História

Dinastia Arsacid da Armênia – Enciclopédia do Novo Mundo


Reino da Armênia sob a dinastia Arshakuni, 150

a Dinastia arsacida (Dinastia Arshakuni) governou o Reino da Armênia de 54 a 428. Anteriormente um ramo dos arsácidas partas, eles se tornaram uma dinastia distintamente armênia.[1] Os reis arsácidas reinaram intermitentemente durante os anos caóticos que se seguiram à queda da dinastia Artaxiad até 62, quando Tirídates I da Armênia garantiu o governo dos arsácidas na Armênia. Uma linhagem independente de reis foi estabelecida por Vologases II da Armênia (Valarses / Vagharshak) em 180. Dois dos eventos mais notáveis ​​sob o governo de Arsacid na história armênia foram a conversão da Armênia ao cristianismo por São Gregório, o Iluminador em 301, e a criação do alfabeto armênio por Mesrop Mashtots em 405.

Quando Tiridates III se converteu ao Cristianismo em Tiridates III em 301, a Armênia adotou o Cristianismo como sua religião oficial, o primeiro estado na história a fazê-lo.[2] O Império Romano não adotou o Cristianismo até 380, embora tenha sido legalizado em 313.[3] Por quase quatro séculos, os arsácidas mantiveram cuidadosamente a independência da Armênia de seus vizinhos mais poderosos. Ao fundar a Igreja Apostólica Armênia, a Igreja independente mais antiga do mundo, os arsácidas forneceram aos armênios, que muitas vezes foram governados por impérios maiores, um passado do qual eles podiam se orgulhar e uma herança cultural que lhes deu um senso de identidade onde quer que vivessem. no mundo. Essa herança também simboliza o desejo de ser autônomo e livre, não de dominar os outros.

Arsácidos precoces

A primeira aparição de um arsácida no trono armênio ocorreu em 12 CE., quando o rei parta Vonones I foi exilado da Pártia devido às suas políticas pró-romanas e modos ocidentais.[4] Vonones I adquiriu brevemente o trono armênio com o consentimento dos romanos, mas Artabano II exigiu sua deposição e, como Augusto não queria iniciar uma guerra com os partos, depôs Vonones I e o enviou para a Síria. Sem perder tempo, Artabano instalou seu filho Orodes no trono armênio. Tibério não tinha intenção de abrir mão dos estados-tampão da fronteira oriental e mandou para o Oriente seu sobrinho e herdeiro Germânico, que celebrou um tratado com Artabano, no qual foi reconhecido como rei e amigo dos romanos.

A Armênia foi dada em 18 a Zeno, filho de Polemon I de Ponto, que assumiu o nome armênio de Artaxias.[5] Os partos sob Artabano estavam muito distraídos por brigas internas para se opor ao rei nomeado pelos romanos. O reinado de Zenão foi notavelmente pacífico na história armênia. Depois que Zenão morreu em 34, Artabano decidiu reintegrar um arsácida ao trono armênio, escolhendo seu filho mais velho, Ársaces, como candidato adequado. O trono foi disputado pelo filho mais novo de Artabano, Orodes. Tibério rapidamente concentrou mais forças na fronteira romana e, mais uma vez, após uma década de paz, a Armênia por vinte e cinco anos se tornaria o cenário de uma guerra feroz entre as duas maiores potências do mundo conhecido. Tibério enviou um ibérico chamado Mitrídates, que afirmava ser de sangue arsácida. Mitrídates recapturou a Armênia e depôs Ársaces, causando muita devastação no país. Surpreendentemente, Mitrídates foi convocado de volta a Roma, onde foi mantido prisioneiro, e a Armênia foi devolvida a Artabano, que entregou o trono a seu filho mais novo, Orodes. Outra guerra civil estourou na Pártia após a morte de Artabano. Mitrídates foi devolvido ao trono armênio, com a ajuda de seu irmão, Farasmanes I da Península Ibérica, e das tropas romanas. A guerra civil continuou na Pártia por vários anos e Gotarzes finalmente assumiu o trono em 45. Em 51, o sobrinho de Mitrídates, Radamistus, invadiu a Armênia e matou seu tio. O governador da Capadócia, Júlio Pailino, decidiu conquistar a Armênia, mas se contentou em coroar Radamisto, que o recompensou generosamente. O atual rei parta Vologeses I, viu uma oportunidade, invadiu a Armênia e conseguiu forçar os ibéricos a recuar. O inverno rigoroso que se seguiu foi demais para os partos em retirada, deixando a porta aberta para que Radamistus recuperasse seu trono. De volta ao poder, o ibérico foi tão cruel que os armênios invadiram o palácio e forçaram Radamisto a deixar o país e Vologeses conseguiu colocar seu irmão Tirídates no trono.

Entre Roma e Pártia

Insatisfeito com a crescente influência dos partas em sua porta, o imperador romano Nero enviou o general Cneo Domicio Córbulo com um grande exército ao leste para restaurar os reis romanos. Tirídates escapou e um rei cliente romano foi reinstalado. O rei nomeado pelos romanos Tigranes VI invadiu o Reino de Adiabene em 61, que era vassalo dos partas. Vologeses considerou isso um ato de agressão de Roma e reiniciou uma campanha para devolver Tirídates ao trono armênio. Após a batalha de Rhandeia em 62. O comando das tropas romanas foi novamente confiado a Córbulo, que marchou para a Armênia e estabeleceu um acampamento em Rhandeia, onde fez um acordo de paz com Tirídates pelo qual Tirídates foi reconhecido como rei da Armênia, mas ele sendo um cliente de Roma. Tirídates concordou que iria a Roma para ser coroado por Nero. Tiridates governou a Armênia até sua morte ou deposição por volta de 100/110. Osroes I da Pártia invadiu a Armênia e colocou seu sobrinho Axidares, filho de Pacorus II, como rei da Armênia.

A Grande Armênia como parte do Império Romano (em vermelho), a Pequena Armênia (em azul).

Esta invasão da esfera de influência tradicional do Império Romano pôs fim à paz do tempo de Nero cerca de 50 anos antes e deu início a uma nova guerra com o imperador romano Trajano. Trajano marchou sobre a Armênia em outubro de 113 para devolver um rei cliente romano à Armênia. Em Atenas, os enviados de Osroes se reuniram com ele, informando-o de que Axidares havia sido deposto e pedindo que este último recebesse o trono ao irmão mais velho deste, Parthamasiris.[6] Trajano declinou e em agosto de 114, ele capturou Arsamosata onde Parthamasiris pediu para ser coroado, mas em vez de coroá-lo, ele anexou o reino ao Império Romano. Parthamasiris foi despedido e morreu misteriosamente pouco depois. Como uma província romana, a Armênia era administrada juntamente com a Capadócia por Catilius Severus da Claudia gens.

O Senado Romano emitiu moedas nesta ocasião com a seguinte inscrição: ARMENIA ET MESOPOTAMIA IN POTESTATEM P.R. REDACTAE, ‘ solidificando assim a posição da Armênia como a mais nova província romana. A rebelião de um pretendente Sanatruces Parthian foi reprimida, embora a resistência esporádica continuasse e Vologases III da Parthia conseguisse assegurar uma parte considerável da Armênia pouco antes da morte de Trajano em agosto de 117. No entanto, em 118, o novo imperador Adriano abandonou o As conquistas de Trajano, incluindo a Armênia, fizeram Parthamaspates rei da Armênia e Osroene, embora Vologases III ocupasse a maior parte do país. Finalmente, um acordo foi alcançado com os partas e os vologases partas foram colocados no comando da Armênia. Ele governou a Armênia até 140 CE. Vologases IV da Pártia enviou tropas para tomar a Armênia em 161 e erradicou as legiões romanas estacionadas ali sob o legato C. Severianus, encorajado pelo spahbod Osroes, as tropas partas marcharam mais a oeste na Síria Romana. Marco Aurélio imediatamente enviou Lúcio Vero para a frente oriental. Em 163, Vero enviou o general Statius Priscus, que foi recentemente transferido da Grã-Bretanha com várias legiões de Antioquia para a Armênia. O exército de Vologases se rendeu em Artaxata e Prisco instalou um fantoche romano, Sohaemus (um senador romano e cônsul de ascendência arsácida e emessana) no trono armênio, depondo um certo Pacorus instalado por Vologases III.

Moeda emitida para comemorar a vitória de Lucius Verus Armênia contra Vologases IV da Pártia na guerra pela Armênia.

Como resultado de uma epidemia dentro das forças romanas, os partos recuperaram a maior parte de seu território perdido em 166 e forçaram Sohaemus a recuar para a Síria. Após a intervenção de alguns governantes romanos e partas, filho de Vologases I da Armênia, Vologaes II assumiu o trono em 186 CE. Em 191, ele assumiu o trono parta e nomeou seu filho Khosrov I para o trono armênio. Khosrov foi posteriormente capturado pelos romanos, que instalaram um dos seus para assumir o controle da Armênia. No entanto, os próprios armênios se rebelaram contra seus senhores romanos e, em um novo acordo Roma-Parta, o filho de Khosrov, Trdat II (217-252 CE.), foi nomeado rei da Armênia.[7]

Sassânidas e Armênia

Em 224 CE., Ardashir derrubou os arsácidas da Pártia e deu início à nova dinastia persa sassânida. Os sassânidas estavam determinados a restaurar a antiga glória da Pérsia aquemênida, fazendo do zoroastrismo a religião do estado e reivindicando a Armênia como parte do império. Para preservar a autonomia do governo Arshakuni na Armênia, Trdat II buscou relações amigáveis ​​com Roma. Esta foi uma decisão infeliz, porque o rei sassânida Sapor I derrotou os romanos e chegou à paz com o imperador Filipe, então Roma concordou em pagar tributo e abdicar do controle da Grande Armênia. Em 252 CE. Shapur invadiu a Armênia e, forçando Trdat a fugir, instalou seu próprio filho Hurmazd no trono armênio. Quando Shapur morreu em 270 CE.Hurmazd assumiu o trono persa e seu irmão Narseh governou a Armênia em seu lugar. Sob Diocleciano, Roma tentou instalar Khosrov II como governante da Armênia, e entre 279 e 287 CE. estava na posse das partes ocidentais do território armênio. Mas os sassânidas incitaram alguns nobres a se rebelarem, matando Khosrov no processo. Quando Narseh partiu para assumir o trono persa em 293 CE., O assassino de Khosrov foi instalado no trono armênio. Roma, no entanto, derrotou Narseh em 298. CE., e Trdat III, filho de Khosrov, recuperou o controle da Armênia com o apoio dos soldados romanos.

Cristianização

Batismo de Tiridates III da Armênia.

Em 301, São Gregório, o Iluminador, converteu o rei Tirídates III e membros de sua corte. [8] Antes de sua conversão, Tirídates perseguiu os cristãos.[2] A diferença de opinião sobre a data de Tirídates – 302 segundo a tradição armênia, 313 (ano da conversão de Constantino I – segundo outras fontes pode ser explicada pelo desejo de descrever a conversão de Tirídates como “independente daquela de .. Constantino “porque isso” tornaria o cristianismo menos suspeito “para seus poderosos vizinhos persas.[9] Gregório foi nomeado o primeiro católico ou patriarca do que se tornou a Igreja Apostólica Armênia ou Ortodoxa. Anteriormente, ele havia sido preso por 13 anos.

O alfabeto armênio foi criado por São Mesrop Mashtots em 406 com o propósito de traduzir a Bíblia, e a cristianização também marca o início da literatura armênia.
Segundo Moisés de Chorene, Isaac da Armênia fez uma tradução do Evangelho do texto siríaco por volta de 411. Essa obra deve ter sido considerada imperfeita, pois logo depois João de Egheghiatz e José de Bagin foram enviados a Edessa para traduzir as Escrituras. Eles viajaram para Constantinopla e trouxeram consigo cópias autênticas do texto grego. Com a ajuda de outras cópias obtidas em Alexandria, a Bíblia foi traduzida novamente do grego de acordo com o texto da Septuaginta e de Orígenes. Hexapla. Esta versão, agora em uso na Igreja Armênia, foi concluída por volta de 434.[10]

Diminuir

Em 337, durante o reinado de Khosrov III, o Pequeno, Shapur II invadiu a Armênia. Durante as décadas seguintes, a Armênia voltou a ser território disputado entre Roma Oriental e o Império Sassânida, até que um assentamento permanente foi estabelecido em 387, que permaneceu no local até a conquista árabe da Armênia em 639. Os governantes arsácidas mantiveram o controle intermitentemente, como governadores (marzban) sob protetorado bizantino ou persa, até 428.

Legado

Herzig e Kurkchiyan afirmam que a importância da dinastia arsácida “para a sociedade armênia não pode ser subestimada”.[11] Imprensada entre os impérios romano e persa rivais, os Arcadis tinham que “maximizar sua própria vantagem equilibrando-se” entre esses vizinhos mais poderosos.[12] Na maior parte do tempo, eles conseguiram. Em geral, os arsácidas queriam manter sua independência, não conquistar as terras de outras pessoas. A literatura armênia dos séculos 15 e 16 caracteristicamente representou a paz e a liberdade como a esperança e o sonho de todo o povo armênio.[13] Após sua queda, a Armênia entrou em um longo período sob o domínio de entidades imperiais maiores, começando com o Império Sassânida e, em seguida, sob o Califado do Islã em 636. CE. até 884. Então, sob a dinastia Bagratuni (“vassalos hereditários dos Arsácidas”),[14] A Armênia tornou-se independente novamente até ser conquistada pelo Império Bizantino em 1045. Em 1071, os turcos seljúcidas acrescentaram a Armênia ao Império. Em 1500, o Império Otomano e o Império Safávida dividiram a Armênia entre eles. No século 19, a Rússia adquiriu o leste da Armênia. Tornou-se um Estado-nação soberano e independente em 1991, após o colapso da União Soviética.

A Igreja Armênia estabelecida sob os arsácidos continua a ser a Igreja independente mais antiga do mundo. A cultura armênia tornou-se tão entrelaçada com a forma armênia de cristianismo que, apesar de uma grande diáspora (cerca de 8 milhões de armênios vivem fora do estado moderno de Armena, que tem uma população de cerca de 3 milhões) e séculos sob o domínio imperial, Os armênios mantiveram um forte senso de identidade. A Igreja “continua importante para a identidade armênia por várias razões”, escrevem Herzig e Kurkchiyan; Ele “fornece um vínculo com o passado antigo”, “preserva a linguagem clássica” e liga politicamente os armênios à Europa “por meio de um cristianismo compartilhado”, enquanto conecta “pessoas de toda a diáspora”.[15] Sob o domínio otomano, eles foram reconhecidos como painço, liderados pelo Patriarca Armênio de Constantinopla. Isso ajudou os armênios a preservar sua cultura e costumes. À medida que o nacionalismo armênio ganhou força no século 19, até mesmo os secularistas mais fervorosos entre os líderes do movimento reconheceram o papel desempenhado pela Igreja na preservação da consciência étnica.[16]

O legado da dinastia Arsacida vive em um povo que olha com orgulho para um período de quatrocentos anos de sua história e em uma Igreja que ainda atrai a lealdade de 94 por cento da população da Armênia. Dois terços dos membros da Assembleia da Igreja são leigos, incluindo representantes da Diáspora.[17]

Notas

  1. Olson, Pappas e Pappas (1994), 42.
  2. 2.02,1 História armênia, A Armênia se torna a primeira nação cristã. Recuperado em 19 de outubro de 2008.
  3. Potter (2004), 445.
  4. Josephus, Antiguidades judaicas, 18,4, Centro Wesley de Teologia Aplicada. Recuperado em 19 de outubro de 2008.
  5. Tácito, Anais, 2,43, 2,56, MIT, traduzido por Alfred John Church e William Jackson Brodribb. Recuperado em 19 de outubro de 2008.
  6. Birlery (1976), p. 48
  7. Hovannisian (1997), p. 71
  8. Grolier Incorporated, Enciclopédia Acadêmica Americana (Danbury, CT: Grolier, 1991, ISBN 9780717220342), 172.
  9. Redgate (1998), 147.
  10. William Smith e Henry Wace, Um dicionário de biografia, literatura, seitas e doutrinas cristãs, que é uma continuação do “dicionário da Bíblia” (Londres, UK: J. Murray, 1880), 692.
  11. Herzig e Kurkchiyan (2005), 33.
  12. Herzig e Kurkchiyan (20050, 41.
  13. Hacikyan (2002), 645.
  14. Herzig e Kurkchiyan (2005), 33.
  15. Herzig e Kurkchiyan (2005), 142.
  16. Vigen Guroian, Religião armênia e identidade nacional: antigo e novo nacionalismo, Newberg, OR: George Fox University. Acessado em 19 de outubro de 2008.
  17. Mundo e seus povos. Bahrain, Omã, Catar, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Iêmen. Península Arábica (Tarrytown, Nova York: Marshall Cavendish, 2007, ISBN 9780761475729), 773.

Referências

  • Birley, Anthony Richard. 1976. Vidas dos Césares posteriores: a primeira parte da história de Augusto: com as vidas de Nerva e Trajano recém compiladas. Harmondsworth, Reino Unido: Penguin Books. ISBN 9780140443080.
  • Hacikyan, Agop J. 2002. O legado da literatura armênia 2 Do século 6 ao 18. Detroit, MI: Wayne State University. Pressione. ISBN 9780814328156.
  • Herzig, Edmund e Marina Kurkchiyan. 2005. O passado e o presente dos armênios na construção da identidade nacional. Mundo do Cáucaso. Nova York, NY: RoutledgeCurzon. ISBN 9780203004937.
  • Hovannisian, Richard G. 1997. O povo armênio desde os tempos antigos até os tempos modernos. Da Antiguidade ao século XIV vol. 1, os períodos dinásticos. New York, NY: St. Martin’s Press. ISBN 9780312101695.
  • Olson, James Stuart, Lee Brigance Pappas e Nicholas Charles Pappas. 1994. Um dicionário etno-histórico dos impérios russo e soviético. Westport, CT: Greenwood Press. ISBN 9780313274978.
  • Potter, D.S. 2004. O Império Romano na Baía: 180-395 DC. Londres, Reino Unido: Routledge. ISBN 9780415100571.
  • Redgate, A.E. 1998. Os armênios. Oxford, Reino Unido: Blackwell Publishers. ISBN 9780631143727.

links externos

Todos os links foram recuperados em 15 de abril de 2016.

Créditos

New World Encyclopedia escritores e editores reescreveram e completaram o Wikipedia Artigo
de acordo com New World Encyclopedia Regras. Este artigo é regido pelos termos da licença Creative Commons CC-by-sa 3.0 (CC-by-sa), que pode ser usada e divulgada com a devida atribuição. O crédito é devido nos termos desta licença, que pode referir-se a ambos New World Encyclopedia colaboradores e colaboradores voluntários altruístas da Fundação Wikimedia. Para citar este artigo, clique aqui para obter uma lista de formatos de citação aceitáveis. Os pesquisadores podem acessar a história das contribuições wikipedistas anteriores aqui:

O histórico deste item desde que foi importado para New World Encyclopedia:

Nota: Algumas restrições podem ser aplicadas ao uso de imagens individuais que são licenciadas separadamente.



Traduzido de Enciclopédia do Novo Mundo/a>

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo