História

Guerra Anglo-Zulu – Enciclopédia do Novo Mundo


Guerra Anglo-Zulu
Batalha de drift de Rorke
Descrição de Rorke da Batalha de Drift
Encontro 11 de janeiro de 1879 – 4 de julho de 1879
Localização África do Sul
Resultado Vitória britânica
Lutadores
Bretanha Nação zulu
Comandantes
Sir Bartle Frere,
Frederick Augustus Thesiger, 2º Barão de Chelmsford
Cetshwayo
Força
14.800 (6.400 europeus 8.400 africanos) 40.000
Vítimas
1.727 mortos,
256 feridos
Mais de 8.250 mortos,
Mais de 3000 feridos

a Guerra Anglo-Zulu foi travada em 1879 entre a Grã-Bretanha e os zulus. De começos complexos, a guerra foi marcada por várias batalhas particularmente sangrentas, bem como por ser um marco na cronologia do colonialismo na região. A guerra marcou o fim da nação Zulu independente. No entanto, em 22 de janeiro de 1879, os zulus infligiram a pior derrota da história colonial aos britânicos, quando 20 a 25.000 zulus armados apenas com lanças derrotaram uma força britânica de 1.500 homens bem equipados. Mais tarde naquele dia, no entanto, uma força britânica menor de apenas 120 homens manteve-se firme na deriva de Rorke contra 4.000 zulus e venceu. Onze Victoria Crosses foram ganhas naquele único dia, o maior número já concedido em um dia de luta.

Um dos enigmas da Guerra Anglo-Zulu é que, embora os britânicos tenham invadido a Zululândia em 1879, eles não anexaram o território até 1887. Isso torna difícil explicar a guerra apenas no contexto da expansão colonial. É mais provável que os britânicos quisessem dar uma lição aos zulus, que, como os colonos bôeres, resistiam e se ressentiam da influência britânica na região. Do ponto de vista do direito internacional moderno, a guerra foi um ato de agressão não provocado. A Grã-Bretanha provavelmente também queria expandir seu poder na região para proteger os carregamentos para a Índia. Os britânicos também aprenderam com as táticas zulu e, no final da guerra, não deram quartel, queimaram casas e plantações e deixaram a terra em ruínas. Dada a retórica imperial de que os britânicos e outros europeus tinham a responsabilidade moral de governar a África até que os africanos estivessem maduros o suficiente para governar a si mesmos, essa guerra imoral sugere que seu motivo real era um pouco menos nobre. Mesmo derrotados, os zulus gozavam da reputação de sua nobreza e habilidades militares.

fundo

Em 1861, Umtonga, irmão de Cetshwayo, filho do rei zulu Mpande, fugiu para o distrito de Utrecht, e Cetshwayo montou um exército naquela fronteira. De acordo com as evidências apresentadas posteriormente pelos bôeres, Cetshwayo ofereceu aos fazendeiros uma faixa de terra ao longo da fronteira se eles entregassem seu irmão. Os bôeres cumpriram a condição de que a vida de Umtonga fosse salva e, em 1861, Mpande assinou uma escritura transferindo essas terras para os bôeres. A fronteira sul da terra adicionada a Utrecht se estendia de Rorke’s Drift em Buffalo até um ponto no rio Pongola.

A fronteira foi marcada em 1864, mas quando em 1865 Umtonga fugiu de Zululand para Natal, Cetshwayo, vendo que havia perdido sua parte na barganha (porque temia que Umtonga pudesse ser usado para suplantá-lo, como Mpande tinha sido usado para se passar por Dingane), ele fez com que o farol fosse removido e também recuperou as terras cedidas pelos suazis a Lydenburg. Os zulus afirmavam que os suazis eram seus vassalos e, portanto, não tinham o direito de se separar desse território. Durante o ano, um comando Boer sob o comando de Paul Kruger e um exército sob o comando de Cetshwayo foram destacados para defender a recém-adquirida fronteira de Utrecht. As forças zulu recuperaram suas terras ao norte de Pongola. Também foram levantadas questões sobre a validade dos documentos assinados pelos zulus na faixa de Utrecht; em 1869, os serviços do vice-governador de Natal foram aceitos por ambas as partes como árbitros, mas a tentativa de solução das diferenças foi infrutífera.

Esse era o contexto político quando Cetshwayo se tornou governante absoluto dos zulus após a morte de seu pai em 1873. Como governante, Cetshwayo decidiu reviver os métodos militares de seu tio Shaka tanto quanto possível, e até mesmo conseguiu equipar seus regimentos com armas de fogo. Acredita-se que ele causou a revolta do povo Xhosa no Transkei e ajudou Sikukuni em sua luta contra o Transvaal. Seu governo sobre seu próprio povo era tirânico. Por exemplo, o bispo Schreuder (da Sociedade Missionária da Noruega) descreveu Cetshwayo como “um homem capaz, mas por sua frieza, orgulho egoísta, crueldade e falsidade, pior do que qualquer um de seus antecessores”.

Em 1874, Lord Carnarvon, que se federou com sucesso no Canadá, pensou que um esquema semelhante poderia funcionar na África do Sul. Sir Bartle Frere foi enviado à África do Sul como Alto Comissário para executá-lo. Um dos obstáculos a tal esquema era a presença dos estados independentes da República da África do Sul e do Reino da Zululândia.

Em setembro de 1876, o massacre de um grande número de meninas (que se casaram com homens de sua própria idade, em vez de homens de um regimento mais antigo, conforme ordenado por Cetshwayo) provocou um forte protesto do governo de Natal e dos governos Os ocupantes freqüentemente tendiam a patrocinar os assuntos das nações africanas. A tensão entre Cetshwayo e Transvaal continuou por causa das disputas de fronteira. Sir Theophilus Shepstone, a quem Cetshwayo considerava seu amigo, o apoiou na disputa de fronteira, mas em 1877, ele liderou uma pequena força no Transvaal e persuadiu os bôeres a renunciarem à independência. Shepstone tornou-se administrador do Transvaal e, nessa função, viu a disputa de fronteira do outro lado.

O ultimato

Em fevereiro de 1878, o vice-governador de Natal nomeou uma comissão para informar sobre a questão da fronteira. A comissão relatou em julho e concluiu que era quase inteiramente a favor da reivindicação Zulu. Sir Henry Bartle Frere, então alto comissário, que considerou o prêmio “unilateral e injusto para com os bôeres” (Martineau, Life of Frere, ii. Xix.), estipulou que, na terra que é dada ao zulu, os bôeres que nela vivem devem ser indenizados se saírem, ou protegidos se ficarem. Cetshwayo (que agora não encontrava nenhum defensor em Natal, exceto o bispo Colenso) foi visto pelos britânicos como um “humor desafiador” e permitiu ultrajes do zulu nas fronteiras do Transvaal e de Natal.

Em 1878, Frere usou um pequeno ataque na fronteira – dois guerreiros trouxeram duas garotas fugitivas de Natal – como um pretexto para exigir 500 cabeças de gado dos zulus como reparação. Cetshwayo enviou apenas £ 50 em ouro. Quando dois agrimensores foram capturados em Zululand, Frere exigiu mais reparos e Cetshwayo recusou novamente. Frere enviou emissários para encontrá-lo e contar suas demandas.

Com o Transvaal sob controle britânico, Frere estava convencido de que o principal obstáculo à confederação era o reino zulu independente, que ele estava determinado a esmagar. Portanto, ao apresentar sua sentença sobre a disputa de fronteira, o Alto Comissário exigiu a remodelação do sistema militar. Os rapazes deviam ser autorizados a casar quando viessem para a propriedade do homem, e os regimentos não deviam ser convocados, exceto com o consentimento do conselho da nação e também do governo britânico. Além disso, os missionários não deveriam ser incomodados e um residente britânico deveria ser aceito. Frere também atrasou o envio dos detalhes do assunto ao governo britânico (sabendo que suas próximas ações provavelmente não seriam apoiadas), mas emitiu um ultimato impossível aos parlamentares zulu em 11 de dezembro de 1878, exigindo uma resposta definitiva em 31 de dezembro de 1878. mesmo mês. mês.

Acredita-se que Frere queria provocar um conflito com os zulus e nesse objetivo conseguiu. Cetshwayo rejeitou as demandas de 11 de dezembro, deixando de responder até o final do ano. Os britânicos concederam uma concessão até 11 de janeiro de 1879, após o qual um estado de guerra foi considerado a existência.

A Batalha de Isandlwana.

Invasão britânica

Cetshwayo não respondeu e, em janeiro de 1879, uma força britânica sob o comando do tenente-general Frederick Augustus Thesiger, 2º Barão Chelmsford, invadiu Zululand, sem autorização do governo britânico. Lord Chelmsford tinha sob seu comando uma força de 5.000 europeus e 8.200 africanos; 3.000 destes últimos foram empregados no policiamento da fronteira de Natal; outra força de 1.400 europeus e 400 africanos estava estacionada no distrito de Utrecht. Três colunas deveriam invadir Zululand, de Lower Tugela, Rorke’s Drift e Utrecht respectivamente, seu objetivo era Ulundi, o kraal real.

O exército de Cetshwayo somava 40.000 homens. A entrada das três colunas não teve oposição. Em 22 de janeiro, a coluna central (1.600 europeus, 2.500 africanos), que avançou da deriva de Rorke, acampou perto de Isandlwana; Na manhã daquele dia, Lord Chelmsford dividiu suas forças e moveu-se para apoiar um grupo de reconhecimento. Depois de deixar o campo sob o comando do tenente-coronel Henry Pulleine, ele foi surpreendido por um exército zulu de quase 20.000 homens. A recusa de Chelmsford em colocar o acampamento britânico na defensiva e ignorar a informação de que os zulus estavam próximos foram decisões das quais todos se arrependeriam mais tarde. Os britânicos foram esmagados em Isandlwana e quase todos os homens foram mortos. As vítimas foram 806 europeus (mais da metade pertencente ao 24º regimento) e 471 africanos. Os zulus apreenderam os bois de transporte que não foram mortos. Mais tarde, Chelmsford percebeu que teria que prestar contas ao governo e à história pelo desastre. Ele rapidamente culpou o coronel Anthony Durnford, que havia chegado depois com cinco soldados do cavalo natal nativo e uma bateria de foguetes. Chelmsford alegou que Durnford desobedeceu às suas ordens de montar um campo defensivo adequado, embora não haja evidências de que tal ordem tenha sido emitida e ele tenha deixado Pulleine no comando do campo com ordens de não entrincheirar o campo, pois era para ser temporário.

Lord Chelmsford e o grupo de reconhecimento voltaram depois de dar pouca atenção aos sinais de ataque; eles chegaram ao campo de batalha naquela noite e acamparam em meio à carnificina. No dia seguinte, os sobreviventes recuaram para Rorke’s Drift, que havia sido palco de uma defesa bem-sucedida. Após a vitória em Isandlwana, vários regimentos do exército Zulu que haviam perdido a batalha avançaram para atacar o Drift de Rorke. A guarnição ali estacionada, sob o comando dos tenentes John Chard e Gonville Bromhead, contava com cerca de 80 homens do 24º Regimento e tinha entre 30 e 40 homens no hospital. No final da tarde, foram atacados por cerca de 4.000 zulus. Em seis ocasiões, os zulus entraram nas trincheiras, sendo cada vez repelidos com a ponta da baioneta. Ao amanhecer, os zulus se retiraram, deixando 350 de seus homens mortos e 500 feridos, que mais tarde foram mortos pelos britânicos. Acredita-se que um número igual tenha morrido nos dias seguintes devido aos ferimentos. A perda britânica foi de 17 mortos e 10 feridos, dois dos quais morreram posteriormente devido aos ferimentos.

Enquanto isso, a coluna da costa, 2.700 homens sob o comando do coronel Charles Pearson, havia chegado a Eshowe vindo do Tugela; Ao receber a notícia de Isandlwana, a maioria dos homens montados e tropas nativas foi enviada de volta a Natal, deixando uma guarnição de 1.300 europeus e 65 africanos em Eshowe. Por dois meses durante o Cerco de Eshowe, esta força foi encurralada pelos Zulus e perdeu 20 homens devido a doenças e enfermidades.

A coluna da esquerda sob o comando do coronel (mais tarde senhor) Evelyn Wood foi forçada a ir para a defensiva após o desastre da coluna central. Por um tempo, os britânicos temeram uma invasão de Natal.

Chelmsford havia perdido sua coluna central e seus planos estavam em frangalhos. No entanto, os zulus sofreram pesadas baixas em sua vitória em Isandlwana e Rorke’s Drift, de modo que Cetshwayo foi incapaz de montar uma contra-ofensiva. Chelmsford se reagrupou e pediu reforços enquanto as tropas zulu continuavam a atacar a fronteira. Como resultado de Isandlwana, o governo britânico substituiu Lord Chelmsford por Sir Garnet Wolseley, mas levou várias semanas para chegar a Natal, período durante o qual Lord Chelmsford permaneceu no comando.

Os britânicos enviaram tropas de todo o império para a Cidade do Cabo. No final de 29 de março, Chelmsford poderia montar uma ofensiva de 8.500 homens (incluindo homens da Marinha Real e 91er Highlanders) de Fort Tenedos para socorrer Eshowe.

Durante esse período (12 de março), uma escolta de tenda marchando em direção a Luneberg, o quartel-general da força de Utrecht, foi atacada quando acampou em ambos os lados do rio Intombe. O acampamento ficou chocado, 62 dos 106 homens morreram e todas as tendas foram perdidas.

As primeiras tropas chegaram a Durban em 7 de março. No dia 29, uma coluna, comandada por Lord Chelmsford, consistindo de 3.400 soldados europeus e 2.300 africanos, marchou para o alívio de Eshowe, formando acampamentos entrincheirados todas as noites.

Chelmsford disse às tropas de Sir Evelyn Wood (Staffordshire and Boers Volunteers, 675 homens no total) que atacassem a fortaleza Zulu em Hlobane. O Tenente Coronel Redvers Buller, mais tarde comandante da Segunda Guerra Bôer, liderou o ataque a Hlobane em 28 de março. No entanto, o principal exército Zulu de 26.000 homens chegou para ajudar seus membros tribais sitiados e os soldados britânicos dispersaram.

Além da perda do contingente africano (aqueles que não morreram desertos), houve 100 vítimas entre os 400 europeus comprometidos.
No dia seguinte, 25.000 guerreiros Zulu atacaram o acampamento de Wood (2.068 homens) em Kambula, aparentemente sem a permissão de Cetshwayo. Os britânicos os mantiveram afastados na Batalha de Kambula e, após cinco horas de combates pesados, os zulus se retiraram. As perdas britânicas totalizaram 29, as quais os zulus perderam em aproximadamente 2000. Acabou sendo uma batalha decisiva.

Em 2 de abril, o campo principal foi atacado em Gingingdlovu (em zulu significa Elephant Swallower, para estrangeiros britânicos era “Gin, Gin, eu te amo”), rejeitando o zulu. Suas perdas foram pesadas, estimadas em 1.200, enquanto os britânicos sofreram apenas dois mortos e 52 feridos. No dia seguinte, os homens de Pearson foram substituídos. Eles evacuaram Eshowe em 5 de abril, após o que as forças zulu o incendiaram.

Derrota do Zulu

Em meados de abril, a maioria dos reforços havia chegado a Natal e Lord Chelmsford reorganizou suas forças. A 1ª Divisão, comandada pelo Major General Crealock, avançava ao longo do cinturão costeiro e pretendia atuar em apoio à 2ª Divisão, comandada pelo Major General Newdigate, que com a coluna voadora de Wood, um unidade independente, deveria marchar sobre Ulundi de Drift of Rorke e Kambula. Devido a dificuldades de transporte, só no início de junho Newdigate estava pronto para partir.

O novo começo não era promissor. As tropas invasoras britânicas foram atacadas em 1º de junho. Uma das baixas britânicas foi o herdeiro exilado do trono francês, o príncipe imperial Napoleão Eugene, que se ofereceu para servir no exército britânico e foi assassinado enquanto partia com um grupo de reconhecimento.

Em 1º de julho, Newdigate e Wood chegaram a White Umfolosi, no coração do país inimigo. Durante o avanço, Cetshwayo enviou mensageiros para pedir paz, mas não aceitou os termos oferecidos. Enquanto isso, Sir Garnet (mais tarde Lord) Wolseley fora despachado para substituir Lord Chelmsford, e em 7 de julho ele chegou ao quartel-general de Crealock em Port Durnford. Mas naquele ponto a campanha estava praticamente acabada. A 2ª Divisão (com a qual Lord Chelmsford estava) e a coluna de Wood cruzaram o Umfolosi Branco em 4 de julho, a força tinha 4.166 soldados europeus e 1.005 indianos, auxiliados por artilharia e metralhadoras Gatling. A cerca de uma milha de Ulundi, a força britânica, formada em um quadrado vazio, foi atacada por um exército zulu de 12.000 a 15.000. A batalha terminou com uma vitória decisiva para os britânicos, cujas perdas foram de cerca de 100, enquanto cerca de 1.500 homens foram perdidos na batalha do Zulu.

Rescaldo

Depois dessa batalha, o exército Zulu se dispersou, a maioria dos chefes principais ofereceu sua submissão e Cetshwayo se tornou um fugitivo. Em 28 de agosto, o rei foi capturado e enviado para a Cidade do Cabo. (Diz-se que os exploradores viram os carregadores de água do rei, característicos porque a água era transportada, e não sobre, suas cabeças.) Seu depoimento foi anunciado formalmente aos zulus, e Wolseley traçou um novo plano para o governo. do país. A dinastia Chaka foi deposta e o país zulu foi dividido entre onze chefes zulu, incluindo Cetshwayo e um de seus filhos, Usibepu, John Dunn, um aventureiro branco, e Hlubi, um chefe basut que serviu bem na guerra.

Bartle Frere foi relegado a uma posição inferior na Cidade do Cabo.

Foi nomeado um residente que seria o canal de comunicação entre os chefes e o governo britânico. Esse arranjo produziu muito derramamento de sangue e tumultos, e em 1882 o governo britânico decidiu devolver Cetshwayo ao poder. Enquanto isso, no entanto, rixas de sangue foram geradas entre os chefes Usibepu (Zibebu) e Hamu de um lado e as tribos que apoiavam o ex-rei e sua família de outro. O partido de Cetshwayo (agora conhecido como Usutus) sofreu gravemente nas mãos dos dois chefes, que foram ajudados por um bando de obstruidores brancos.

Quando Cetshwayo foi restaurado, Usibepu permaneceu com a posse de seu território, enquanto as terras de Dunn e de Chefe Basuto (o país entre o rio Tugela e o Umhlatuzi, ou seja, contíguo a Natal) foram constituídas como reserva, no que eles iam ficar localidades. destinado aos zulus que não queriam servir ao rei restaurado. Esse novo arranjo se mostrou tão inútil quanto o de Wolseley. Usibepu, tendo criado uma força formidável de guerreiros bem armados e treinados, e tendo permanecido independente nas fronteiras do território de Cetshwayo, viu com desgosto a reintegração de seu antigo rei, e Cetshwayo estava ansioso para humilhar seu parente. Logo houve uma colisão; As forças de Usibepu foram vitoriosas e, em 22 de julho de 1883, liderado por uma tropa de mercenários bôeres montados, ele fez uma descida repentina no kraal Cetshwayo em Ulundi, que ele destruiu, massacrando prisioneiros de ambos os sexos que não podiam se salvar. . por vôo. O rei escapou, embora ferido, para a floresta Nkandla. Após os apelos de Sir Melmoth, Osborn mudou-se para Eshowe, onde morreu logo depois.

Guerra Anglo-Zulu no cinema

Duas dramatizações cinematográficas da guerra são: zulu (1964), que é baseado na Batalha de Rorke’s Drift, e Zulu nascer do sol (1979), que trata da batalha de Isandlwana. Uma dramatização curta e bastante cômica está presente em Monty Python O significado da vida (1983).

Anatomia e Avaliação do Exército Zulu

A Guerra Zulu de 1879 seguiu um padrão típico das muitas guerras coloniais travadas na África. Corpo relativamente pequeno de tropas europeias profissionais armadas com armas de fogo e artilharia modernas, e suplementadas por aliados e tropas locais, marcharam para encontrar os nativos cujos exércitos travariam uma batalha valente, mas no final sucumbiram a um poder de fogo massivo. E assim foi. No entanto, os zulus ficaram chocados com a guerra, uma das mais impressionantes vitórias nativas do período colonial. A guerra também testemunhou atos de bravura excepcional por parte de seus oponentes europeus. Altamente respeitado pelos britânicos, o comentário sarcástico de um defensor em Rorke’s Drift “lá vêm eles, pretos como o inferno e grossos como grama” em certo sentido serve como uma homenagem irônica ao poder elemental dos guerreiros tribais, bem como uma linhagem do poema irreverente de Kipling “Fuzzy Wuzzy” (“Um impi zulu nos serviu com estilo”).

Assim, o conflito continua a fascinar as novas gerações de estudantes e jogadores de guerra, e foi retratado não apenas em uma infinidade de livros e artigos, mas também em filmes populares, mais do que outras grandes vitórias nativas, como o Etíopes contra italianos em Adowa, ou os berberes de Abd el-Krim contra espanhóis no Marrocos. O interesse ou a referência ao zulu assumiu muitas formas, desde o nome de um tipo útil de barco de pesca escocês até o código da OTAN para a letra “Z”, dançarinos e frequentadores de festivais na temporada do Novo Mardi Gras. Orleans, até mesmo “times” ou grupos de fãs de hip-hop urbano. Portanto, pode ser útil dar uma olhada mais de perto no exército Zulu, que ainda chama tanta atenção mais de um século depois. Uma análise semelhante será feita em relação ao desempenho das temíveis forças britânicas.

Reformas militares de Shaka

A guerra tribal entre os clãs Zulu era fortemente ritualística e cerimonial até a ascensão do impiedoso chefe Shaka, que adaptou e inovou uma série de práticas tribais que transformaram o Zulu de uma tribo pequena e obscura em uma grande potência regional no leste da África do Sul. . Muitas das inovações de Shaka não foram simplesmente criadas do nada, nem podem ser atribuídas de forma duvidosa à influência das tropas europeias que perfuraram várias centenas de quilômetros ao sul, nem podem simplesmente ser descartadas como produto de forças ambientais vagas, como a seca. . ou superpopulação. O predecessor de Shaka, Dingiswayo, definitivamente iniciou uma série de mudanças expansionistas, e ele próprio foi o responsável pela ascensão inicial do lendário monarca Zulu. Shaka deu continuidade a essa expansão, embora de forma muito mais direta e violenta.

Também é provável que você tenha recebido ajuda para planejar suas reformas militares. Os líderes dos clãs mais velhos em cujas localidades as tropas se reuniram mantiveram alguma influência a nível regional e tinham o direito de ocupar uma posição no ibandla, uma espécie de conselho consultivo nacional. Indunas temíveis como Mdlaka, um forte líder e capitão da última expedição ao norte enquanto Shaka foi morto, e a presença de vários guerreiros idosos e experientes como Mnyamana e Tshingwayo, que sobreviveram a Shaka e acompanharam o vitorioso Isandlwana impi (Tshingwayo compartilhando o comando parcial) também sugere mais do que apenas o gênio único de Shaka no trabalho de moldar o temível hospedeiro. No entanto, a visão padrão considera que Shaka inicia as mudanças mais importantes. Além disso, os problemas práticos do comando militar ao longo dos séculos sem dúvida desempenharam um papel na organização da máquina de combate Zulu.

A concepção de guerra de Shaka estava longe de ser ritualística. Ele tentou levar a luta a uma decisão rápida e sangrenta, em oposição a duelos com um único campeão, ataques esparsos ou escaramuças leves onde as baixas eram comparativamente raras. Enquanto seu mentor e suserano Dingiswayo vivia, os métodos de Shakan não eram tão extremos, mas a remoção desse controle deu ao chefe Zulu um alcance muito mais amplo. Foi sob seu reinado que surgiu um modo muito mais rigoroso de guerra tribal. Uma abordagem tão brutal exigia mudanças nas armas, na organização e nas táticas.

Armas

Shaka é creditado por apresentar uma nova variante da arma tradicional, descartando a arma longa e esguia e instituindo uma lança pesada e cortante. Ele também disse ter introduzido um escudo de couro maior e mais pesado, e treinou suas forças para se aproximarem do inimigo em um combate corpo a corpo mais eficaz. A lança de arremesso não foi descartada, mas sim padronizada como instrumento de esfaqueamento e carregada como arma de projétil, normalmente disparada para o inimigo, antes do contato próximo. Nenhuma dessas mudanças de armas é muito importante no contexto local, mas, junto com a mobilidade agressiva e a organização tática, elas teriam um impacto devastador.

Logística

O hospedeiro em movimento rápido, como todas as formações militares, precisava de suprimentos. Eles eram fornecidos por crianças pequenas, que estavam ligadas a uma força e carregavam rações, panelas, esteiras de dormir, armas adicionais e outros suprimentos. Às vezes, o gado era conduzido no casco como uma despensa móvel. Novamente, esses arranjos no contexto local provavelmente não eram incomuns. O diferente foi a sistematização e a organização, padrão que trouxe grandes benefícios quando os zulus foram enviados em missões militares.

O sistema de regimes por graus de idade

Grupos etários de vários tipos eram comuns na cultura tribal bantu da época e, de fato, continuam a ser importantes em grande parte da África. As classes de idade eram responsáveis ​​por uma variedade de atividades, desde a guarda do acampamento até o pastoreio do gado e certos rituais e cerimônias. Na cultura Zulu, era costume que os rapazes prestassem serviços limitados aos chefes locais até que se casassem e fossem reconhecidos como chefes oficiais de família. Shaka manipulou este sistema, transferindo o turno usual de dever dos líderes regionais do clã para ele mesmo, fortalecendo sua hegemonia pessoal. Esses grupos de idade não constituíam um exército permanente pago no sentido ocidental moderno, mas forneciam uma base estável para uma mobilização armada sustentada, muito mais do que recrutamentos tribais ad hoc ou partidos de guerra.
Na verdade, Shaka organizou as várias classes de idade em regimentos e os aquartelou em kraals militares especiais, com cada regimento tendo seus próprios nomes e insígnias distintos. Alguns historiadores argumentam que o grande estabelecimento militar foi um dreno na economia zulu e exigiu contínuas incursões e expansão. Isso pode ser verdade, visto que um grande número de homens na sociedade estava isolado de ocupações normais, mas qualquer que fosse o impacto dos recursos, o sistema regimental claramente dependia de elementos culturais tribais existentes que podiam ser adaptados e configurados para se adequar. em uma agenda expansionista.

Mobilidade e treinamento

Shaka tirou as sandálias para que seus guerreiros pudessem correr mais rápido. Foi um movimento inicial impopular, mas aqueles que se opuseram foram simplesmente mortos, uma prática que rapidamente focou as mentes do pessoal disponível. Shaka treinava suas tropas com frequência, implementando marchas forçadas que cobriam mais de 80 quilômetros por dia. Ele também instruiu as tropas a executarem táticas de cerco. Essa mobilidade deu ao zulu um impacto significativo em sua região local e além. A manutenção e o treinamento do sistema regimental parecem ter continuado após a morte de Shaka, embora as derrotas do Zulu nas mãos dos bôeres e a invasão crescente pelos colonialistas britânicos tenham reduzido drasticamente as operações de invasão antes da guerra de 1879. Morris registra uma dessas missões sob Mpande para dar guerreiros verdes. da experiência do regimento UThulwana, um ataque à Suazilândia, apelidado de “Fundo ‘uThulwana” pelo zulu, ou “Ensine uThulwana”. Pode ter sido uma coisa boa, pois alguns anos depois o uThulwana deixou sua marca como um dos principais regimentos que ajudaram a liquidar o acampamento britânico em Isandlwana.

Tática

Os zulus normalmente tomavam a ofensiva, desdobrando-se na conhecida formação de “chifre de búfalo”. Era composto de três elementos:

  1. Os “chifres” ou elementos de flanco da ala direita e esquerda para cercar e segurar o inimigo. Normalmente, os “chifres” eram formados por tropas mais jovens e ecologicamente corretas.
  2. O “tórax” ou força principal central que deu o golpe de misericórdia. Os primeiros combatentes formaram a composição da força principal.
  3. Os “lombos” ou reservas usado para explorar o sucesso ou reforçar em outro lugar. Freqüentemente, eram veteranos mais velhos. Às vezes, eles eram colocados de costas para a batalha para não ficarem excessivamente excitados.

Desenvolvimento de táticas de cerco

As táticas de cerco não são novidade na guerra tribal, e os historiadores observam que as tentativas de cercar um inimigo não eram inéditas, mesmo em batalhas ritualizadas. O uso de elementos de manobra separados para apoiar um grupo central mais forte também é bem conhecido na guerra tribal pré-mecanizada, assim como o uso de escalões de reserva mais para trás. O que era único nos zulus era o grau de organização, consistência como eles usaram essas táticas e a velocidade com que foram executadas. Os desenvolvimentos e refinamentos podem ter ocorrido após a morte de Shaka, como evidenciado pelo uso de grupos maiores de regimentos pelos Zulus contra os britânicos em 1879. Missões, mão de obra disponível e inimigos variados, mas quer estivessem enfrentando uma lança nativa ou uma bala europeia, o impis geralmente revidou e aderiu ao padrão “clássico” do chifre de búfalo.

Controle do movimento das tropas

El control debe haber sido complicado una vez que las tres puntas se desataron en una batalla de cerco, sin embargo, algunos indunas del regimiento (jefes o líderes) proporcionaron cierta coordinación que usaron señales con las manos y mensajeros. El sistema era simple y bien comprendido por la mayoría de los zulúes. En Isandlwana, la principal fuerza de ataque zulú de entre 14.000 y 20.000 hombres, escondida con notable disciplina en un barranco, surgió como una sola cuando fueron descubiertos por un grupo de exploradores británico y comenzaron su ataque “cuerno de búfalo” sin esperar a sus generales. deliberar.

Es extremadamente dudoso que las tácticas y la organización zulúes le deban algo a las tropas europeas que perforan a cientos de millas de distancia en el Cabo. Los zulúes simplemente tenían que sistematizar y extender las prácticas tribales conocidas en las que las tácticas de cerco apenas eran desconocidas. El hecho de que las fuerzas de “reserva” o “lomos” existieran o de que a veces estuvieran colocadas de espaldas a la batalla sugiere orígenes enraizados en guerras tribales rituales conocidas anteriormente, así como problemas prácticos de mando y control.

Problemas similares de movimiento de tropas provocan soluciones similares a lo largo de los siglos. La importancia universal del liderazgo de unidad es bien conocida (ver más abajo), pero en las primeras legiones romanas, por ejemplo, la última línea de lanceros, los triarii, a veces se ponía en cuclillas o arrodillarse, desalentando efectivamente el movimiento prematuro hacia el frente. Y de manera similar a la práctica zulú, los triarii, la última línea de luchadores, eran a menudo veteranos de mayor edad, cuya presencia en la retaguardia tenía un efecto estabilizador en las manos más verdes.

Organización y liderazgo de las fuerzas zulúes

Regimientos y Cuerpos

Las fuerzas zulúes generalmente se agrupaban en 3 niveles: regimientos, cuerpos de varios regimientos y “ejércitos” o formaciones más grandes, aunque los zulúes no usaban estos términos en el sentido moderno. Aunque se tuvieron en cuenta las diferencias de tamaño, cualquier grupo de hombres en una misión podría llamarse colectivamente un impi, ya sea un grupo de asalto de 100 o una horda de 10,000. Los números no eran uniformes, sino que dependían de una variedad de factores, incluidas las asignaciones del rey o la mano de obra reunida por varios jefes de clanes o localidades. Un regimiento puede tener 400 o 4000 hombres. Estos se agruparon en Cuerpos que tomaron su nombre de los kraals militares donde estaban reunidos o, a veces, del regimiento dominante de esa localidad.

Mayor mando y liderazgo de unidad

El liderazgo no fue un asunto complicado. Un inDuna guiaba a cada regimiento, y él a su vez respondía a los inDunas superiores que controlaban el grupo de cuerpos. La guía general del anfitrión fue proporcionada por el anciano inDunas, generalmente con muchos años de experiencia. Uno o más de estos jefes mayores podían acompañar a una gran fuerza en una misión importante, pero no había un único “mariscal de campo” al mando supremo de todas las fuerzas zulúes.

Las dunas de regimiento, como los centuriones romanos, eran extremadamente importantes para la moral y la disciplina. Esto se demostró durante la batalla de Isandhlwana. Cubierto por una lluvia de balas, cohetes y artillería británicos, el avance de los zulúes flaqueó. Sin embargo, resonando desde la montaña, estaban las cadencias gritadas y las exhortaciones ardientes de su regimiento en Dunas, quienes recordaron a los guerreros que su rey no los envió a huir. Thus encouraged, the encircling regiments remained in place, maintaining continual pressure, until weakened British dispositions enabled the host to make a final surge forward.

Assessment of Zulu performance against the British

Strategy and tactics

Over 40,000 strong, well motivated and supremely confident, the Zulu were a formidable force on their own home ground, despite the almost total lack of modern weaponry. Their greatest assets were their morale, unit leadership, mobility and numbers. Tactically the Zulu acquitted themselves well in at least 3 encounters, Isandhlwana, Hlobane and the smaller Intombi action. Their stealthy approach march, camouflage and noise discipline at Isandhlwana, while not perfect, put them within excellent striking distance of their opponents, where they were able to exploit weaknesses in the camp layout. At Hlobane they caught a British column on the move rather than in the usual fortified position, partially cutting off its retreat and forcing it to withdraw.

Strategically (and perhaps understandably in their own traditional tribal context) they lacked any clear vision of fighting their most challenging war, aside from smashing the three British columns by the weight and speed of their regiments. Despite the Isandhlwana victory, tactically there were major problems as well. They rigidly and predictably applied their three-pronged “buffalo horns” attack, paradoxically their greatest strength, but also their greatest weakness when facing concentrated firepower. The Zulu failed to make use of their superior mobility by attacking the British rear area such as Natal or in interdicting vulnerable British supply lines. When they did, they achieved some success, such as the liquidation of a supply detachment at the Intombi River. A more expansive mobile strategy might have cut British communications and brought their lumbering advance to a halt, bottling up the redcoats in scattered strongpoints while the impis ran rampant between them. Just such a scenario developed with the No. 1 British column, which was penned up static and immobile in garrison for over two months at Eshowe.

The Zulu also allowed their opponents too much time to set up fortified strongpoints, assaulting well defended camps and positions with painful losses. A policy of attacking the redcoats while they were strung out on the move, or crossing difficult obstacles like rivers, might have yielded more satisfactory results. For example, four miles past the Ineyzane River, after the British had comfortably crossed, and after they had spent a day consolidating their advance, the Zulu finally launched a typical “buffalo horn” encirclement attack that was seen off with withering fire from not only rifles, but 7-pounder artillery and Gatling guns. In fairness, the Zulu commanders could not conjure regiments out of thin air at the optimum time and place. They too needed time to marshal, supply and position their forces, and sort out final assignments to the three-prongs of attack. Still, the Battle of Hlobane Mountain offers just a glimpse of an alternative mobile scenario, where the maneuvering Zulu “horns” cut off and drove back Buller’s column when it was dangerously strung out on the mountain.

Command and control

Command and control of the impis was problematic at times. Indeed, the Zulu attacks on the British strongpoints at Rorke’s Drift and at Kambula, (both bloody defeats) seemed to have been carried out by overly enthusiastic leaders and warriors despite contrary orders of the Zulu King, Cetshwayo. Popular film treatments show a grizzled Zulu supremo directing the host with elegant sweeps of the hand. This might have been so during the initial marshaling of forces at a jump off point, or the deployment of reserves, but once the great encircling sweep of frenzied warriors in the “horns” and “chest” was in motion, the inDunas must have found close coordination difficult.

Command of the field forces was also split at times, with one or more inDunas attempting to guide the host, while contending with the thrusting sub-chiefs of powerful and competitive regiments. This “dual command” arrangement of experienced men seemed to work well enough at Isandhlwana, although according to Morris, the commanders Tshingwayo and Mavumengwana argued with a freelancing regional clan-chief called Matyana who seemed to covet leadership of the field force himself, and indeed they appeared to have relocated the host in part, to be rid of his interference. The move it should be noted brought them closer to the British camp, saving the regiments from having to launch their attack from 10 miles out over flat plain.

Handling of reserve forces

Although the “loins” or reserves were on hand to theoretically correct or adjust an unfavorable situation, a shattered attack could make the reserves irrelevant. Against the Boers at Blood River, massed gunfire broke the back of the Zulu assault, and the Boers were later able to mount a cavalry sweep in counterattack that became a turkey shoot against fleeing Zulu remnants. Perhaps the Zulu threw everything forward and had little left. In similar manner, after exhausting themselves against British firepower at Kambula and Ulindi, few of the Zulu reserves were available to do anything constructive, although the tribal warriors still remained dangerous at the guerrilla level when scattered. At Isandhlwana however, the “classical” Zulu system struck gold, and after liquidating the British position, it was a relatively fresh reserve force that swept down on Rorke’s Drift.

Use of modern arms

The Zulu had greater numbers than their opponents, but greater numbers massed together simply presented yet more lucrative, easy shooting in the age of modern firearms and artillery. African tribes that fought in smaller guerrilla detachments typically held out against European invaders for a much longer time, as witnessed by the 7-year resistance of the Lobi against the French in West Africa, or the operations of the Berbers in Algeria against the French.

When the Zulu did acquire firearms, most notably captured stocks after the great victory at Isandhlwana, they lacked training and used them ineffectively, consistently firing high to give the bullets “strength.” Adaption to firearms was well within Zulu capabilities and knowledge. Southern Africa, including the areas near Natal was teeming with bands like the Griquas who had learned to use guns. Indeed one such group not only mastered the way of the gun, but became proficient horsemen as well, skills that helped build the Basotho tribe, in what is now the nation of Lesotho. In addition, numerous European renegades or adventurers (both Boer and non-Boer) skilled in firearms were known to the Zulu. Some had even led detachments for the Zulu kings on military missions.

The Zulu thus had clear scope and opportunity to master and adapt the new weaponry. They also had already experienced defeat against the Boers, by concentrated firearms. They had had at least 4 decades to adjust their tactics to this new threat. A well drilled corps of gunmen or grenadiers, or a battery of artillery operated by European mercenaries for example, might have provided much needed covering fire as the regiments maneuvered into position. No such adjustments were on hand when they faced the redcoats. Immensely proud of their system, and failing to learn from their earlier defeats, they persisted in “human wave” attacks against well defended European positions where massed firepower decimated their ranks. The ministrations of Zulu witchdoctors, or the bravery of individual regiments were ultimately of little use against the volleys of modern rifles, Gatling guns and artillery at the Ineyzane River, Rorke’s Drift, Kambula, Gingingdlovu, and finally Ulindi.

A tough challenge

Undoubtedly, Cetshwayo and his war leaders faced a tough and extremely daunting task—overcoming the challenge of concentrated rifled, machine gun (Gatling gun), and artillery fire on the battlefield. It was one that taxed even European military leaders, as the carnage of the American Civil War and the later Boer War attests. It would be unrealistic to look for modern sophistication from the largely illiterate spearmen against a major world power. Nevertheless, Shaka’s successors could argue that within the context of their experience and knowledge, they had done the best they could, following his classical template, which had advanced the Zulu from a small, obscure tribe to a respectable regional power. It had served them well in the past, and they saw no need to make significant adjustments. Faithful to their master even in death, the Zulu spearmen fought the only way they knew, as he had taught them, securing one of the most impressive victories by native forces in the colonial period. It was to bring them worldwide fame and notoriety, but their moment of glory was to be relatively brief. Even as the victorious regiments departed from the shadow of Isandhlwana’s great rock, the sun was already setting on their empire.

Referências

  • Brookes, Edgar H., and Colin de Webb. A History of Natal. Pietermaritzburg: University of Natal Press, 1987. ISBN 9780869805794.
  • Laband, John, and P. S. Thompson. The Illustrated Guide to the Anglo-Zulu War. Pietermaritzburg: University of Natal Press, 2000. ISBN 9780869809730.
  • Moodie, D.C.F. Zulu 1879: The Anglo Zulu War of 1879 from Contemporary Sources: First Hand Accounts, Interviews, Dispatches, Official Documents and Newspaper Reports. Driffield, UK: Leonaur ltd, 2006. ISBN 9781846770517.
  • Rattray, David, and Martin Everett. A Soldier-artist in Zululand: William Whitelocke Lloyd and the Anglo-Zulu War of 1879. Rorke’s Drift: Rattray Publications, 2007.

Otras lecturas

  • Edgerton, Robert. Like Lions They Fought. New York: Free Press, 1988. ISBN 9780029089101.
  • Knight, Ian. Anatomy of the Zulu Army.
  • MacMillian, Wiliam. Boer, Bantu and Briton. London: Greenhill Books, 1995. ISBN 9781853672132.
  • Morris, Donald. The Washing of The Spears. New York: Simon & Schuster, 1986. ISBN 9780671631086.
  • Mostert, Noel. Frontiers. New York: Knopf, 1992. ISBN 9780679401360.
  • Omer-Cooper, J.D. The Zulu Aftermath. Evanston, Northwestern University Press, 1966.
  • Snook, Lt Col Mike. How Can Man Die Better; The Secrets of Isandlwana Revealed. London: Greenhill Books, 2005. ISBN 9781853676567.
  • Snook, Lt Col Mike. Like Wolves on the Fold; The Defence of Rorke’s Drift. London: Greenhill, 2006. ISBN 9781853676598.

links externos

All links retrieved November 18, 2016.

Créditos

New World Encyclopedia escritores e editores reescreveram e completaram o Wikipedia article
de acordo com New World Encyclopedia Regras. Este artigo é regido pelos termos da licença Creative Commons CC-by-sa 3.0 (CC-by-sa), que pode ser usada e divulgada com a devida atribuição. O crédito é devido nos termos desta licença, que pode referir-se a ambos New World Encyclopedia colaboradores e colaboradores voluntários altruístas da Fundação Wikimedia. Para citar este artigo, clique aqui para obter uma lista de formatos de citação aceitáveis. Os pesquisadores podem acessar a história das contribuições wikipedistas anteriores aqui:

O histórico deste item desde que foi importado para New World Encyclopedia:

Nota: Algumas restrições podem ser aplicadas ao uso de imagens individuais que são licenciadas separadamente.



Traduzido de Enciclopédia do Novo Mundo/a>

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo