História

Salome Alexandra – Enciclopédia do Novo Mundo


Reino de Hasmoneu sob Salomé Alexandra

Salomé alexandra ou Alexandra de Jerusalém (139-67 A.E.C.) foi a única rainha governante judia dos Hasmoneus, reinando em 75 A.E.C. até sua morte em 67 A.E.C. Apoiadora de uma reforma religiosa que favoreceu os primeiros fariseus em detrimento de seus ferozes rivais, os saduceus, ela é vista na tradição judaica como instituindo uma breve idade de ouro que ajudou a estabelecer as bases para o surgimento posterior do judaísmo rabínico.

Filha de uma família farisaica proeminente, Alexandra era esposa do rei asmoneu Aristóbulo I. Com a morte de Aristóbulo (103 A.E.C.), ajudou a libertar seu irmão, Alexander Janneo, da prisão, permitindo que ela se tornasse rei e ela logo se casou com ele. Ela usou sua influência como rainha para ajudar os fariseus, mas mais tarde foi forçada a aceitar quando Jannaeus os reprimiu brutalmente em favor da nobreza saduceu.

No final de sua vida, Jannaeus deu o governo a Alexandra. Ele conseguiu garantir o apoio dos fariseus para a continuação da monarquia asmoneu e novamente trouxe os fariseus à proeminência no governo. Ela é creditada por ajudá-los a lançar as bases para a reforma educacional e judicial em nível nacional.

Embora seu filho Aristóbulo II tenha mudado sua política e, eventualmente, perdido o controle do reino para os romanos, Alexandria é altamente considerada na tradição judaica. Exceto pela rainha Atalia de Judá, muito antes e muito injuriada, ela foi a única rainha reinante na história judaica.

Biografia

fundo

Salomé Alexandra é tradicionalmente considerada a irmã do primeiro líder do Faraó, Rabi Simeon ben Shetach. Seu marido, Judá Aristóbulo I, era o mais velho dos cinco filhos do governante asmoneu João Hircano. Ele foi o primeiro dos príncipes asmoneus a se autodenominar “rei”.

Hircano pretendia que o país fosse governado por sua esposa após sua morte, enquanto Aristóbulo receberia originalmente o sumo sacerdócio. Não satisfeito com isso, Aristóbulo prendeu sua mãe, onde ela morreu, e assumiu o controle do trono. Após um breve reinado de apenas um ano, ele ficou gravemente doente e morreu em 103 A.E.C.

Aristóbulo tinha sido particularmente hostil aos fariseus, que se opuseram ao que consideravam a corrupção asmoneu do sacerdócio resultante da fusão dos poderes real e sacerdotal. Salomé Alexandra, no entanto, não compartilhava da atitude religiosa do marido. Pouco depois da morte de Aristóbulo, com a ajuda de outros membros de sua família, ela libertou seu irmão mais velho, Alexandre Jannaeus, da prisão e se casou com ele. O casamento foi considerado de acordo com a lei judaica, pois Aristóbulo a deixou sem filhos.

Rainha consorte

Alexandre Jannaeus tratou inicialmente de assuntos militares e permitiu à sua rainha um papel importante nos assuntos internos da nação, especialmente no que se refere à religião. Apoiadora dos fariseus, ela removeu os saduceus de posições de liderança no Sinédrio (conselho religioso central) e instalou eruditos fariseus em seu lugar: especialmente seu irmão, Shimon ben Shetach, na posição de nasi, ou presidente. Junto com ele e Yehoshua ben Gamla, ela disse ter sido fundamental para encorajar a introdução de escolas de sinagoga em muitas cidades para ensinar Torá para crianças pequenas.

No entanto, depois que Alexandre Janneo concluiu com sucesso suas campanhas militares, ele começou a minar o apoio de Alexandra ao partido farisaico, lançando seu apoio à nobreza religiosa, que geralmente eram saduceus. Como outros governantes asmoneus, ele ocupou o cargo de sumo sacerdote e rei e reprimiu brutalmente uma rebelião farisaica à sua política religiosa. Cerca de 800 professores fariseus foram executados junto com suas famílias, e o irmão de Salomé, Shimon ben Shetach, foi forçado a fugir para salvar a vida.

No entanto, o casamento de Salomé com Jannaeus parece ter superado essa crise. Em seu leito de morte durante um cerco militar que empreendeu, acredita-se que ele se arrependeu de seus pecados e reconheceu sua sabedoria. Em todo caso, ele confiou o governo a ela e não a seus filhos.

Rainha reinante

Um dos primeiros atos de Salomé Alexandra como rainha reinante foi iniciar negociações com os líderes dos fariseus, cujo paradeiro ela conhecia apesar de estarem escondidos. Tendo recebido garantias sobre sua política futura, eles concordaram em dar os restos mortais do enterro de Alexandre Janneo por causa de um monarca, apesar da amargura de suas perseguições contra eles. Com este passo, Salomé evitou qualquer afronta pública ao rei morto, que sem dúvida teria encontrado expressão em seu funeral sem o apoio dos fariseus.

Os fariseus, que sofreram intensa miséria sob o governo de Alexandre, tornaram-se agora não apenas um setor tolerado da comunidade, mas também a classe dominante. Alexandra instalou seu filho mais velho, Hircano II, um homem totalmente segundo o coração dos fariseus, como sumo sacerdote. Aos poucos, ela e Hircano expulsaram os saduceus de todos os cargos importantes e devolveram os fariseus aos cargos importantes de influência. Shimon ben Shetach novamente assumiu sua posição à frente do Sinédrio. Esta instituição tinha sido até então um órgão aristocrático muito dedicado aos seus próprios interesses. Sob Alexandra, tornou-se mais uma corte suprema para a administração da justiça e assuntos religiosos.

A educação também foi colocada nas mãos de professores fariseus. Um resultado importante dessa reforma foi não apenas um aumento na alfabetização e conhecimento religioso entre os jovens, mas também uma ampliação do senso judaico de autoridade bíblica. Os saduceus aceitaram apenas a Torá, ou cinco livros de Moisés, como autoridade. Sob os fariseus, profetas e escritos também foram ensinados, bem como a crença de que a Lei Oral de Deus poderia ser expressa diretamente pelos sábios vivos de cada geração. A tradição judaica afirma que, sob o reinado de Salomé Alexandra, Shimon ben Shetach, junto com o Rabino Judah ben Tabbai, também cuidou das necessidades de muitas viúvas e órfãos que resultaram das guerras de Alexandrer Jannaeus.

Os fariseus, porém, não tratavam os saduceus com muita bondade. Diógenes da Judéia, sob cujo conselho Alexandre Jannaeus agiu na execução em massa dos fariseus e suas famílias, foi ele próprio executado. Temendo represálias massivas, os saduceus solicitaram à rainha proteção contra o partido governante. Alexandra, que desejava evitar todos os conflitos entre as partes, conduziu os saduceus para fora de Jerusalém e designou-lhes várias cidades fortificadas como residência.

Alexandra também aumentou o tamanho do exército e provisionou cuidadosamente os muitos lugares fortificados, de modo que os monarcas vizinhos ficaram devidamente impressionados com o número de cidades protegidas ao longo das fronteiras. Ele também não se absteve da guerra real. Ele enviou seu filho Aristóbulo II com um exército para sitiar Damasco, então sitiada por Ptolomeu Mennaeus. No entanto, a expedição não teve resultados.

Os últimos dias de seu reinado, no entanto, foram tumultuados, pois Aristóbulo II, em aliança com os saduceus, lutou para tomar o governo. Somente sua morte a salvou da vergonha de ser destronada pelo próprio filho.

Legado e lenda

As políticas de Salomé Alexandra não duraram muito depois de sua morte. Aristóbulo II assumiu o trono de seu irmão mais velho, Hircano II, após sua morte. Uma guerra civil logo se seguiu e, finalmente, o poder de Roma prevaleceu. O resultado foi o desaparecimento do estado judeu e o estabelecimento da soberania romana. Como consequência, reis implacáveis ​​como Herodes, o Grande, e governadores como Pôncio Pilatos passaram a governar os judeus.

A tradição rabínica, que surgiu do triunfo final do farisaísmo sobre os saduceus, tem em alta conta Salomé Alexandra. Uma lenda conta que durante seu governo, Deus abençoou a chuva com chuva que caía somente aos sábados, para que a classe trabalhadora não sofresse perda de salário por chover quando podia estar no trabalho. A fertilidade do solo era tão grande que os grãos de trigo cresceram até o tamanho do feijão. Aveia cresceu tanto quanto azeitonas e lentilhas tão grandes quanto denários de ouro (Ta’anit, 23a; Sifra, ḤuḲḲat, i. 110).

As sucessivas gerações homenagearam a memória de Salomé Alexandra nomeando suas filhas em sua homenagem, uma das quais compareceu a Jesus na Cruz e em seu sepultamento segundo o Evangelho de Marcos. Na tradição judaica, também é conhecido como Shelamzion ou Shlomtzion, que significa “Paz de Sião”, que também se tornou o nome de um partido político israelense de curta duração.

Referências

Este artigo incorpora texto da Enciclopédia Judaica de 1901-1906, uma publicação agora em domínio público.

  • Efron, Joshua. Estudos sobre o período Hasmoneu. Studies on Judaism in Late Antiquity, v. 39. Leiden: E.J. Brill, 1987. ISBN 9789004076099
  • Ilan, Ṭal. Silenciando a Rainha: as histórias literárias de Shelamzion e outras mulheres judias. Tübingen: Mohr Siebeck, 2006. ISBN 9783161488795
  • Neusner, Jacob. Da política à piedade; A ascensão do judaísmo farisaico. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1972. ISBN 9780133314397
  • Saldarini, Anthony J. e James C. VanderKam. Fariseus, escribas e saduceus na sociedade palestina. Wm. B. Eerdmans Publishing Company, 2001. ISBN 978-0802843586

links externos

Todos os links foram recuperados em 31 de agosto de 2019.

Créditos

New World Encyclopedia escritores e editores reescreveram e completaram o Wikipedia Artigo
de acordo com New World Encyclopedia Regras. Este artigo é regido pelos termos da licença Creative Commons CC-by-sa 3.0 (CC-by-sa), que pode ser usada e divulgada com a devida atribuição. O crédito é devido nos termos desta licença, que pode referir-se a ambos New World Encyclopedia colaboradores e colaboradores voluntários altruístas da Fundação Wikimedia. Para citar este artigo, clique aqui para obter uma lista de formatos de citação aceitáveis. Os pesquisadores podem acessar a história das contribuições wikipedistas anteriores aqui:

O histórico deste item desde que foi importado para New World Encyclopedia:

Nota: Algumas restrições podem ser aplicadas ao uso de imagens individuais que são licenciadas separadamente.



Traduzido de Enciclopédia do Novo Mundo/a>

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo