História

Revolução Americana – Enciclopédia do Novo Mundo


Este artigo cobre os aspectos políticos da Revolução Americana. Para a campanha militar e batalhas notáveis, consulte American Revolutionary War.

a revolução Americana refere-se ao período durante a última metade do século 18, quando as Treze Colônias que se tornaram os Estados Unidos da América tornaram-se independentes do Império Britânico.

Nesse período, as colônias se rebelaram contra a Grã-Bretanha e entraram na Guerra Revolucionária Americana, também conhecida (especialmente na Grã-Bretanha) como Guerra da Independência Americana, entre 1775 e 1783. Isso culminou na Declaração de Independência americana em 1776 e vitória no campo de batalha em 1781.

A França desempenhou um papel fundamental em ajudar a nova nação com dinheiro e munições, organizando uma coalizão contra a Grã-Bretanha e enviando um exército e uma frota que foram fundamentais na batalha que encerrou a guerra em Yorktown.

A revolução incluiu uma série de amplas mudanças intelectuais e sociais que ocorreram no início da sociedade americana, como os novos ideais republicanos que se apoderaram da população americana. Em alguns estados, eclodiram fortes debates políticos sobre o papel da democracia no governo. A mudança americana para o republicanismo, bem como a expansão gradual da democracia, causou uma alteração na hierarquia social tradicional e criou a ética que formava o núcleo dos valores políticos americanos.

A era revolucionária começou em 1763, quando terminou a ameaça militar às colônias da França. Considerando que as colônias deveriam pagar uma parte substancial dos custos de sua defesa, a Grã-Bretanha impôs uma série de impostos que eram altamente impopulares e que, em virtude da falta de representação eleita no Parlamento britânico no poder, muitos colonos consideraram ilegal. Após os protestos em Boston, os britânicos enviaram tropas de combate. Os americanos mobilizaram sua milícia e os combates eclodiram em 1775. Os legalistas representavam de 15 a 20% da população. Durante a guerra, os Patriotas geralmente controlavam 80-90 por cento do território, já que os britânicos só podiam controlar algumas cidades costeiras. Em 1776, os representantes das 13 colônias votaram unanimemente pela adoção de uma Declaração de Independência, pela qual estabeleceram o Estados Unidos da América.

Os americanos formaram uma aliança com a França em 1778 que igualava as forças militares e navais. Dois principais exércitos britânicos foram capturados em Saratoga em 1777 e em Yorktown em 1781, levando à paz com o Tratado de Paris em 1783, com o reconhecimento dos Estados Unidos como uma nação independente limitada pelo Canadá britânico ao norte e à Flórida. Sul espanhol. e o rio Mississippi a oeste.

origens

Impostos sem representação

Antes da revolução: as treze colônias são rosa

Em 1763, a Grã-Bretanha tinha uma grande parte do continente norte-americano. Além das treze colônias, dezesseis colônias menores eram governadas diretamente por governadores reais. A vitória na Guerra dos Sete Anos deu à Grã-Bretanha a Nova França (Canadá), a Flórida espanhola e terras indígenas americanas a leste do rio Mississippi. Em 1765, os colonos ainda se consideravam súditos leais da Coroa britânica, com os mesmos direitos e obrigações históricas dos súditos da Grã-Bretanha.[1]

O governo britânico tentou taxar suas possessões americanas, principalmente para ajudar a custear a defesa da América do Norte contra os franceses na Guerra dos Sete Anos. O problema não era que os impostos fossem altos, mas que eles não fossem consultados sobre os novos impostos, já que não tinham representação no parlamento. A frase “sem impostos sem representação” tornou-se popular em muitos círculos americanos. Funcionários do governo em Londres argumentaram que os americanos estavam “virtualmente” representados; mas a maioria dos americanos rejeitou a teoria de que os homens de Londres, que nada sabiam sobre suas necessidades e condições, poderiam representá-los.[2][3]

Em teoria, a Grã-Bretanha já regulava as economias das colônias por meio das Leis de Navegação de acordo com as doutrinas do mercantilismo, que sustentavam que qualquer coisa que beneficiasse o império (e prejudicasse outros impérios) era uma boa política. A violação generalizada dessas leis tem sido tolerada há muito tempo. Agora, com o uso de mandados de busca e apreensão (ordens de assistência), a aplicação estrita tornou-se prática. Em 1761, o advogado de Massachusetts James Otis argumentou que os automóveis violavam os direitos constitucionais dos colonos. Ele perdeu o caso, mas John Adams escreveu mais tarde: “A independência americana nasceu naquela época.”

Em 1762, Patrick Henry defendeu a Causa do Reitor na Virgínia, onde a legislatura aprovou uma lei que foi vetada pelo rei. Henry argumentou, “que um rei, por não permitir atos desta natureza saudável, sendo o pai de seu povo, degenerou em um tirano e perde todo o direito à obediência de seus súditos.”[4]

1765: A Lei do Selo une as colônias em protesto

Em 1764, o Parlamento promulgou a Lei do Açúcar e a Lei da Moeda, perturbando ainda mais os colonos. Os protestos levaram a uma nova arma poderosa, o boicote sistêmico aos produtos britânicos. Em 1765, a Lei do Selo foi o primeiro imposto direto imposto pelo Parlamento às colônias. Todos os jornais, almanaques, panfletos e documentos oficiais, mesmo baralhos de cartas, deveriam ter os selos. As 13 colônias protestaram veementemente, enquanto líderes populares como Henry na Virgínia e Otis em Massachusetts reuniram pessoas na oposição. Um grupo secreto, os “Filhos da Liberdade”, se formou em muitas cidades, ameaçando de violência se alguém vendesse os selos. Em Boston, os Filhos da Liberdade queimaram registros do tribunal do Vice-Almirantado e saquearam a elegante casa do presidente do tribunal de justiça Thomas Hutchinson.

Várias legislaturas pediram uma ação unida e nove colônias enviaram delegados ao Congresso da Lei do Selo na cidade de Nova York em outubro de 1765. Os moderados liderados por John Dickinson redigiram uma “Declaração de Direitos e Queixas” declarando que os impostos foram aprovados sem representação, eles violavam direitos antigos. Dar peso ao argumento foi um boicote econômico aos produtos britânicos, já que as importações para as colônias caíram de £ 2.250.000 em 1764 para £ 1.944.000 em 1765. Em Londres, o governo de Rockingham chegou ao poder e o Parlamento debateu se revogaria o imposto. campainha ou enviar um exército para aplicá-la. Benjamin Franklin expôs eloquentemente o caso americano, explicando que as colônias gastaram uma grande quantidade de trabalho, dinheiro e sangue defendendo o império em uma série de guerras contra franceses e índios, e que pagar mais impostos por essas guerras era injusto e Isso pode provocar uma rebelião. O Parlamento concordou e revogou o imposto, mas em uma “Lei Declaratória” de março de 1766 insistiu que o Parlamento retinha plenos poderes para fazer leis para as colônias “em todos os casos”.[5]

Massacre de Boston e Boston Tea Party

Esta litografia de 1846 se tornou uma imagem clássica do Boston Tea Party

Em 5 de março de 1770, as tensões aumentaram e cinco colonos (incluindo Crispus Attucks) foram mortos no Massacre de Boston. No mesmo dia, o Parlamento revogou a Lei do Selo e a Lei Declaratória foi promulgada, afirmando o controle da Inglaterra sobre as colônias. Este ato não mudou nada porque a Inglaterra já tinha controle total sobre as colônias, então esse ato foi ignorado pelos colonos.

Comitês de correspondência foram formados nas colônias para coordenar a resistência ao pagamento de impostos. Em anos anteriores, as colônias mostraram pouca inclinação para a ação coletiva. As políticas do primeiro-ministro George Grenville os estavam aproximando.[6]

Liberalismo e republicanismo

As idéias liberais de John Locke foram muito influentes; sua teoria do “contrato social” implicava o direito natural do povo de derrubar seus líderes, caso esses líderes traíssem os direitos históricos dos ingleses. Os historiadores encontram poucos vestígios da influência de Jean-Jacques Rousseau entre os revolucionários americanos.[7] Ao redigir as várias constituições estaduais e nacionais, os americanos foram influenciados pela análise de Montesquieu da Constituição britânica idealmente “equilibrada”.

A força motivadora foi a adoção americana de uma ideologia política chamada “republicanismo”, que era dominante nas colônias em 1775. Foi muito influenciada pelo “partido de campo” na Grã-Bretanha, cujas críticas ao governo britânico enfatizavam que a corrupção política estava acontecendo. para ser temido. Os colonos associavam a “corte” ao luxo e à aristocracia herdada, que os americanos cada vez mais condenavam. A corrupção era o maior mal possível, e a virtude cívica exigia que os homens colocassem o dever cívico antes dos desejos pessoais. Os homens tinham o dever cívico de lutar por seu país. Para as mulheres, a “maternidade republicana” tornou-se o ideal, como exemplificado por Abigail Adams e Mercy Otis Warren; o primeiro dever da mulher republicana era incutir valores republicanos em seus filhos e evitar o luxo e a ostentação. Os “Pais Fundadores” foram defensores ferrenhos do republicanismo, especialmente Samuel Adams, Patrick Henry, Thomas Paine, Benjamin Franklin, George Washington, Thomas Jefferson e John Adams.[8]

Disputa sobre terras ocidentais

A Proclamação de 1763 restringiu o movimento americano através dos Apalaches. No entanto, grupos de colonos continuaram a se mover para o oeste. A proclamação logo foi modificada e não era mais um obstáculo ao assentamento, mas sua promulgação sem consultar os americanos enfureceu os colonos. A Lei de Quebec de 1774 estendeu os limites de Quebec até o rio Ohio, excluindo as reivindicações das 13 colônias. Naquela época, porém, os americanos tinham pouca consideração pelas novas leis de Londres: eles estavam treinando a milícia e se organizando para a guerra.[9]

Crise, 1772-1775

Uma versão americana do desenho animado de Londres denunciando o “estupro” de Boston em 1774 por atos intoleráveis.

Embora tenha havido muitas causas para a Revolução Americana, foi uma série de eventos específicos, ou crises, que por fim desencadearam a eclosão da guerra.[10] Em junho de 1772, no que ficou conhecido como o Caso Gaspée, patriotas americanos atearam fogo a um navio de guerra britânico que vinha aplicando vigorosamente regulamentações comerciais impopulares. Logo depois, o governador Thomas Hutchinson, de Massachusetts, relatou que ele e os juízes reais seriam pagos diretamente por Londres, evitando assim a legislatura colonial. No final de 1772, Samuel Adams decidiu criar novos Comitês de Correspondência que uniriam os patriotas nas treze colônias e, por fim, forneceriam a estrutura para um governo rebelde. No início de 1773, Virginia, a maior colônia, estabeleceu seu Comitê de Correspondência, que incluía Patrick Henry e Thomas Jefferson.[11]

Os Atos Intoleráveis ​​incluíram quatro atos.[12] O primeiro foi o Ato do Governo de Massachusetts, que alterou o estatuto de Massachusetts, restringindo as reuniões municipais. O segundo ato foi a Lei de Administração da Justiça, que ordenou que todos os soldados britânicos que fossem julgados na Grã-Bretanha, não nas colônias. O terceiro ato foi o Boston Port Act, que fechou o porto de Boston até que os britânicos fossem indenizados pelo chá perdido no Boston Tea Party (os britânicos nunca receberam tal pagamento). O quarto ato foi o Garrison Act de 1774, que forçou os residentes de Boston a abrigar regulares britânicos enviados para controlar o bairro. O Primeiro Congresso Continental endossou as Resoluções de Suffolk, que declararam as Leis Intoleráveis ​​inconstitucionais, apelou ao povo para formar milícias e apelou a Massachusetts para formar um governo patriótico.

Em resposta, principalmente à Lei do Governo de Massachusetts, o povo de Worcester, Massachusetts, montou um piquete armado em frente ao tribunal local, recusando-se a permitir a entrada de magistrados britânicos. Logo depois, eventos semelhantes ocorreram em toda a colônia. As tropas britânicas foram despachadas da Inglaterra, mas quando chegaram, toda a colônia de Massachusetts, com exceção da cidade fortemente guarnecida de Boston, havia perdido o controle britânico dos assuntos locais.

A luta começa em Lexington: 1775

“Junte-se ou morra”, de Benjamin Franklin, foi reciclado para incentivar as ex-colônias a se unirem contra o domínio britânico

A Batalha de Lexington e Concord ocorreu em 19 de abril de 1775, quando os britânicos enviaram um regimento para confiscar armas e prender revolucionários em Concord, Massachusetts. Foi o primeiro confronto da Guerra da Independência Americana, e imediatamente a notícia acordou as 13 colônias para convocar suas milícias e enviar tropas para sitiar Boston. A Batalha de Bunker Hill aconteceu em 17 de junho de 1775. No final da primavera de 1776, com George Washington como comandante, os americanos forçaram os britânicos a evacuar Boston. Os patriotas estavam no controle das 13 colônias e estavam prontos para declarar a independência. Embora ainda houvesse muitos legalistas, eles não estavam mais no controle de qualquer lugar em julho de 1776, e todos os funcionários reais britânicos haviam fugido.[13]

O Segundo Congresso Continental reuniu-se em 1775, após o início da guerra. O Congresso criou o Exército Continental e estendeu a Petição do Ramo de Oliveira à coroa como uma tentativa de reconciliação. O rei George III recusou-se a recebê-lo e, em vez disso, emitiu a Proclamação de Rebelião, que apelava à ação contra os “traidores”. Não haveria negociações de qualquer tipo até 1783.

Facções: Patriotas, Leal e Neutro

Patriotas – os revolucionários

Os revolucionários eram chamados de patriotas, whigs, congressistas ou americanos durante a guerra. Eles incluíram uma ampla gama de classes sociais e econômicas, mas uma unanimidade quanto à necessidade de defender os direitos dos americanos. Após a guerra, surgiram diferenças políticas. Patriotas como George Washington, James Madison, John Adams, Alexander Hamilton e John Jay, por exemplo, eram profundamente dedicados ao republicanismo e estavam ansiosos para construir uma nação rica e poderosa, enquanto patriotas como Patrick Henry, Benjamin Franklin e Thomas Jefferson representavam o impulsos democráticos e o elemento de plantação agrária que uma sociedade localizada com maior igualdade política queria.

Leal e neutro

Embora não haja como saber os números reais, os historiadores estimam que entre 15 e 25 por cento dos colonos permaneceram leais à Coroa Britânica; estes ficaram conhecidos como “leais” (ou “conservadores” ou “homens do rei”). Os legalistas eram tipicamente mais velhos, menos dispostos a quebrar antigas lealdades, muitas vezes ligados à igreja anglicana e incluíam muitos comerciantes estabelecidos com conexões comerciais em todo o império, por exemplo, Thomas Hutchinson, de Boston. Imigrantes recentes que não haviam sido totalmente americanizados também estavam inclinados a apoiar o rei, assim como os colonos escoceses recentes no interior do país; Entre os exemplos mais marcantes disso, veja Flora Macdonald.[14]

A maioria dos nativos americanos rejeitou os apelos americanos para permanecer neutros. A maioria dos grupos alinhou-se com o império. Também houve incentivos fornecidos por ambos os partidos que ajudaram a garantir a filiação das cidades e líderes regionais; as tribos que dependiam mais fortemente do comércio colonial tendiam a ficar do lado dos revolucionários, embora fatores políticos também fossem importantes. O mais proeminente líder nativo americano a ficar do lado dos legalistas foi Joseph Brant da Mohawk Nation, que liderou incursões na fronteira em assentamentos isolados na Pensilvânia e Nova York até que um exército americano comandado por John Sullivan assegurou Nova York em 1779. , forçando todos os índios leais a entrarem permanentemente. Canadá.[15]

Uma minoria de tamanho incerto tentou permanecer neutra na guerra. A maioria manteve um perfil baixo. No entanto, os quakers, especialmente na Pensilvânia, foram o grupo mais importante a defender abertamente a neutralidade. Quando os patriotas declararam independência, os quacres, que continuaram a fazer negócios com os britânicos, foram atacados como apoiadores do domínio britânico, “autores de publicações sediciosas” criticando a causa revolucionária.

Após a guerra, a grande maioria dos legalistas permaneceu nos Estados Unidos e retomou suas vidas normais. Alguns, como Samuel Seabury, tornaram-se líderes americanos proeminentes. Uma minoria de aproximadamente 50.000 a 75.000 legalistas mudou-se para o Canadá, Grã-Bretanha ou Índias Ocidentais. Quando os legalistas deixaram o sul em 1783, eles levaram cerca de 75.000 de seus escravos para as Índias Ocidentais britânicas.[16]

Diferenças de classe entre os Patriots

Historiadores, como J. Franklin Jameson no início do século 20, examinaram a composição de classes da causa patriota, em busca de evidências de que havia uma guerra de classes dentro da revolução. Nos últimos 50 anos, os historiadores abandonaram amplamente essa interpretação, enfatizando, em vez disso, o alto nível de unidade ideológica. Assim como havia legalistas ricos e pobres, os patriotas eram um “grupo misto” e os mais ricos e mais bem educados tinham maior probabilidade de se tornarem oficiais do exército. As demandas ideológicas sempre vinham em primeiro lugar: os patriotas viam a independência como um meio de se libertar da opressão e da tributação britânica e, acima de tudo, para reafirmar o que consideravam seus direitos. A maioria dos fazendeiros, artesãos e pequenos comerciantes também aderiu à causa patriota, exigindo mais igualdade política. Eles foram particularmente bem-sucedidos na Pensilvânia, mas menos na Nova Inglaterra, onde John Adams atacou Thomas Paine. Senso comum pelas “noções democráticas absurdas” que ele propôs.[17][18]

Mulher

O boicote aos produtos britânicos envolveu a participação voluntária de mulheres americanas; os itens boicotados eram principalmente utensílios domésticos, como chá e roupas. As mulheres tiveram que voltar a fiar e tecer, habilidades que haviam caído em desuso. Em 1769, as mulheres de Boston produziram 40.000 novelos de lã e 180 mulheres em Middletown, Massachusetts, teceram 20.522 metros de tecido.[19][20]

Criação de novas constituições estaduais

No verão de 1776, os patriotas controlavam todo o território e população; os legalistas eram impotentes. As treze colônias derrubaram seus governos existentes, fechando tribunais e expulsando agentes e governadores britânicos de suas casas. Eles escolheram convenções e “legislaturas” que existiam fora de qualquer estrutura legal; Novas constituições eram necessárias em cada estado para substituir as cartas reais substituídas. Agora eles eram estados, não colônias.[21][22]

Em 5 de janeiro de 1776, New Hampshire ratificou a primeira constituição do estado, seis meses antes da assinatura da Declaração de Independência. Então, em maio de 1776, o Congresso votou para suprimir todas as formas de autoridade da coroa, para ser substituído por uma autoridade criada localmente. Virgínia, Carolina do Sul e Nova Jersey criaram suas constituições antes de 4 de julho. Rhode Island e Connecticut simplesmente pegaram seus estatutos reais existentes e removeram todas as referências à coroa.[23]

Os novos estados tinham que decidir não apenas qual forma de governo criar, mas primeiro eles tinham que decidir como selecionar aqueles que elaborariam as constituições e como o documento resultante seria ratificado. Estados nos quais os ricos exerciam controle firme sobre o processo, como Maryland, Virginia, Delaware, Nova York e Massachusetts, criaram constituições que incluíam:

  • Classificações de propriedade substanciais para votar e requisitos ainda mais substanciais para cargos eleitos (embora Nova York e Maryland tenham reduzido as classificações de propriedade)[24]
  • Legislatura bicameral, com a câmara alta como controle sobre a inferior
  • Governadores fortes, com poder de veto sobre a legislatura e autoridade de nomeação substancial
  • Poucas ou nenhuma restrição para pessoas que ocupam vários cargos no governo
  • A continuação da religião estabelecida pelo estado

Em estados onde os menos ricos se organizaram o suficiente para ter um poder significativo, especialmente Pensilvânia, Nova Jersey e New Hampshire, as constituições resultantes incorporaram:

  • sufrágio universal da masculinidade branca, ou requisitos mínimos de propriedade para votar ou ocupar cargos (New Jersey concedeu o direito de votar a algumas viúvas proprietárias, uma medida que foi retirada 25 anos depois)
  • legislaturas fortes e unicameral
  • Governadores relativamente fracos, sem poder de veto e pouca autoridade para nomear
  • proibição de pessoas ocupando vários cargos no governo

Os resultados dessas constituições iniciais não foram de forma alguma rígidos. As disposições mais populistas da constituição da Pensilvânia duraram apenas quatorze anos. Em 1790, os conservadores ganharam poder na legislatura estadual, convocaram uma nova convenção constitucional e reescreveram a constituição. A nova constituição reduziu substancialmente o sufrágio universal para os homens brancos, deu ao governador poder de veto e patrocinou a autoridade de nomeação, e acrescentou uma câmara alta com classificações substanciais de riqueza à legislatura unicameral. Thomas Paine chamou de uma constituição indigna da América.[25]

História militar: expulsão dos britânicos em 1776

A história militar da guerra de 1775 se concentrou em Boston, nas mãos dos britânicos, mas cercada por milícias das colônias próximas. O Congresso escolheu George Washington como comandante-chefe e forçou os britânicos a evacuar a cidade em março de 1776. Naquela época, os patriotas controlavam praticamente todas as 13 colônias e estavam dispostos a considerar a independência.[26]

Independência, 1776

Senso comum por Thomas Paine

Em 10 de janeiro de 1776, Thomas Paine publicou um panfleto político intitulado Senso comum argumentando que a única solução para os problemas com a Grã-Bretanha era o republicanismo e a independência da Grã-Bretanha.[27]

Em 4 de julho de 1776, a Declaração de Independência foi ratificada pelo Segundo Congresso Continental. A guerra começou em abril de 1775, enquanto a declaração foi emitida em julho de 1776. Até então, as colônias buscavam termos favoráveis ​​de paz; agora todos os estados pediram independência.[28]

Os Artigos da Confederação e União Perpétua, comumente conhecidos como Artigos da Confederação, formou o primeiro documento do governo dos Estados Unidos da América, combinando as colônias em uma confederação livre de estados soberanos. O Segundo Congresso Continental aprovou os artigos em novembro de 1777.[29]

Guerra

Retorno britânico: 1776-1777

Os britânicos voltaram com força em agosto de 1776, enfrentando o jovem Exército Continental pela primeira vez na maior ação da Revolução na Batalha de Long Island. Eles finalmente assumiram a cidade de Nova York e quase capturaram o General Washington. Eles fizeram da cidade sua principal base política e militar, mantendo-a até 1783. Eles também mantiveram New Jersey, mas em um ataque surpresa, Washington cruzou o rio Delaware em New Jersey e derrotou os exércitos britânicos em Trenton e Princeton, revivendo assim a causa patriota. . e retomar Nova Jersey.

Em 1777, os britânicos lançaram dois ataques descoordenados. O exército baseado em Nova York derrotou Washington e capturou a capital nacional na Filadélfia. Simultaneamente, um segundo exército invadiu do Canadá com o objetivo de isolar a Nova Inglaterra. Ele foi capturado e capturado em Saratoga, Nova York, em outubro de 1777. A vitória encorajou os franceses a entrar oficialmente na guerra, pois Benjamin Franklin negociou uma aliança militar permanente no início de 1778. Mais tarde, Espanha (em 1779) e os holandeses tornaram-se aliados dos franceses, deixando a Grã-Bretanha para travar uma grande guerra sozinha, sem grandes aliados. O teatro americano tornou-se assim uma frente na guerra da Grã-Bretanha.[30][31]

Devido à aliança e à deterioração da situação militar, Sir Henry Clinton, o comandante britânico, evacuou a Filadélfia para reforçar a cidade de Nova York. O General Washington tentou interceptar a coluna em retirada, resultando na Batalha de Monmouth Court House, a última grande batalha travada nos estados do norte. Após um acordo inconclusivo, os britânicos retiraram-se com sucesso para a cidade de Nova York. Posteriormente, a guerra do norte tornou-se um impasse, pois o foco das atenções mudou para o teatro do sul.[32]

Ataque britânico no sul, 1778-1783

O cerco de Yorktown terminou com a rendição de um exército britânico, abrindo caminho para o fim da Guerra Revolucionária Americana.

No final de dezembro de 1778, os britânicos capturaram Savannah, Geórgia, e começaram a se mudar para o norte, para a Carolina do Sul. A Geórgia do Norte foi salva da ocupação durante este período de tempo, devido à vitória dos Patriots na Batalha de Kettle Creek no Condado de Wilkes, Geórgia. Os britânicos avançaram para capturar Charleston, na Carolina do Sul, estabelecendo uma rede de fortes no interior, acreditando que os legalistas se juntariam à bandeira. No entanto, eles não eram leais o suficiente e os britânicos tiveram que abrir caminho para o norte, para a Carolina do Norte e Virgínia, onde esperaram para serem resgatados pela frota britânica.

No entanto, essa frota foi derrotada por uma frota francesa. Presos em Yorktown, Virgínia, os britânicos entregaram seu principal exército de combate ao General Washington em outubro de 1781. Embora o Rei George III quisesse continuar lutando, seus apoiadores perderam o controle do Parlamento e a guerra efetivamente terminou para os Estados Unidos.[33]

Uma batalha naval final foi travada pelo Capitão John Barry e sua tripulação do aliança como três navios de guerra britânicos liderados por HMS Sybil Ele tentou assumir a folha de pagamento do Exército Continental em 10 de março de 1783, na costa do Cabo Canaveral.

Problema de traição

Em agosto de 1775, o rei declarou os americanos em armas traidores da Coroa. No início, o governo britânico começou a tratar os prisioneiros americanos como criminosos comuns. Eles foram presos e foram tomadas medidas para levá-los a julgamento por traição. Lord Germain e Lord Sandwich estavam especialmente ansiosos por fazê-lo. Muitos dos prisioneiros feitos pelos britânicos em Bunker Hill aparentemente esperavam ser enforcados, mas o governo se recusou a dar o próximo passo: julgamentos por traição e execuções. Havia dezenas de milhares de legalistas sob controle americano que corriam o risco de seus próprios julgamentos de traição (pelos americanos), e os britânicos construíram grande parte de sua estratégia em torno do uso desses legalistas. Após a rendição em Saratoga em 1777, havia milhares de prisioneiros britânicos em mãos americanas que eram efetivamente reféns. Assim, nenhum prisioneiro americano foi julgado por traição e, embora a maioria tenha sido maltratada, eles acabaram ganhando tecnicamente os direitos dos beligerantes. Em 1782, por ato do Parlamento, eles foram oficialmente reconhecidos como prisioneiros de guerra, em vez de traidores. No final da guerra, ambos os lados libertaram seus prisioneiros.[34]

Tratado de paz

O tratado de paz com a Grã-Bretanha, conhecido como Tratado de Paris (1783), deu aos Estados Unidos todas as terras a leste do rio Mississippi e ao sul dos Grandes Lagos. Os nativos americanos que viviam nesta região não faziam parte deste tratado e não o reconheceram até serem derrotados militarmente pelos Estados Unidos. Os problemas de limites e dívidas não foram resolvidos até o Tratado de Jay de 1795.[35]

Rescaldo da guerra

Para 2% dos Estados Unidos, a derrota foi seguida pelo exílio. Aproximadamente 60 mil dos legalistas permaneceram na república recém-fundada, com a maioria se estabelecendo nas colônias britânicas restantes na América do Norte, como a província de Quebec (concentrando-se nos municípios do leste), Ilha do Príncipe Eduardo e Nova Escócia. A Grã-Bretanha criou as novas colônias do Alto Canadá (agora Ontário) e New Brunswick para seu benefício.[36]

dívida nacional

A dívida nacional após a Revolução Americana foi dividida em três categorias. O primeiro foram os US $ 11 milhões devidos a estrangeiros, principalmente dívidas com a França. A segunda e a terceira, de aproximadamente US $ 24 milhões cada, eram dívidas dos governos nacional e estadual aos americanos que venderam alimentos, cavalos e suprimentos para as forças revolucionárias. O Congresso concordou que o poder e a autoridade do novo governo pagariam as dívidas externas. También hubo otras deudas que consistieron en pagarés emitidos durante la Guerra de la Independencia a soldados, comerciantes y agricultores que aceptaron estos pagos con la premisa de que la nueva Constitución crearía un gobierno que eventualmente pagaría estas deudas.

Los gastos de guerra de los estados individuales ascendieron a 114 millones de dólares, en comparación con los 37 millones de dólares del gobierno central.[37] En 1790, el Congreso combinó las deudas estatales con las deudas externas e internas en una deuda nacional por un total de $ 80 millones. Todos recibieron el valor nominal de los certificados de guerra, para que se mantuviera el honor nacional y se estableciera el crédito nacional.

Influencia mundial

El impacto más radical fue la sensación de que todos los hombres tienen la misma voz en el gobierno y que el estatus heredado no tenía peso político en la nueva república.[38] Los derechos del pueblo se incorporaron a las constituciones estatales. Así surgió la afirmación generalizada de la libertad, los derechos individuales, la igualdad y la hostilidad hacia la corrupción, que probaría los valores fundamentales del republicanismo para los estadounidenses. El cambio estadounidense al republicanismo, así como la democracia en expansión gradual, provocaron una alteración de la jerarquía social tradicional y crearon la ética que formó el núcleo de los valores políticos estadounidenses.[39][40]

El mayor desafío al viejo orden en Europa fue el desafío al poder político heredado y la idea democrática de que el gobierno se basa en el consentimiento de los gobernados. El ejemplo de la primera revolución exitosa contra un imperio europeo proporcionó un modelo para muchos otros pueblos coloniales que se dieron cuenta de que ellos también podían separarse y convertirse en naciones autónomas.[41]

La Revolución Americana fue la primera ola de las Revoluciones Atlánticas que se apoderó de la Revolución Francesa, la Revolución Haitiana y las guerras de liberación latinoamericanas. Las réplicas llegaron a Irlanda en el levantamiento de 1798, en la Commonwealth polaco-lituana y en los Países Bajos.[42]

La Revolución tuvo un impacto fuerte e inmediato en Gran Bretaña, Irlanda, Holanda y Francia. Muchos whigs británicos e irlandeses hablaron a favor de la causa estadounidense. La Revolución fue la primera lección en el derrocamiento de un antiguo régimen para muchos europeos que luego estuvieron activos durante la era de la Revolución Francesa, como el Marqués de Lafayette. La Declaración de Independencia Americana tuvo algún impacto en la Declaración Francesa de los Derechos del Hombre y del Ciudadano de 1789.[43][44]

En lugar de escribir ensayos de que la gente común tenía derecho a derrocar gobiernos injustos, los estadounidenses actuaron y tuvieron éxito. La Revolución Americana fue un caso de éxito práctico, que proporcionó al resto del mundo un “modelo de trabajo”. El republicanismo estadounidense desempeñó un papel crucial en el desarrollo del liberalismo europeo, como lo señaló el gran historiador alemán Leopold von Ranke en 1848:

Al abandonar el constitucionalismo inglés y crear una nueva república basada en los derechos del individuo, los norteamericanos introdujeron una nueva fuerza en el mundo. Las ideas se difunden más rápidamente cuando han encontrado una expresión concreta adecuada. Así entró el republicanismo en nuestro mundo romántico / germánico … Hasta este punto, había prevalecido en Europa la convicción de que la monarquía servía mejor a los intereses de la nación. Ahora se difundió la idea de que la nación debería gobernarse a sí misma. Pero sólo después de que se haya formado realmente un estado sobre la base de la teoría de la representación, se hizo evidente el significado total de esta idea. Todos los movimientos revolucionarios posteriores tienen el mismo objetivo…. Esta fue la inversión completa de un principio. Hasta entonces, un rey que gobernaba por la gracia de Dios había sido el centro alrededor del cual todo giraba. Now the idea emerged that power should come from below…. These two principles are like two opposite poles, and it is the conflict between them that determines the course of the modern world. In Europe the conflict between them had not yet taken on concrete form; with the French Revolution it did.[45]

Nowhere was the influence of the American Revolution more profound than in Latin America, where American writings and the model of colonies, which actually broke free and thrived decisively, shaped their struggle for independence. Historians of Latin America have identified many links to the U.S. model.[46]

Despite its success, the North American states’ new-found independence from the British Empire allowed slavery to continue in the United States until 1865, long after it was banned in all British colonies.

Interpretations

Interpretations about the effect of the revolution vary. At one end of the spectrum is the older view that the American Revolution was not “revolutionary” at all, that it did not radically transform colonial society but simply replaced a distant government with a local one.[47] A more recent view pioneered by historians such as Bernard Bailyn, Gordon S. Wood and Edmund Morgan is that the American Revolution was a unique and radical event that produced deep changes and had a profound impact on world affairs, based on an increasing belief in the principles of republicanism, such as peoples’ natural rights, and a system of laws chosen by the people.[48]

Notas

  1. Greene & Pole 1994, chap. onze.
  2. William S. Carpenter, “Taxation Without Representation” in Dictionary of American History, vol. 7, edited by Thomas C. Coc and Harold W. Chase (New York: Charles Scribner’s Sons, 1976, ASIN B000LVZRWE).
  3. John C. Miller, Origins of the American Revolution (Boston: Little, Brown and Company,
    1943). Available online. Retrieved August 15, 2007.
  4. Miller 1943.
  5. Miller 1943.
  6. Greene & Pole 1994, chap. onze.
  7. Charles W. Toth (ed.), Liberte, Egalite, Fraternite: The American Revolution & the European Response (Troy, NY: The Whitston Publishing Company, 1989), p. 26 Available online. Retrieved August 15, 2007.
  8. Greene & Pole 1994, chap. 9
  9. Greene & Pole 1994, chap. 15.
  10. Miller 1943, 335-392.
  11. Greene & Pole 1994, chap. 22-24.
  12. Miller 1943, 353-376.
  13. John C. Miller, Triumph of Freedom, 1775-1783 (Boston: Little, Brown and Company, 1948), p. 87. Available online. Retrieved August 15, 2007.
  14. Robert M. Calhoon, “Loyalism and Neutrality,” in Greene and Pole 1994.
  15. Gary B. Nash, The Unknown American Revolution: The Unruly Birth of Democracy and the Struggle to Create America (New York: Viking Adult, 2005, ISBN 0670034207)
  16. Greene & Pole 1994, chap. 20-22.
  17. Nash 2005.
  18. John Phillips Resch, and Walter Sargent (eds.), War And Society in the American Revolution: Mobilization And Home Fronts (DeKalb, IL: Northern Illinois University Press, 2006, ISBN 0875806147)
  19. Carol Berkin, Revolutionary Mothers: Women in the Struggle for America’s Independence (New York: Vintage Books, 2006, ISBN 1400075327)
  20. Greene & Pole 1994, chap. 41
  21. Allan Nevins, The American States During and After the Revolution, 1775-1789 (New York: The Macmillan Company, 1927). Available online. Retrieved August 15, 2007.
  22. Greene & Pole 1994, chap. 29.
  23. Nevins 1927.
  24. Nevins 1927; Greene & Pole 1994, chap. 29.
  25. Wood 1992
  26. Piers Mackesy, The War for America: 1775-1783 (Lincoln, NE: University of Nebraska Press, 1992). Available online. Retrieved August 15, 2007.
  27. Greene and Pole 1994, chap. 26
  28. Greene and Pole 1994, chap. 27.
  29. Greene and Pole 1994, chap. 30.
  30. Mackesy 1992.
  31. Don Higginbotham, The War of American Independence: Military Attitudes, Policies, and Practice, 1763-1789 (Boston: Northeastern University Press, 1983, ISBN 0930350448)
  32. Mackesy 1992; Higginbotham 1983.
  33. Mackesy 1992; Higginbotham 1983.
  34. Miller 1948, 166.
  35. Miller 1948, 616-648.
  36. Claude Halstead Van Tyne, The Loyalists in the American Revolution (New York: The Macmillan Company, 1902).
  37. Merrill Jensen, The New Nation (New York: Vintage Books, 1950), p. 379.
  38. Wood 1992.
  39. Gordon S. Wood, The Radicalism of the American Revolution (New York: Alfred A. Knopf, 1992, ISBN 0679404937)
  40. Jack P. Greene and J. R. Pole (eds.), The Blackwell Encyclopedia of the American Revolution (Oxford: Blackwell Publishers, 1994, ISBN 1557865477), chap. 70.
  41. Robert R. Palmer, The Age of the Democratic Revolution: Vol. I: The Challenge (Princeton, NJ: Princeton University Press, 1959) (New edition, 1969, ISBN 0691005699) Available online. Retrieved August 15, 2007.
  42. Palmer 1959; Greene & Pole 1994, chap. 53-55.
  43. Palmer 1959; Greene & Pole 1994, chap. 49-52.
  44. Lynn Hunt and Jack Censer, Chapter 3 Page 1: Enlightenment and Human Rights, Liberty, Equality, Fraternity: Exploring the French Revolution, Center for History and New Media (George Mason University) and the American Social History Project (City University of New York). Retrieved August 15, 2007.
  45. Quoted in Jürgen Heideking and James A. Henretta (eds.), Republicanism and Liberalism in America and the German States, 1750-1850 (New York: Cambridge University Press, 2002, ISBN 0521800668), P. 128.
  46. See John Lynch, “The Origins of Spanish American Independence,” in Cambridge History of Latin America, vol. 3, edited by Leslie Bethell (New York: Cambridge University Press, 1985, ISBN 0521232244), pp. 45-46.
  47. Jack Greene, “The American Revolution,” The American Historical Review 105(1). Retrieved August 15, 2007.
  48. Gordon S. Wood, The American Revolution: A History (New York: Modern Library, 2002, ISBN 0679640576)

Referências

  • Barnes, Ian, and Charles Royster. The Historical Atlas of the American Revolution. New York: Routledge, 2000. ISBN 0415922437
  • Boatner, Mark Mayo. Encyclopedia of the American Revolution. Mechanicsburg, PA: Stackpole Books, 1974 (original 1966). ISBN 0811705781
  • Fremont-Barnes, Gregory, and Richard A. Ryerson (eds.). The Encyclopedia of the American Revolutionary War: A Political, Social, and Military History (5-Volume Set). Santa Barbara, CA: ABC-CLIO, 2006. ISBN 1851094083
  • Greene, Jack P. and J. R. Pole (eds.). The Blackwell Encyclopedia of the American Revolution. Oxford: Blackwell Publishers, 1994. ISBN 1557865477
  • Purcell, L. Edward. Who Was Who in the American Revolution. New York: Facts on File, 1993. ISBN 0816021074
  • Resch, John P. (ed.). Americans at War: Society, Culture and the Homefront. New York: MacMillan Reference Books, 2004. ISBN 002865806X

Surveys

  • Cogliano, Francis D. Revolutionary America, 1763-1815; A Political History. London: Routledge, 2000. ISBN 0415180589
  • Higginbotham, Don. The War of American Independence: Military Attitudes, Policies, and Practice, 1763-1789. Boston: Northeastern University Press, 1983. ISBN 0930350448
  • Jensen, Merrill. The Founding of a Nation: A History of the American Revolution 1763-1776. Indianapolis, IN: Hackett Publishing, 2004 (original 1968). ISBN 0872207056
  • Jensen, Merrill. The New Nation. New York: Vintage Books, 1950. Reprint edition, 1966. New York: Random House. ISBN 0394705270
  • Lecky, William Edward Hartpole. The American Revolution, 1763-1783. New York: D. Appleton, 1898. Available online. Retrieved August 15, 2007.
  • Mackesy, Piers. The War for America: 1775-1783. Lincoln, NE: University of Nebraska Press, 1992. Available online. Retrieved August 15, 2007.
  • Middlekauff, Robert. The Glorious Cause: The American Revolution, 1763-1789. New York: Oxford University Press, 1985. ISBN 0195035755. Available online. Retrieved August 15, 2007.
  • Miller, John C. Triumph of Freedom, 1775-1783. Boston: Little, Brown and Company, 1948. Available online. Retrieved August 15, 2007.
  • Miller, John C. Origins of the American Revolution (Boston: Little, Brown and Company, 1943). Available online. Retrieved August 15, 2007.
  • Wood, Gordon S. The American Revolution: A History. New York: Modern Library, 2002. ISBN 0679640576
  • Wrong, George M. Washington and His Comrades in Arms: A Chronicle of the War of Independence. New Haven, CT: Yale University Press, 1921. Available online. Retrieved August 15, 2007.

Specialized studies

  • Bailyn, Bernard. The Ideological Origins of the American Revolution. Cambridge, MA: Belknap Press of Harvard University Press, 1972 (original 1967). ISBN 0674443012
  • Becker, Carl Lotus. The Declaration of Independence: A Study on the History of Political Ideas. (New York: Harcourt, Brace and Co., 1922). Available online. Retrieved August 15, 2007.
  • Berkin, Carol. Revolutionary Mothers: Women in the Struggle for America’s Independence. New York: Vintage Books, 2006. ISBN 1400075327
  • Breen, T. H. The Marketplace of Revolution: How Consumer Politics Shaped American Independence. Nova York: Oxford University Press, 2004. ISBN 019518131X
  • Crow, Jeffrey J. and Larry E. Tise (eds.). The Southern Experience in the American Revolution. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 1978. ISBN 0807813133
  • Fischer, David Hackett. Washington’s Crossing. Nova York: Oxford University Press, 2004. ISBN 0195170342
  • Freeman, Douglas Southall. Washington: An Abridgement. Edited by Richard Harwell. New York: Charles Scribner’s Sons, 1968. ASIN B000OUSPMQ
  • Kerber, Linda K. Women of the Republic: Intellect and Ideology in Revolutionary America. Chapel Hill, NC: The University of North Carolina Press, 1980. ISBN 0807814407
  • McCullough, David. 1776. New York: Simon and Schuster, 2005. ISBN 0743226712
  • Nash, Gary B. The Unknown American Revolution: The Unruly Birth of Democracy and the Struggle to Create America. New York: Viking Adult, 2005. ISBN 0670034207
  • Nevins, Allan. The American States During and After the Revolution, 1775-1789. New York: The Macmillan Company, 1927). Available online. Retrieved August 15, 2007.
  • Norton, Mary Beth. Liberty’s Daughters: The Revolutionary Experience of American Women, 1750-1800. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1996 (original 1980). ISBN 0801483476
  • Palmer, Robert R. The Age of the Democratic Revolution: Vol. I: The Challenge. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1959 (New edition, 1969, ISBN 0691005699) Available online. Retrieved August 15, 2007.
  • Resch, John Phillips and Walter Sargent (eds.). War And Society in the American Revolution: Mobilization And Home Fronts. DeKalb, IL: Northern Illinois University Press, 2006. ISBN 0875806147
  • Rothbard, Murray. Conceived in Liberty (4 Volume Set). Auburn, AL: Ludwig Von Mises Institute, 1999. ISBN 0945466269
  • Shankman, Andrew. Crucible of American Democracy: The Struggle to Fuse Egalitarianism and Capitalism in Jeffersonian Pennsylvania. Lawrence, KS: University Press of Kansas, 2004. ISBN 0700613048
  • Volo, James M. and Dorothy Denneen Volo. Daily Life during the American Revolution. Westport, CT: Greenwood Press, 2003. ISBN 0313318441
  • Wood, Gordon S. The Radicalism of the American Revolution. New York: Alfred A. Knopf, 1992. ISBN 0679404937

Primary sources

  • Commager, Henry Steele and Richard B. Morris (eds.). The Spirit of ‘Seventy-Six: The Story of the American Revolution As Told by Participants. New York: Da Capo Press, 1995 (original 1975, 1958). ISBN 0306806207
  • Humphrey, Carol Sue (ed.). The Revolutionary Era: Primary Documents on Events from 1776 to 1800. Westport, CT: Greenwood Press, 2003. ISBN 0313320837
  • Morison, Samuel E. (ed.). Sources and Documents Illustrating the American Revolution, 1764-1788, and the Formation of the Federal Constitution. New York: Oxford University Press, 1965 (original 1923). ISBN 0195002628
  • Rhodehamel, John H. (ed). The American Revolution: Writings from the War of Independence. New York: Library of America, 2001. ISBN 1883011914
  • Tansill, Charles C. (ed.). Documents Illustrative of the Formation of the Union of the American States. Washington, DC: Govt. Print. Office, 1927. Available online. Retrieved August 15, 2007.

links externos

All links retrieved November 17, 2016.

Créditos

New World Encyclopedia escritores e editores reescreveram e completaram o Wikipedia Artigo
de acordo com New World Encyclopedia Regras. Este artigo é regido pelos termos da licença Creative Commons CC-by-sa 3.0 (CC-by-sa), que pode ser usada e divulgada com a devida atribuição. O crédito é devido nos termos desta licença, que pode referir-se a ambos New World Encyclopedia colaboradores e colaboradores voluntários altruístas da Fundação Wikimedia. Para citar este artigo, clique aqui para obter uma lista de formatos de citação aceitáveis. Os pesquisadores podem acessar a história das contribuições wikipedistas anteriores aqui:

O histórico deste item desde que foi importado para New World Encyclopedia:

Nota: Algumas restrições podem ser aplicadas ao uso de imagens individuais que são licenciadas separadamente.



Traduzido de Enciclopédia do Novo Mundo/a>

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo