fez do Cristianismo a religião oficial do Império Romano. Com o desaparecimento do paganismo, permaneceu um grupo grande, bem organizado, altamente religioso, bem-educado e próspero, que estragou a desejada uniformidade religiosa: os judeus. Isso colocou os judeus em uma situação vulnerável, pois os cristãos procuraram exercer seus novos privilégios contra eles. Santo Ambrósio, bispo de Milão, desafiou este mesmo Teodósio por apoiar abertamente os direitos dos judeus quando Teodósio ordenou a reconstrução de uma sinagoga judaica às custas de um bispo local depois que uma multidão cristã a incendiou. Ambrose argumentou que não era apropriado para um imperador cristão proteger os judeus que rejeitaram a Cristo dessa forma, dizendo sarcasticamente:

Você tem o culpado presente, ouve sua confissão. Declaro que coloquei fogo na sinagoga, ou pelo menos ordenei aqueles que o fizeram, para que não houvesse lugar onde Cristo fosse negado.

A discriminação legal contra judeus no Império Romano Cristão em geral foi formalizada em 438, quando o Código de Teodósio II estabeleceu o Cristianismo Ortodoxo como a única religião legal no império. O Conselho Geral de Calcedônia em 451 proibiu casamentos mistos com judeus em toda a cristandade. Um século depois, o Código Justiniano privou os judeus de muitos de seus direitos civis, e os conselhos da Igreja ao longo dos séculos 6 e 7 impuseram provisões antijudaicas.

No ano 589, na Espanha católica, o III Concílio de Toledo ordenou que os filhos nascidos do casamento entre judeus e católicos fossem batizados à força. Pelo XII Concílio de Toledo (681 CE.) foi iniciada uma política de conversão forçada de todos os judeus (Liber Judicum, II.2 conforme apresentado em Roth).[12] Milhares fugiram e outros milhares se converteram ao catolicismo romano.

Anti-semitismo na Idade Média

Em 1239, o Papa Gregório IX ordenou que o Talmud fosse queimado. Pintura do século XV de Pedro Berruguete.

Na Idade Média, a Igreja Católica às vezes encorajava o antijudaísmo; em 1215, o Quarto Conselho de Latrão declarou que todos os judeus deveriam usar roupas distintas. Em outras ocasiões, ele condenou e tentou impedir o antijudaísmo popular; Em 1272, o Papa Gregório X emitiu uma bula papal declarando que as acusações populares contra os judeus eram fabricadas e falsas. No entanto, o preconceito popular era tão violento quanto o anti-semitismo racial de uma época posterior. Os judeus foram difamados como assassinos de Cristo, sofreram severas restrições profissionais e financeiras, foram acusados ​​dos crimes mais hediondos contra os cristãos, tiveram livros queimados, forçados a ir para guetos, forçados a vestindo roupas distintas, eles foram forçados a se converter, expulsos de várias nações e massacrados.

Acusações

Deicídio. Embora não façam parte do dogma católico oficial, muitos cristãos, incluindo membros do clero, responsabilizam coletivamente o povo judeu por rejeitar e matar Jesus (ver Deicídio). Essa foi a causa raiz de várias outras suspeitas e acusações descritas abaixo. Os judeus eram considerados arrogantes, gananciosos e hipócritas como “povo escolhido”. As críticas ocasionais do Talmud ao Cristianismo e ao próprio Jesus geraram a queima de livros e suspeitas generalizadas. Ironicamente, esses preconceitos levaram a um círculo vicioso de políticas que isolou e amargurou muitos judeus e os fez parecer ainda mais estranhos para a maioria cristã.

Jogos de paixão. Essas representações dramáticas do julgamento e morte de Jesus têm sido historicamente usadas em memória da morte de Jesus durante a Quaresma. Freqüentemente, eles representavam um Judas estereotipado racialmente traindo Jesus por dinheiro e uma multidão de judeus clamando pela crucificação de Jesus, enquanto um líder judeu assumia a eterna culpa coletiva judaica ao declarar que “Seu sangue caia sobre nossas cabeças!” Por séculos, os judeus europeus enfrentaram ataques ferozes durante as celebrações da Quaresma, quando multidões cristãs desataram sua fúria contra os judeus como “assassinos de Cristo”. [13]

Bom envenenamento. Alguns cristãos acreditavam que os judeus ganharam poderes mágicos e sexuais especiais ao fazer um acordo com o diabo contra os cristãos. Quando epidemias de Peste Negra devastaram a Europa em meados do século 14, espalharam-se rumores de que os judeus a haviam causado envenenando deliberadamente poços. Centenas de comunidades judaicas foram destruídas pela violência resultante. “Em um desses casos, um homem chamado Agimet foi … forçado a dizer que o Rabino Peyret de Chambéry (perto de Genebra) ordenou que ele envenenasse os poços de Veneza, Toulouse e outros lugares. Após a” confissão “De Agimet, os judeus de Estrasburgo foram queimados vivos em 14 de fevereiro de 1349.[14]

Uma xilogravura alemã do século 15 mostrando uma suposta profanação de hospedeiro. No primeiro painel as hóstias são roubadas, no segundo as hóstias sangram quando perfuradas por um judeu, no terceiro os judeus são presos e no quarto são queimados vivos.

Profanação de hospedeiro. Os judeus também foram acusados ​​de torturar hóstias consagradas em uma encenação da crucificação; esta acusação ficou conhecida como profanação do hospedeiro. Às vezes, essas acusações levaram a sérias perseguições (veja as imagens à direita).

Libelos de sangue. Em outras ocasiões, os judeus foram acusados ​​de difamação de sangue, o alegado beber sangue de crianças cristãs em escárnio da Eucaristia cristã. O alegado procedimento envolveu uma criança sendo torturada e executada em um procedimento paralelo às alegadas ações dos judeus que fizeram o mesmo com Jesus. Os casos conhecidos de alegados libelos de sangue incluem:

  • A história do jovem William de Norwich (falecido em 1144), o primeiro caso conhecido de assassinato ritual judeu alegado por um monge cristão.
  • O caso do pequeno São Hugo de Lincoln († 1255) que alega que o menino foi assassinado por judeus que o crucificaram.
  • A história de Simón de Trento (falecido em 1475), na qual a criança teria sido segurada sobre uma grande tigela para que todo o seu sangue fosse coletado. (Simão foi canonizado pelo Papa Sisto V em 1588. Seu culto não foi oficialmente dissolvido até 1965 pelo Papa Paulo VI).
  • No século 20, o julgamento de Beilis na Rússia e o pogrom de Kielce na Polônia pós-Holocausto representaram incidentes de difamação de sangue na Europa.
  • Mais recentemente, histórias de libelo de sangue apareceram na mídia patrocinada pelo Estado de várias nações árabes, em programas de televisão árabes e em sites.

Demoníaco. Os judeus foram retratados como possuidores dos atributos do Diabo, a personificação do mal. Eles eram representados com chifres, rabos, barba de cabra e podiam ser reconhecidos por um cheiro nocivo. “O anti-semitismo cristão originou-se em grande parte da concepção do judeu como o agente demoníaco de Satanás.”[3] Apesar de testemunhar Jesus e seus milagres e ver as profecias cumpridas, eles o rejeitaram. Eles foram acusados ​​de conhecer a verdade do Cristianismo, porque conheciam as profecias do Antigo Testamento, mas mesmo assim as rejeitaram. Portanto, eles quase não pareciam humanos.

Restrições

Fatores socioeconômicos incluem restrições impostas por autoridades, líderes locais e, muitas vezes, oficiais da igreja. Os judeus eram frequentemente proibidos de possuir terras, impedindo-os de cultivar. Devido à sua exclusão das guildas, a maioria dos ofícios especializados também foi fechada para eles, empurrando-os para ocupações marginais consideradas socialmente inferiores, como arrecadar impostos e aluguéis ou emprestar dinheiro. A doutrina católica da época afirmava que emprestar dinheiro a um cristão em troca de juros era pecado e, portanto, os judeus tendiam a dominar esse negócio. Isso lançou as bases para acusações estereotipadas de que os judeus são gananciosos e estão envolvidos na usura. As tensões naturais entre credores judeus e devedores cristãos aumentaram as tensões sociais, políticas, religiosas e econômicas. Os camponeses, que muitas vezes eram forçados a pagar seus impostos e aluguéis por meio de agentes judeus, podiam vilipendiá-los como pessoas que guardavam seus ganhos enquanto permaneciam leais aos senhores e governantes em cujo nome os judeus trabalhavam. O número de famílias judias que tiveram permissão para residir em vários lugares foi limitado; eles foram concentrados à força em guetos; e eles estavam sujeitos a impostos discriminatórios ao entrar em cidades ou distritos diferentes dos seus.

As Cruzadas

Ilustração da Bíblia francesa glorifica a matança de judeus (usando chapéus pontudos) pelos cruzados

As Cruzadas começaram como esforços católicos para tomar de volta Jerusalém dos muçulmanos e proteger as rotas de peregrinação, mas os cruzados estavam inflamados com o zelo de atacar todos os não-crentes. Multidões que acompanharam as três primeiras Cruzadas, ansiosas por derramar sangue “infiel”, atacaram comunidades judaicas na Alemanha, França e Inglaterra e mataram muitos judeus. Comunidades inteiras, incluindo as de Treves, Speyer, Worms, Mainz e Cologne, foram massacradas durante a Primeira Cruzada por um exército de turbas. O zelo religioso fomentado pelas Cruzadas às vezes queimava tão ferozmente contra os judeus quanto contra os muçulmanos, embora os bispos e o papado fizessem tentativas para impedir que os judeus fossem atacados. Tanto econômica quanto socialmente, as Cruzadas foram desastrosas para os judeus europeus.

Expulsões

Inglaterra. Para financiar sua guerra para conquistar o País de Gales, Eduardo I da Inglaterra tributou agiotas judeus. Quando os judeus não podiam mais pagar, foram acusados ​​de deslealdade. Ya restringidos a un número limitado de ocupaciones, los judíos vieron a Edward abolir su “privilegio” de prestar dinero, ahogar sus movimientos y actividades y exigirles que llevaran un parche amarillo. Los jefes de muchas familias judías fueron luego arrestados, más de 300 de ellos llevados a la Torre de Londres y ejecutados, mientras que otros fueron asesinados en sus hogares. El destierro completo de todos los judíos del país en 1290 provocó la muerte y ahogamiento de miles de personas mientras huían. Los judíos no regresaron a Inglaterra hasta 1655.

Francia. La corona francesa se enriqueció a expensas de los judíos durante los siglos XII-XIV mediante la práctica de expulsar a los judíos, acompañada de la confiscación de sus propiedades, seguida de readmisiones temporales para pedir rescate. Las expulsiones más notables fueron: de París por Felipe Augusto en 1182, de toda Francia por Luis IX en 1254, por Carlos IV en 1322, por Carlos V en 1359, por Carlos VI en 1394.

España. Posiblemente hubo judíos en España desde la época de Salomón. Habían estado relativamente seguros durante el dominio musulmán de Andalucía. sin embargo, el Reconquista (718-1492) llevó 400 años reconvertir España al catolicismo. En la España cristiana, sin embargo, sufrieron una persecución tan severa que muchos se convirtieron al catolicismo. Tales conversos, conversos, fueron llamados marranos, término de abuso derivó de la prohibición de comer cerdo (árabe maḥram, que significa “algo prohibido”). Los cristianos sospechaban que marronos siguieron siendo judíos secretos; y así continuaron persiguiéndolos. En 1480, el estado creó una Inquisición española especial para buscar y destruir conversos que todavía practicaban el judaísmo y, por lo tanto, eran legalmente herejes. Estuvo bajo el control del prior dominicano Torquemada y en menos de 12 años condenó a unos 13.000 conversos. De las 341.000 víctimas de la Inquisición. 32.000 murieron quemados, 17.659 fueron quemados en efigie y el resto sufrió castigos menores. La mayoría de ellos eran de origen judío.

En 1492, Fernando II de Aragón e Isabel de Castilla emitieron Edicto general sobre la expulsión de los judíos de España y miles de la importante población judía de España se vieron obligados a huir al Imperio Otomano, incluida la tierra de Israel / Palestina. Entonces había unos 200.000 judíos en el reino, pero a finales de julio de 1492 todos habían sido expulsados. Formaron la comunidad judía sefardí que se encontraba esparcida por los mundos mediterráneo y musulmán.

Muitos marranos Se establecieron comunidades en toda Europa. Practicaron el catolicismo durante siglos mientras seguían en secreto las costumbres judías. Con frecuencia lograron posiciones importantes en los ámbitos económico, social y político. Pero su situación era precaria y, si se descubría, a menudo los condenaban a muerte.

Alemania. En 1744, Federico II de Prusia limitó la ciudad de Breslau (Wrocław en la actual Polonia) a solo diez familias judías llamadas “protegidas” y alentó prácticas similares en otras ciudades prusianas. En 1750 emitió Revidiertes General Privilegium und Reglement vor die Judenschaft: los judíos “protegidos” tenían una alternativa a “abstenerse del matrimonio o salir de Berlín”.[15] Ese mismo año, la archiduquesa de Austria María Teresa ordenó a los judíos que salieran de Bohemia, pero pronto cambió su posición, con la condición de que los judíos pagaran la readmisión cada diez años. En 1752 introdujo una ley que limitaba a cada familia judía a un hijo. En 1782, José II abolió la mayoría de las prácticas de persecución en su Toleranzpatent, con la condición de que el yiddish y el hebreo se eliminen de los registros públicos y se anule la autonomía judicial judía.

También hubo muchas expulsiones locales y / o guetos forzados de judíos en ciudades de toda Europa.

La era moderna

La Reforma y la Ilustración

Folleto de Lutero de 1543 Sobre los judíos y sus mentiras

Although the Reformation was a harbinger of future religious liberty and tolerance in some countries, in the short term it did little to help the majority of European Jews. Martin Luther at first hoped that the Jews would ally with him against Rome and that his preaching of the true Gospel would convert them to Christ. When this did not come to pass he turned his pen against the Jews, writing some of Christianity’s most anti-Semitic lines. En On the Jews and their Lies,[16] Luther proposed the permanent oppression and/or expulsion of the Jews. He calls for the burning of synagogues, saying: “First to set fire to their synagogues or schools and to bury and cover with dirt whatever will not burn, so that no man will ever again see a stone or cinder of them.” He calls Jews “nothing but thieves and robbers who daily eat no morsel and wear no thread of clothing which they have not stolen and pilfered from us by means of their accursed usury.” According to British historian Paul Johnson, Luther’s pamphlet “may be termed the first work of modern anti-Semitism, and a giant step forward on the road to the Holocaust.”[4]

In his final sermon shortly before his death, however, Luther reversed himself and said: “We want to treat them with Christian love and to pray for them, so that they might become converted and would receive the Lord.”[17] Still, Luther’s harsh comments about the Jews are seen by many as a continuation of medieval Christian anti-Semitism.

On the positive side, it should be noted that from the Reformation emerged the European and American traditions of tolerance, pluralism, and religious freedom, without which the struggle for the human rights of Jews would certainly have remained futile.

The social currents of the Age of Enlightenment were generally favorable to Jews. In France the Declaration of the Rights of Man and Citizen granted equality to the Jews. Napoleon extended Jewish emancipation throughout much of Europe. From that time, many Jews began to shed their particularistic ways and adopt the norms of European culture. Jews of ability joined the elite of Europe and made numerous contributions to the arts, science and business. Yet anti-Semitism continued nonetheless. The visibility of wealthy Jews in the banking industry led to a resurgence of conspiracy theories about a Jewish plot to take over the world, including the fabrication and publication of the Protocols of the Elders of Zion by the Russian secret police. So this improvement in the status of Jews which enabled them to mix freely in society paradoxically led to modern anti-Semitism: quasi-scientific theories about the racial inferiority of the Jews.

Modern Catholicism

Throughout the nineteenth century and into the twentieth centuries, the Catholic Church still incorporated strong anti-Semitic elements, despite increasing attempts to separate anti-Judaism—the opposition to the Jewish religion on religious grounds—and racial anti-Semitism. Pope Pius VII (1800-1823) had the walls of the Jewish Ghetto in Rome rebuilt after the Jews were released by Napoleon, and Jews were restricted to the Ghetto until the end of the papacy of Pope Pius IX (1846-1878), the last Pope to rule Rome. Pope Pius XII has been criticized for failing to act in defense of the Jews during the Hitler period. Until 1946 the Jesuits banned candidates “who are descended from the Jewish race unless it is clear that their father, grandfather, and great-grandfather have belonged to the Catholic Church.”

Since Vatican II, the Catholic Church has taken a stronger stand against anti-Semitism. Paul VI, in Nostra Aetate, declared, “what happened in His passion cannot be charged against all the Jews… then alive, nor against the Jews of today.” The Catholic Church, he continued, “decries hatred, persecutions, displays of anti-Semitism, directed against Jews at any time and by anyone.” John Paul II went further by confessing that Christianity had done wrong in its previous teachings concerning the Jews, admitting that by “blaming the Jews for the death of Jesus, certain Christian teachings had helped fuel anti-Semitism.” He also stated “no theological justification could ever be found for acts of discrimination or persecution against Jews. In fact, such acts must be held as sinful.” [18]

Racial anti-Semitism

The advent of racial anti-Semitism was linked to the growing sense of nationalism in many countries. The nationalist dream was of a homogenous nation and Jews were viewed as a separate and often “alien” people who made this impossible. This prejudice was exploited by the politicians of many governments. Nineteenth century comparative anthropology and linguistics had led to the notion of race as the significant cultural unit. The Aryan race was thought to be more ancient (coming from India) and superior in its achievements to the Semitic race. From this point conversion was no longer a solution to the Jewish problem. German society was particularly obsessed with racist doctrines and racist views were articulated by Kant, Hegel, Fichte, Schleiermacher, Bauer, Marx, Treitschke and Richard Wagner as well as a host of lesser known figures from all sections of society. Marx in particular portrayed Jews as exemplars of money grabbing exploitative capitalists. Many anti-Semitic periodicals were published and groups were formed which concerned themselves with issues of racial purity and the contamination of the Aryan blood line by intermarriage with Jews.

The treason conviction of Alfred Dreyfus demonstrated French anti-Semitism.

As the spirit of religious tolerance spread, racial anti-Semitism gradually superseded anti-Judaism. In the context of the Industrial Revolution, following the emancipation of the Jews from various repressive European laws, impoverished Jews rapidly urbanized and experienced a period of greater social mobility. Jews rapidly rose to prominent positions in academia, science, commerce, the arts, industry and culture. This led to feelings of resentment and envy. For example the greatest poet of the German language, Heinrich Heine (1797-1856) was a Jew and, “his ghostly presence, right at the centre of German literature, drove the Nazis to incoherent rage and childish vandalism”.[4] Such success contributed further to myth of Jewish wealth and greed as well as the notion that the Jews were trying to take over the world.

Symptomatic of racial anti-Semitism was the Dreyfus affair, a major political scandal which divided France for many years during the late nineteenth century. It centered on the 1894 treason conviction of Alfred Dreyfus, a Jewish officer in the French army. Dreyfus was, in fact, innocent: the conviction rested on false documents, and when high-ranking officers realized this they attempted to cover up the mistakes. The Dreyfus Affair split France between the Dreyfusards (those supporting Alfred Dreyfus) and the Antidreyfusards (those against him) who in the twentieth century formed an anti-Semitic movement that came to power in the Vichy regime and sent hundreds of thousands of Jews to their death. The venomous anti-Semitism exposed by the affair led Theodor Herzl to conclude that the only solution was for Jews to have their own country. He went on to found the Zionist movement.

Pogroms

The victims, mostly Jewish children, of a 1905 pogrom in Dnipropetrovsk.

Pogroms were a form of race riots, most common in Russia and Eastern Europe, aimed specifically at Jews and often government sponsored. Pogroms became endemic during a large-scale wave of anti-Jewish riots that swept Russia for about thirty years starting in 1881. In some years over 100,000 Jews were expelled or left Russia mostly for the United States. From 1881, thousands of Jewish homes were destroyed, many families reduced to extremes of poverty; women sexually assaulted, and large numbers of men, women, and children killed or injured in 166 Russian towns. The tsar, Alexander III, blamed the Jews for the riots and issued even more restrictions on Jews. Large numbers of pogroms continued until 1884. Bureaucratic measures were taken to regulate and discriminate against Jews.[4] An even bloodier wave of pogroms broke out in 1903-1906, leaving an estimated 2,000 Jews dead and many more wounded. A final large wave of 887 pogroms in Russia and Ukraine occurred during the Russian Revolution of 1917, in which 70,000-250,000 civilian Jews were killed by riots led by various sides.

During the early to mid-1900s, pogroms also occurred in Poland, other East European territories, Argentina, and the Arab world. Extremely deadly pogroms also occurred during World War II beside the Nazi Holocaust itself, including the Romanian Iaşi pogrom in which 14,000 Jews were killed, and the Jedwabne massacre in Poland which killed between 380 and 1,600 Jews. The last mass pogrom in Europe was the post-war Kielce pogrom of 1946.

Anti-Jewish legislation

The Nuremberg Laws of 1935 used a pseudo-scientific basis for racial discrimination against Jews. People with four German grandparents (white circles) were of “German blood,” while people were classified as Jews if they descended from three or more Jewish grandparents (black circles in top row right). One or two Jewish grandparents made someone “mixed blood.” Since the racial differences between Jews and Germans are small, the Nazis used the religious observance of a person’s grandparents to determine their “race.” (1935 Chart from Nazi Germany used to explain the Nuremberg Laws)

Anti-Semitism was officially adopted by the German Conservative Party at the Tivoli Congress in 1892. Official anti-Semitic legislation was enacted in various countries, especially in Imperial Russia in the nineteenth century and in Nazi Germany and its Central European allies in the 1930s. These laws were passed against Jews as a group, regardless of their religious affiliation; in some cases, such as Nazi Germany, having a Jewish grandparent was enough to qualify someone as Jewish.

In Germany, the Nuremberg Laws of 1935 prevented marriage between any Jew and non-Jew, and made it that all Jews, even quarter- and half-Jews, were no longer citizens of their own country (their official title became “subject of the state”). This meant that they had no basic citizens’ rights, e.g., to vote. In 1936, German Jews were banned from all professional jobs, effectively preventing them having any influence in education, politics, higher education and industry. On November 15, 1938, Jewish children were banned from going to normal schools. By April 1939, nearly all Jewish companies had either collapsed under financial pressure and declining profits, or had been persuaded to sell out to the Nazi government. Similar laws existed in Hungary, Romania, and Austria.

The Holocaust

Racial anti-Semitism reached its most horrific manifestation in the Holocaust during World War II, in which about six million European Jews, 1.5 million of them children, were systematically murdered. A virulent anti-Semitism was a central part of Hitler’s ideology from the beginning, and hatred of Jews provided both a distraction from other problems and fuel for a totalitarian engine that powered Nazi Germany.

The Nazi anti-Semitic program quickly expanded beyond mere hate speech and the hooliganism of brown-shirt gangs. Starting in 1933, repressive laws were passed against Jews, culminating in the Nuremberg Laws (see above). Sporadic violence against the Jews became widespread with the Kristallnacht riots of November 9, 1938, which targeted Jewish homes, businesses and places of worship, killing hundreds across Germany and Austria.

During the war, Jews were expelled from Germany and sent to concentration camps. Mass murders of Jews occurred in several Eastern European nations as the Nazis took control. The vast majority of Jews killed in the Holocaust were not German Jews, but natives of Eastern Europe. When simply shooting Jews and burying them in mass graves proved inefficient, larger concentration camps were established, complete with gas chambers and crematoria capable of disposing of thousands of human lives per day. Jews and other “inferior” people were rounded up from throughout Nazi-controlled Europe and shipped to the death camps in cattle cars, where a few survived as slave laborers but the majority were put to death.

New anti-Semitism

Following the establishment of the State of Israel in 1948 about 800,000 Jews were expelled or encouraged to leave Muslim countries. Their ancestors had lived in many of these countries for up to 2500 years—since the time of Nebuchadnezzar. Their possessions were seized and they did not receive any compensation. About 600,000 went to Israel and the rest to the United States or Europe. Anti-Semitism in many Muslim countries today repeats all the libels and accusations that were made in Christian Europe.[19] Such matters are propagated in schools, mosques and in the often government-controlled media.

In recent years some scholars of history, psychology, religion, and representatives of Jewish groups, have noted what they describe as the new anti-Semitism, which is associated with the Left, rather than the Right, and which uses the language of anti-Zionism and criticism of Israel to attack the Jews more broadly.[20] Anti-Zionist propaganda in the Middle East frequently adopts the terminology and symbols of the Holocaust to demonize Israel and its leaders. At the same time, Holocaust denial and Holocaust minimization efforts have found increasingly overt acceptance as sanctioned historical discourse in a number of Middle Eastern countries.

Britain’s chief rabbi, Sir Jonathan Sacks, has warned that what he called a “tsunami of anti-Semitism” is spreading globally. In an interview with BBC’s Radio Four, Sacks said that anti-Semitism was on the rise in Europe. He reported that a number of his rabbinical colleagues had been assaulted, synagogues desecrated, and Jewish schools burned to the ground in France. He also said that: “People are attempting to silence and even ban Jewish societies on campuses on the grounds that Jews must support the state of Israel.”[21]

Notas

  1. Bernard Lewis, “Semites and Antisemites,” Islam in History: Ideas, Men and Events in the Middle East (The Library Press, 1973).
  2. Peter Schafer, Judeophobia (Harvard University Press, 1997), 208.
  3. 3,03.13.23.3 Dan Cohn-Sherbok, Anti-Semitism: A History (Stroud: Sutton, 2002, ISBN 0750924926)
  4. 4.04.14.24.34.44.5 Paul Johnson, A History of the Jews (London: Weidenfeld & Nicholson, 1987, ISBN 184212479).
  5. Pieter Willem Van Der Horst, Philo’s Flaccus: the First Pogrom (Philo of Alexandria Commentary Series, Brill, 2003).
  6. Tacitus, The Histories 5.2-5.
  7. Anne Amos, “The Parting of the Ways” Jewish-Christian Relations. Retrieved April 18, 2018.
  8. Klaus Wengst, “When Did Christianity Originate?” Jewish-Christian Relations. Retrieved April 18, 2018.
  9. John Chrysostom, “Against the Jews.” Homily 1. Retrieved April 18, 2018.
  10. Eusebius, “Life of Constantine (Book III)”, 337 CE., Translated by Ernest Cushing Richardson. From Nicene and Post-Nicene Fathers, Second Series, Vol. 1, Edited by Philip Schaff. (Buffalo, NY: Christian Literature Publishing Co., 1890) newadvent.org. Retrieved April 18, 2018.
  11. Constantine I. jewishencyclopedia. Retrieved April 18, 2018.
  12. Norman Roth, Jews, Visigoths and Muslims in Medieval Spain (Brill Academic, 1994).
  13. Charles M. Sennott, “In Poland, new ‘Passion’ plays on old hatreds”, The Boston Globe, April 10, 2004. Retrieved April 18, 2018.
  14. Arthur Hertzberg and Aron Hirt-Manheimer, Jews: The Essence and Character of a People (HarperSanFrancisco, 1998, ISBN 0060638346), 84.
  15. Simon Dubnow, History of the Jews in Russia and Poland (1918).
  16. Anti-Semitism: Martin Luther – “The Jews & Their Lies” (1543) Jewish Virtual Library. Retrieved April 18, 2018.
  17. Martin Luther, D. Martin Luther’s Werke: kritische Gesamtausgabe (Weimar: Hermann Böhlaus Nachfolger, 1920, Vol. 51), 195.
  18. Thomas G. Lederer, Relations between Catholics and Jews before and after Vatican II Retrieved April 18, 2018.
  19. Bernard Lewis, “Muslim Anti-Semitism” Middle East Quarterly (June 1998) MiddleEast Forum. Retrieved April 18, 2018.
  20. Phyllis Chesler, The New Anti-Semitism: The Current Crisis and What We Must Do About It (Jossey-Bass/Wiley, 2003), 158-159, 181.
  21. Audrey Gillan, “Chief rabbi fears ‘tsunami’ of hatred”, guardián, January 2, 2006. Retrieved April 18, 2018.

Referências

  • Bodansky, Yossef. Islamic Anti-Semitism as a Political Instrument. Freeman Center For Strategic Studies, 1999.
  • Carr, Steven Alan. Hollywood and anti-Semitism: A cultural history up to World War II. Cambridge University Press, 2001.
  • Chesler, Phyllis. The New Anti-Semitism: The Current Crisis and What We Must Do About It. (original 1995) Jossey-Bass/Wiley, 2003. ISBN 078796851X
  • Cohn, Norman. Warrant for Genocide. [1967] Serif, 1996.
  • Cohn-Sherbok, Dan. Anti-Semitism: A History. Stroud: Sutton, 2002. ISBN 0750924926
  • Cohn-Sherbok, Dan. The Crucified Jew: Twenty Centuries of Christian Anti-Semitism. London: 1992. ISBN 0006276040
  • Cohn-Sherbok, Dan. Understanding the Holocaust. London: Continuum, 2000. ISBN 0826454526
  • Dubnow, Simon. History of the Jews in Russia and Poland.(original 1918). Ktav Pub. House, 1975. ISBN 0870682172
  • Evans, Craig A. and Donald A. Hagner, eds. Anti-Semitism and Early Christianity: Issues of Polemic and Faith. Minneapolis: Fortress Press, 1993.
  • Freudmann, Lillian C. Antisemitism in the New Testament. University Press of America, 1994.
  • Hertzberg, Arthur, and Aron Hirt-Manheimer. Jews: The Essence and Character of a People. HarperSanFrancisco, 1998, ISBN 0060638346.
  • Hilberg, Raul. The Destruction of the European Jews, third ed., 3 volumes. original 1961) Yale University Press, 2003. ISBN 0300095570
  • Johnson, Paul. A History of the Jews. London: Weidenfeld & Nicholson, 1987. ISBN 184212479
  • Lewis, Bernard. “Semites and Antisemites,” Islam in History: Ideas, Men and Events in the Middle East, updated second ed. (original 1973) Open Court, 2001. ISBN 0812695186.
  • Lipstadt, Deborah. Denying the Holocaust: The Growing Assault on Truth and Memory. Penguin, 1994.
  • Prager, Dennis, and Joseph Telushkin. Why the Jews? The Reason for Antisemitism. Touchstone (original 1985) 2003. ISBN 0743246209.
  • Roth, Norman. Jews, Visigoths and Muslims in Medieval Spain. Brill Academic, 1994. ISBN 9004099719
  • Schafer, Peter. Judeophobia: Attitudes toward the Jews in the Ancient World. Harvard University Press, 1997. ISBN 0674487788
  • Selzer, Michael, ed. “Kike!”: A documentary history of anti-Semitism in America. World Pub., 1972. ISBN 0529044714
  • Van Der Horst, Pieter Willem (Translator). Philo’s Flaccus: The First Pogrom. (Philo of Alexandria Commentary Series (Society of Biblical Literature), V. 2.) Society of Biblical Literature, 2005. ISBN 1589831888

links externos

All links retrieved April 18, 2018.

Créditos

New World Encyclopedia escritores e editores reescreveram e completaram o Wikipedia Artigo
de acordo com New World Encyclopedia standards. Este artigo é regido pelos termos da licença Creative Commons CC-by-sa 3.0 (CC-by-sa), que pode ser usada e divulgada com a devida atribuição. O crédito é devido nos termos desta licença, que pode referir-se a ambos New World Encyclopedia colaboradores e colaboradores voluntários altruístas da Fundação Wikimedia. Para citar este artigo, clique aqui para obter uma lista de formatos de citação aceitáveis. Os pesquisadores podem acessar a história das contribuições wikipedistas anteriores aqui:

O histórico deste item desde que foi importado para New World Encyclopedia:

Nota: Algumas restrições podem ser aplicadas ao uso de imagens individuais que são licenciadas separadamente.



Traduzido de Enciclopédia do Novo Mundo/a>

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo