História

capitalismo – Enciclopédia do Novo Mundo


Parte da série Política em

Anarquismo

Anarchy-symbol.svg

Portal do Anarquismo
Portal de políticas

Parte de uma série sobre
Libertarianismo

Escolas de pensamento

Agorismo
Anarco-capitalismo
Geolibertarianismo
Libertarianismo verde
Libertarianismo de direita
Libertarianismo de Esquerda
Minarquismo
Neolibertarianismo
Paleolibertarianismo
Libertarianismo progressivo

origens

Escola austríaca
Escola de Chicago
Liberalismo clássico
Anarquismo individualista

Ideias

Liberdades civis
Corte de impostos
Mercado livre
Comércio livre
Humanismo
Laissez-faire
Liberdade
Individualismo
Sem agressão
Propriedade privada
Autopropriedade

Tópicos

Visões econômicas
História
Movimento
Partidos
Teorias da Lei
Opiniões de direitos
Crítica ao libertarianismo
Republicano libertário
Libertário Democrata

Portal: Política Portal de Políticas
Esta caixa:

Anarco-capitalismo ou anarquismo de mercado livre[1] (uma forma de anarquismo individualista)[2] é uma filosofia política anti-estado que tenta reconciliar o anarquismo com o capitalismo. Defensores da eliminação do estado; a prestação de serviços de aplicação da lei, tribunais, defesa nacional e todos os outros serviços de segurança por concorrentes financiados voluntariamente em um mercado livre em vez de impostos obrigatórios; a total desregulamentação das atividades pessoais e econômicas não intrusivas; e um mercado autorregulado. Os anarcocapitalistas defendem uma sociedade baseada no comércio voluntário de propriedade privada (incluindo dinheiro, bens de consumo, terra e bens de capital) e serviços para maximizar a liberdade e prosperidade individuais, mas também reconhecem a caridade e os arranjos comunitários como parte da mesma. ética voluntária.[3] Embora os anarco-capitalistas sejam conhecidos por afirmar o direito à propriedade privada (individualizada / não pública), a propriedade comum não-estatal também pode existir em uma sociedade anarco-capitalista.[4] O importante é que seja adquirido e transferido sem ajuda ou impedimento do estado obrigatório. O anarco-capitalismo é uma visão utópica enraizada no capitalismo, mas para ser realizada, requer que tanto os seres humanos quanto as instituições renunciem à força e à compulsão. Partindo do conceito de liberdade individual, não atribui ao Estado qualquer outro papel além de fazer cumprir os interesses dos cidadãos individuais. Deste ponto de vista, o Estado não deveria ser nada mais do que uma coleção de desejos privados, sem um interesse público superior.

Definição

Os libertários anarcocapitalistas acreditam que a única maneira justa de adquirir propriedade é por meio do comércio voluntário, doação ou apropriação original baseada no trabalho, em vez de agressão ou fraude. Murray Rothbard cunhou o termo anarco-capitalismo para distingui-lo do anarquismo que se opõe à propriedade privada.[5]

Os anarco-capitalistas veem o capitalismo de livre mercado como a base de uma sociedade livre. Rothbard definiu o capitalismo de mercado livre como uma “troca voluntária pacífica”, em contraste com o “capitalismo de estado”, que ele definiu como uma parceria colusória entre empresas e governo que usa a coerção para subverter o mercado livre.[6] “Capitalismo”, como os anarco-capitalistas usam o termo, não deve ser confundido com capitalismo monopolista de estado, capitalismo de camaradagem, corporativismo ou economias mistas contemporâneas, nas quais os incentivos e desincentivos naturais do mercado são influenciados pela intervenção do Estado.[7] Eles rejeitam o estado, com base na crença de que os estados são entidades agressivas que roubam propriedade (por meio de impostos e desapropriações), iniciam a agressão, são um monopólio obrigatório no uso de força defensiva e / ou punitiva, usam seus poderes coercitivos para beneficie alguns negócios e indivíduos às custas de outros, crie monopólios, restrinja o comércio e restrinja as liberdades pessoais por meio de leis sobre drogas, educação obrigatória, recrutamento, alimentos e leis morais e assim por diante. A adoção irrestrita do capitalismo leva a uma tensão considerável entre anarco-capitalistas e muitos anarquistas sociais que tendem a desconfiar do mercado e acreditam que o capitalismo de livre mercado é inerentemente autoritário, portanto incompatível com os ideais anarquistas.

Variantes

Vários teóricos têm filosofias diferentes, embora semelhantes, que são consideradas incluídas no “anarco-capitalismo”. A versão mais antiga conhecida do anarco-capitalismo foi formulada pelo economista da Escola Austríaca e libertário Murray Rothbard em meados do século 20, sintetizando elementos da Escola Austríaca de Economia, liberalismo clássico e anarquistas individualistas americanos do século 19 Lysander Spooner e Benjamin Tucker. (rejeitando sua teoria do valor do trabalho e as implicações normativas que derivam dela).[8] No anarco-capitalismo de Rothbard, haveria primeiro a implementação de um “código legal libertário mutuamente aceito que seria geralmente aceito e que os tribunais se comprometeriam a segui-lo”.[9] Este código legal reconheceria a soberania do indivíduo e o princípio da não agressão. No entanto, no anarco-capitalismo de David D. Friedman, “os sistemas de direito serão produzidos para o lucro no mercado aberto”,[10] que ele acredita que levaria a uma sociedade geralmente libertária, se não absoluta. Rothbard baseia sua filosofia na lei natural absolutista, mas também dá explicações econômicas de por que ele pensa que o anarco-capitalismo é preferível em bases pragmáticas. Friedman diz que não é um teórico absolutista dos direitos, mas também não é “um utilitarista”, mas acredita que “argumentos utilitaristas costumam ser a melhor maneira de defender as visões libertárias”.[11] Hans-Hermann Hoppe, por sua vez, usa a “ética da argumentação” para fundamentar o “anarquismo da propriedade privada”,[12] que está mais perto da abordagem da lei natural de Rothbard.

Filosofia

O axioma da não agressão

“Eu defino uma sociedade anarquista como aquela em que não há possibilidade legal de agressão coercitiva contra a pessoa ou propriedade de qualquer indivíduo. Os anarquistas se opõem ao Estado porque ele tem seu próprio ser nessa agressão, ou seja, a expropriação de propriedade privado por meio de impostos, a exclusão coercitiva de outros prestadores de serviços de defesa de seu território, e todas as outras depredações e coerções que se baseiam nesses focos gêmeos de invasões de direitos individuais. ” Murray Rothbard em Sociedade e Estado.

O fim anarco-capitalismo Provavelmente foi cunhado em meados da década de 1950 pelo economista Murray Rothbard.[13] Outros termos que às vezes são usados ​​para esta filosofia, embora não necessariamente fora dos círculos anarco-capitalistas, incluem:

  • capitalismo antiestado
  • mercado antiestado
  • anarco-liberalismo[14]
  • anarquismo capitalista
  • anarquismo de mercado
  • anarquismo de mercado livre
  • anarquismo individualista[15]
  • ordem natural[16]
  • anarquia ordenada[16]
  • lei policêntrica
  • a sociedade de direito privado[16]
  • anarquia de propriedade privada[16]
  • capitalismo puro
  • capitalismo radical[16]
  • capitalismo apátrida
  • sociedade sem estado
  • liberalismo apátrida

O anarco-capitalismo, conforme formulado por Rothbard e outros, se apega firmemente ao libertário central axioma de não agressão:

[…] O axioma básico da teoria política libertária sustenta que todo homem é dono de si mesmo, que tem jurisdição absoluta sobre seu próprio corpo. Com efeito, isso significa que ninguém mais pode invadir ou atacar outra pessoa com justiça. Disso segue-se então que cada pessoa possui justamente os recursos que antes não possuía, dos quais se apropria ou “mescla seu trabalho”. Desses axiomas gêmeos – propriedade própria e “posse” – deriva a justificativa para todo o sistema de títulos de direitos de propriedade em uma sociedade de mercado livre. Este sistema estabelece o direito de cada homem à sua pessoa, o direito de doação, de legado (e, concomitantemente, o direito de receber o legado ou herança), e o direito de troca contratual de títulos de propriedade.[17]

A defesa de Rothbard do princípio da autopropriedade decorre do que ele acreditava ser sua falsificação de todas as outras alternativas, isto é, que um grupo de pessoas pode possuir outro grupo de pessoas, ou a outra alternativa, que nenhuma pessoa ele tem total propriedade sobre os seus. mim. Rothbard rejeita esses dois casos com o fundamento de que eles não podem resultar em uma ética universal, isto é, uma lei natural justa que pode governar todas as pessoas, independentemente do lugar e do tempo. A única alternativa que Rothbard deixou é a autopropriedade, que ele acredita ser axiomática e universal.[18]

Em geral, o axioma de não agressão pode ser considerado uma proibição contra o início da força, ou a ameaça de força, contra pessoas (ou seja, violência direta, assalto, assassinato) ou propriedade (ou seja, fraude, roubo , roubo, impostos). .[19] O início da força é frequentemente referido como agressão ou coação. A diferença entre anarco-capitalistas e outros libertários é em grande parte um dos graus em que eles assumem esse axioma. Libertários minarquistas, como a maioria das pessoas envolvidas em partidos políticos libertários, manteriam o estado de uma forma menor e menos invasiva, mantendo pelo menos a polícia pública, os tribunais e os militares; outros, entretanto, poderiam conceder mais subsídios para outros programas governamentais. Em contraste, os anarco-capitalistas rejeitam qualquer nível de intervenção estatal, definindo o estado como um monopólio coercivo e, como a única entidade na sociedade humana que obtém sua renda da agressão legal, uma entidade que viola inerentemente o axioma central do libertarianismo.[18]

Alguns anarco-capitalistas, como Rothbard, aceitam o axioma da não agressão em uma base intrínseca da lei moral ou natural. É em termos do princípio da não agressão que Rothbard definiu o anarquismo; definiu “anarquismo como um sistema que não prevê qualquer sanção legal para tal agressão [‘against person and property’]”e ele disse que” o que o anarquismo pretende fazer, então, é abolir o Estado, isto é, abolir a instituição regularizada da coerção agressiva. “[20] Em uma entrevista com Novo Banner, Rothbard disse que “o capitalismo é a expressão mais completa do anarquismo, e o anarquismo é a expressão mais completa do capitalismo.”[21] Alternativamente, outros, como Friedman, adotam uma abordagem consequencialista ou egoísta; Em vez de considerar que a agressão é inerentemente imoral, eles sustentam que uma lei anti-agressão só pode surgir por contrato entre as partes interessadas que concordam em se abster de iniciar coerção uma contra a outra.

Propriedade

Propriedade privada

No anarco-capitalismo, os conceitos de autopropriedade e apropriação original são fundamentais:

Cada pessoa é dona do seu corpo físico, bem como de todos os lugares e bens dados pela natureza que ocupa e usa por meio do seu corpo, desde que ninguém mais tenha ocupado ou usado os mesmos lugares e bens. Antes dele. Esta propriedade dos lugares e bens “originalmente apropriados” por uma pessoa implica seu direito de usar e transformar esses lugares e bens da maneira que ela achar conveniente, desde que a integridade física dos lugares e bens originalmente apropriados não seja inadvertidamente alterada. por outra pessoa. Em particular, uma vez que um lugar ou bem foi apropriado pela primeira vez, na frase de John Locke, ‘misturar o trabalho de alguém’ com ele, a propriedade em tais lugares e bens só podem ser adquiridos por meio de uma transferência voluntária —Contratual— do título de sua propriedade. de um proprietário anterior para um posterior.[22]

O anarco-capitalismo usa os seguintes termos de maneiras que podem diferir do uso comum ou de vários movimentos anarquistas.

  • Anarquismo: qualquer filosofia que se oponha a todas as formas de coerção iniciática (inclui oposição ao estado)
  • Contrato: um acordo voluntário vinculativo entre as pessoas
  • Coerção: força física ou ameaça de tal contra pessoas ou propriedade
  • Capitalismo: Sistema econômico onde os meios de produção são de propriedade privada e onde os investimentos, produção, distribuição, renda e preços são determinados pela operação de um mercado livre e não pelo governo.
  • Mercado livre: um mercado onde todas as decisões relacionadas à transferência de dinheiro, bens (incluindo bens de capital) e serviços são voluntárias
  • Fraude: induzir alguém a se separar de algo de valor usando desonestidade
  • Estado: uma organização que tributa e se envolve em coerção agressiva regularizada e institucionalizada
  • Voluntário: qualquer ação não influenciada por coerção ou fraude perpetrada por qualquer agência humana

A raiz do anarco-capitalismo são os direitos de propriedade. Nisso ele difere das formas coletivistas de anarquismo, como o anarco-comunismo, no qual o produto do trabalho é coletivizado em um conjunto de bens e é distribuído “cada um de acordo com sua necessidade”. Defensor dos anarco-capitalistas Individual propriedade do produto de trabalho independentemente do que o indivíduo “precisa” ou não. Como Rothbard diz, “Se todo homem tem o direito de possuir seu próprio corpo e se ele deve usar e transformar objetos materiais naturais para sobreviver, então ele tem o direito de possuir o produto que fez.” Depois que a propriedade é criada por meio do trabalho, você só pode trocar de mãos legitimamente por meio de comércio ou doação; As transferências forçadas são consideradas ilegítimas. A apropriação original permite que um indivíduo reivindique qualquer propriedade “não utilizada”, incluindo terra, e, ao melhorá-la ou de outra forma usá-la, possuí-la com o mesmo “direito absoluto” que seu próprio corpo. De acordo com Rothbard, a propriedade só pode ser obtida por meio do trabalho, portanto, a apropriação original da terra não é legítima simplesmente reivindicando-a ou construindo uma cerca em volta dela; é só para usando a terra, misturando com ela o trabalho, legitima-se a apropriação originária. “Qualquer tentativa de reivindicar um novo recurso que alguém não usa deve ser considerada uma invasão dos direitos de propriedade de quem quer que seja o primeiro usuário.”[23] Na prática, os anarco-capitalistas reconhecem que existem poucas (se houver) parcelas de terra deixadas na Terra cuja propriedade não foi obtida em algum momento em violação do princípio da propriedade, através da apreensão pelo estado ou colocação nas mãos privado. com a ajuda do estado. Rothbard diz em Justiça e direito de propriedade que “qualquer proprietário identificável (a vítima original do furto ou seu herdeiro) deve receber sua propriedade.” No caso da escravidão, Rothbard diz que em muitos casos “as antigas plantações e os herdeiros e descendentes dos ex-escravos podem ser identificados, e os reparos podem ser muito específicos”. Ele acredita que os escravos possuem legitimamente qualquer terra em que foram forçados a trabalhar sob o “princípio da propriedade”. Se a propriedade está nas mãos do estado, Rothbard defende seu confisco e retorno ao setor privado: “qualquer propriedade nas mãos do estado está nas mãos de ladrões e deve ser liberada o mais rápido possível”. Por exemplo, propõe que as universidades estaduais sejam confiscadas por alunos e professores sob o princípio da herdade. Rothbard também apóia a expropriação de “propriedade privada” nominal se ela for resultado de força iniciada pelo estado, como empresas que recebem subvenções e subsídios. Ele propõe que as empresas que recebem pelo menos 50% de seus fundos do Estado sejam confiscadas pelos trabalhadores. Ele diz: “O que nós, libertários, nos opomos, então, não é o governo. per se mas crime; O que nos opomos são títulos de propriedade injustos ou criminosos; o que somos não é propriedade “privada” per se mas apenas, propriedade privada inocente e não criminosa. “Da mesma forma, Karl Hess diz,” o libertarianismo quer avançar começo de propriedade, mas de forma alguma quer defender, queira ou não, toda a propriedade que agora se chama privada…. Grande parte dessa propriedade é roubada. Muito tem um título duvidoso. Tudo está profundamente entrelaçado com um sistema de estado coercivo e imoral. “[24] Ao aceitar uma definição axiomática de propriedade privada e direitos de propriedade, os anarco-capitalistas negam a legitimidade de um estado por princípio:

“Porque, além de descartar como injustificadas todas as atividades como homicídio, homicídio, estupro, furto, roubo, furto, furto e fraude, a ética da propriedade privada também é incompatível com a existência de um Estado definido como órgão que possui uma monopólio territorial obrigatório de decisão em última instância (jurisdição) e / ou direito ao pagamento de impostos ”.[22]

Propriedade comum

Embora os anarco-capitalistas afirmem o direito à propriedade privada, alguns anarco-capitalistas também apontam que a propriedade comum pode existir por direito em um sistema anarco-capitalista. Assim como um indivíduo passa a possuir o que não possuía misturando seu trabalho com ele ou usando-o regularmente, muitas pessoas podem vir a possuir algo em comum misturando seu trabalho com ele coletivamente, o que significa que nenhum indivíduo pode se apropriar dele como próprio. . Isso pode se aplicar a estradas, parques, rios e partes dos oceanos.[25] O teórico anarco-capitalista Roderick Long dá o seguinte exemplo:

“Considere uma aldeia perto de um lago. É comum os moradores descerem ao lago para pescar. Nos primeiros dias da comunidade, é difícil chegar ao lago por causa de todos os arbustos e galhos caídos ao longo do caminho. Mas com o Com o tempo, o caminho fica limpo e um caminho é formado, não por meio de esforços coordenados, mas simplesmente como resultado de todos os indivíduos trilharem esse caminho dia após dia. O caminho claro é o produto do trabalho, não o trabalho de um único indivíduo, se não todos juntos. Se um aldeão decidisse tirar vantagem do caminho agora criado, colocando um portão e cobrando pedágios, ele estaria violando o direito de propriedade coletiva que os moradores juntos conquistaram. “[26]

No entanto, a propriedade coletiva tende a não carregar o mesmo nível de responsabilidade que a propriedade individual (o chamado problema comum, os anarco-capitalistas geralmente suspeitam e procuram evitar arranjos comunitários intencionais. Poluição do ar, água e poluição A terra, por exemplo, é vista como o resultado da coletivização da propriedade. Os governos centrais geralmente reprimem a censura individual ou coletiva dos poluidores para beneficiar a “maioria”. Muitos políticos justificam o subsídio legal e econômico da indústria pesada para a criação de empregos, por exemplo.

Os anarco-capitalistas tendem a concordar com os ambientalistas do livre mercado em relação às tendências ambientalmente destrutivas no estado e em outros arranjos comunitários. Privatização, descentralização e individualização são objetivos anarco-capitalistas. Mas, em alguns casos, eles não são apenas desafiadores, eles são considerados impossíveis. As rotas marítimas estabelecidas fornecem um exemplo de propriedade comum geralmente considerada difícil para a apropriação privada.

A sociedade contratual

Um selo postal comemorando o 1000º aniversário do Parlamento islandês. Segundo uma teoria associada ao economista David D. Friedman, a sociedade medieval islandesa apresentava algumas características do anarco-capitalismo. As sedes podem ser compradas e vendidas e não são monopólios geográficos; os indivíduos podiam escolher voluntariamente ser membros do clã de qualquer chefe.

A sociedade imaginada pelos anarco-capitalistas tem sido chamada de Sociedade Contratual– “… uma sociedade baseada puramente na ação voluntária, totalmente livre de violência ou ameaças de violência.”[23]—No qual os anarco-capitalistas afirmam que o sistema é baseado em acordos voluntários (contratos) entre indivíduos como uma estrutura legal. É difícil prever com precisão como serão os detalhes desta parceria devido aos detalhes e complexidades dos contratos.

Uma ramificação particular é que a transferência de propriedade e serviços deve ser considerada voluntária por parte de ambos partidos. Nenhuma entidade externa pode forçar um indivíduo a aceitar ou rejeitar uma transação específica. Um empregador pode oferecer seguro e benefícios por morte a casais do mesmo sexo; outro pode se recusar a reconhecer qualquer união fora de sua própria fé. As pessoas são livres para celebrar ou rejeitar acordos contratuais conforme considerarem adequado.

Uma estrutura social que não é permitida no anarco-capitalismo é aquela que tenta reivindicar maior soberania do que os indivíduos que a formam. O estado é um excelente exemplo, mas outro é a encarnação atual da corporação, que atualmente é definida como uma pessoa jurídica que existe sob um código legal diferente do das pessoas físicas como um meio de proteger os indivíduos que possuem e dirigem a empresa. de possíveis problemas jurídicos. consequências dos atos da corporação. É importante notar que Rothbard permite uma definição mais restrita de uma corporação: “Corporações não são privilégios de monopólio; são associações livres de indivíduos reunindo seu capital. No mercado puramente livre, esses homens simplesmente anunciariam seus credores. que sua responsabilidade é limitada ao capital especificamente investido na corporação … ”.[23] No entanto, esta é uma definição muito limitada que apenas protege os proprietários das dívidas dos credores que concordam especificamente com o acordo; Nem protege outra responsabilidade, como peculato ou outro crime.

Existem limites para o direito de contrair sob algumas interpretações do anarco-capitalismo. O próprio Rothbard afirma que o direito ao contrato é baseado em direitos humanos inalienáveis[18] e, portanto, qualquer contrato que viole implicitamente esses direitos pode ser anulado à vontade, o que impediria, por exemplo, uma pessoa de se vender permanentemente como escravo sem contrato. Outras interpretações concluem que proibir tais contratos seria por si só uma interferência invasiva inaceitável no direito de contratar.[27]

Incluído no direito de contrato está o direito de ser contratado para o emprego de terceiros. Ao contrário dos anarco-comunistas, os anarco-capitalistas apóiam a liberdade dos indivíduos de trabalhar por conta própria ou contratar para serem empregados de outros, o que preferirem, bem como a liberdade de pagar e receber salários. David Friedman expressou sua preferência por uma sociedade em que “quase todos são autônomos” e “em vez de corporações, há grandes grupos de empresários relacionados por comércio, não por autoridade. Cada um não vende seu tempo, mas o que o seu tempo produz “.[28] Rothbard não expressa uma preferência de forma alguma, mas ele justifica o emprego como um fato natural em um mercado livre que não é imoral de forma alguma.

Lei e ordem e o uso da violência

Diferentes anarco-capitalistas propõem diferentes formas de anarco-capitalismo, e uma área de desacordo é a área do direito. Morris e Linda Tannehill em O mercado da liberdade, opor-se a qualquer lei estatutária. Eles afirmam que basta perguntar se alguém está atacando outro (ver lei de responsabilidade civil e contratual) para decidir se um ato é correto ou incorreto.[29] No entanto, Murray Rothbard, ao mesmo tempo que apóia uma proibição natural da força e da fraude, apóia o estabelecimento de um código legal libertário centralizado mutuamente acordado que os tribunais privados concordem em seguir. Andre Goldman desenvolveu um código desse tipo para o comércio na Internet, chamado The Common Economic Protocols.[30].

Ao contrário dos Tannehills e Rothbards, que vêem uma semelhança ideológica entre ética e moralidade como uma exigência, David Friedman propõe que “os sistemas jurídicos serão produzidos com fins lucrativos no mercado aberto, assim como os livros são produzidos hoje e bras. Competição entre diferentes marcas de leis, assim como existe competição entre diferentes marcas de automóveis. “[31] Friedman diz se isso levaria a uma sociedade libertária “ainda precisa ser provado”. Ele diz que é uma possibilidade que muito um libertário as leis podem ser, como as leis das drogas. Mas acho que isso seria estranho. Ele raciocina que “se o valor de uma lei para seus defensores é menor do que o custo para suas vítimas, essa lei … não sobreviverá em uma sociedade anarco-capitalista”.[32]

Os anarco-capitalistas só aceitam a defesa coletiva da liberdade individual (ou seja, tribunais, forças militares ou policiais) na medida em que tais grupos sejam formados explicitamente e pagos voluntariamente. Mas sua reclamação não é apenas que os serviços de defesa do estado são financiados por impostos, mas que o estado assume que ele é o único praticante legítimo de força física. Em outras palavras, impede à força o setor privado de fornecer segurança abrangente, como os sistemas policial, judiciário e carcerário para proteger as pessoas dos agressores. Os anarco-capitalistas acreditam que não há nada moralmente superior no estado que conceda, exceto aos indivíduos, o direito de usar a força física para conter os agressores. Portanto, se a competição na provisão de segurança pudesse existir, os preços seriam mais baixos e os serviços seriam melhores de acordo com os anarco-capitalistas. Segundo Molinari, “em um regime de liberdade, a organização natural da indústria de segurança não seria diferente da de outras indústrias”.[33] Os defensores apontam que a justiça privada e os sistemas de defesa existem, (arbitragem privada, guardas de segurança, grupos de vigilância de bairro) que são formados naturalmente onde o mercado pode compensar a falha do estado.[34] Esses tribunais privados e policiais às vezes são chamados genericamente de Agências de Defesa Privada (PDAs).

A defesa daqueles que não podem pagar por tal proteção poderia ser financiada por instituições de caridade que dependem de doações voluntárias, em vez de instituições estatais que dependem de impostos coercitivos ou da auto-ajuda cooperativa de grupos de pessoas.[35]

Como o liberalismo clássico, e ao contrário do anarco-pacifismo, o anarco-capitalismo permite o uso da força, desde que seja na defesa das pessoas ou da propriedade. O escopo permissível desse uso defensivo da força é um ponto discutível entre os anarco-capitalistas. A justiça retributiva, que significa força retaliatória, é freqüentemente um componente dos contratos previstos para uma sociedade anarco-capitalista. Alguns acreditam que as prisões ou a servidão contratada seriam instituições justificáveis ​​para lidar com aqueles que violam as relações de propriedade anarco-capitalistas, enquanto outros acreditam que o exílio ou a restituição forçada são suficientes.[36]

Uma aplicação difícil de agressão defensiva é o ato de violência revolucionária contra regimes tirânicos. Muitos anarco-capitalistas admiram a Revolução Americana como o ato legítimo de indivíduos trabalhando juntos para lutar contra as restrições tirânicas às suas liberdades. Na verdade, de acordo com Murray Rothbard, a Guerra Revolucionária Americana foi a guerra envolvendo os Estados Unidos que poderia ser justificada.[37] Los anarcocapitalistas, es decir, Samuel Edward Konkin III también sienten que la revolución violenta es contraproducente y prefieren formas voluntarias de secesión económica en la medida de lo posible.

Historia e influencias

Liberalismo clasico

El liberalismo clásico es la principal influencia con más historia en la teoría anarcocapitalista. Los liberales clásicos han tenido dos temas principales desde que John Locke expuso por primera vez la filosofía: la libertad del hombre y las limitaciones del poder estatal. La libertad del hombre se expresaba en términos de derechos naturales, mientras que la limitación del estado se basaba (para Locke) en una teoría del consentimiento.

En el siglo XIX, los liberales clásicos lideraron el ataque contra el estatismo. Notable fue Frederic Bastiat, La Ley (1849), quien escribió: “El estado es la gran ficción mediante la cual todos buscan vivir a expensas de todos los demás”. Henry David Thoreau escribió: “Acepto de todo corazón el lema, ‘El mejor gobierno es el que menos gobierna’; y me gustaría que se actuara de manera más rápida y sistemática. Llevado a cabo, finalmente equivale a esto, que también creo “Ese gobierno es el mejor que no gobierna en absoluto”; y cuando los hombres estén preparados para ello, ese será el tipo de gobierno que tendrán “.[38]

Los primeros liberales creían que el estado debería limitar su papel a proteger la libertad y la propiedad individuales, y se opusieron a todas las regulaciones económicas, excepto a las más mínimas. El “núcleo normativo” del liberalismo clásico es la idea de que en un entorno de laissez-faire, surge un orden espontáneo de cooperación en el intercambio de bienes y servicios que satisface las necesidades humanas.[39] Algunos individualistas se dieron cuenta de que el propio estado liberal se apropia de la propiedad por la fuerza a través de impuestos para financiar sus servicios de protección y, por lo tanto, parecía lógicamente inconsistente oponerse al robo y al mismo tiempo apoyar a un protector financiado con impuestos. Por lo tanto, abogaron por lo que puede verse como un liberalismo clásico llevado al extremo al solo apoyar la defensa financiada voluntariamente por proveedores privados competidores. Uno de los primeros liberales en discutir la posibilidad de privatizar la protección de la libertad y la propiedad individuales fue el francés Jakob Mauvillon en el siglo XVIII. Posteriormente, en la década de 1840, Julius Faucher y Gustave de Molinari abogaron por lo mismo. Molinari, en su ensayo “La producción de seguridad”, argumentó,

“Ningún gobierno debería tener el derecho de evitar que otro gobierno entre en competencia con él, o de exigir que los consumidores de seguridad acudan exclusivamente a él por este producto”.

Molinari y este nuevo tipo de liberal antiestatal basaron su razonamiento en los ideales liberales y la economía clásica. El historiador y libertario Ralph Raico afirma que lo que estos filósofos liberales “habían ideado era una forma de anarquismo individualista, o, como se llamaría hoy, anarcocapitalismo o anarquismo de mercado”.[40] Unlike the liberalism of Locke, which saw the state as evolving from society, the anti-state liberals saw a fundamental conflict between the voluntary interactions of people—society—and the institutions of force—the State. Está society versus state idea was expressed in various ways: natural society vs. artificial society, liberty vs. authority, society of contract vs. society of authority, and industrial society vs. militant society, just to name a few.[33] The anti-state liberal tradition in Europe and the United States continued after Molinari in the early writings of Herbert Spencer, as well as in thinkers such as Paul Émile de Puydt and Auberon Herbert.

Ulrike Heider, in discussing the “anarcho-capitalists family tree,” notes Max Stirner as the “founder of individualist anarchism” and “ancestor of laissez-faire liberalism.”[41] According to Heider, Stirner wanted to “abolish not only the state but also society as an institution responsible for its members” and “derives his identity solely from property” with the question of property to be resolved by a ‘war of all against all’.” Stirner argued against the existence of the state in a fundamentally anti-collectivist way, to be replaced by a “Union of Egoists” but was not more explicit than that in his book The Ego and Its Own published in 1844.

Later, in the early twentieth century, the mantle of anti-state liberalism was taken by the “Old Right.” These were minarchist, antiwar, anti-imperialist, and (later) anti-New Dealers. Some of the most notable members of the Old Right were Albert Jay Nock, Rose Wilder Lane, Isabel Paterson, Frank Chodorov, Garet Garrett, and H. L. Mencken. In the 1950s, the new “fusion conservatism,” also called “cold war conservatism,” took hold of the right wing in the U.S., stressing anti-communism. This induced the libertarian Old Right to split off from the right, and seek alliances with the (now left-wing) antiwar movement, and to start specifically libertarian organizations such as the (U.S.) Libertarian Party.

Nineteenth century individualist anarchism in the United States

Lysander Spooner (1808 – 1887).

The question of whether or not anarcho-capitalism is a form of individualist anarchism is controversial. * Rothbard said in 1965: “Lysander Spooner and Benjamin T. Tucker were unsurpassed as political philosophers and nothing is more needed today than a revival and development of the largely forgotten legacy they left to political philosophy.” However, he thought they had a faulty understanding of economics. The nineteenth century individualists had a labor theory of value, as influenced by the classical economists, but Rothbard was a student of neoclassical economics which does not agree with the labor theory of value. So, Rothbard sought to meld nineteenth century individualists’ advocacy of free markets and private defense with the principles of Austrian economics: “There is, in the body of thought known as ‘Austrian economics’, a scientific explanation of the workings of the free market (and of the consequences of government intervention in that market) which individualist anarchists could easily incorporate into their political and social Weltanschauung”.[42]

The Austrian School

The Austrian School of economics was founded with the publication of Carl Menger’s 1871 book Principles of Economics. Members of this school approach economics as an a priori system like logic or mathematics, rather than as an empirical science like geology. It attempts to discover axioms of human action (called “praxeology” in the Austrian tradition) and make deductions therefrom. Some of these praxeological axioms are:

  • humans act purposefully;
  • humans prefer more of a good to less;
  • humans prefer to receive a good sooner rather than later; Y
  • each party to a trade benefits ex ante.

Even in the early days, Austrian economics was used as a theoretical weapon against socialism and statist socialist policy. Eugen von Böhm-Bawerk (1851-1914), a colleague of Menger, wrote one of the first critiques of socialism ever written in his treatise The Exploitation Theory of Socialism-Communism. Later, Friedrich Hayek wrote The Road to Serfdom, asserting that a command economy destroys the information function of prices, and that authority over the economy leads to totalitarianism. Another very influential Austrian economist was Ludwig von Mises (1881-1973), author of the praxeological work Human Action: A Treatise on Economics. (1949).

Murray Rothbard, a student of Mises, is the man who attempted to meld Austrian economics with classical liberalism and individualist anarchism, and is credited with coining the term “anarcho-capitalism.” He wrote his first paper advocating “private property anarchism” in 1949, and later came up with the alternative name “anarcho-capitalism.” He was probably the first to use “libertarian” in its current (U.S.) pro-capitalist sense.

Criticisms of anarcho-capitalism

Criticisms of anarcho-capitalism fall into several categories: practical criticisms which claim that anarcho-capitalism is unworkable in practice; critiques that claim that capitalism requires a coercive state to exist and that a society can be anarchist or capitalist, but not both; general critiques of the morality of capitalism and liberalism, which also apply to anarcho-capitalism; and a utilitarian critique, which claims that anarcho-capitalism would not maximize utility.

Objectivists and others argue that an anarcho-capitalist society would degenerate into a “war of all against all.” For example, Noam Chomsky says:

“Anarcho-capitalism, in my opinion, is a doctrinal system which, if ever implemented, would lead to forms of tyranny and oppression that have few counterparts in human history.”[43]

Other critics argue that the free rider problem makes the provision of protection services in an anarcho-capitalist society impractical.

Anarcho-capitalism and anarchism

Some anarchists argue that anarcho-capitalism is not a form of anarchism due to their belief that capitalism is inherently authoritarian. In particular they argue that certain capitalist transactions are not voluntary, and that maintaining the capitalist character of a society requires coercion, which is incompatible with an anarchist society. Moreover, capitalistic market activity is essentially dependent on the imposition of private ownership and a particular form of exchange of goods where selling and buying is usually mandatory (due to the division of ownership of the capital, and consequently, value).

Anarcho-capitalists counter that the capitalist system of today is, indeed, not properly anarchistic because it is so often in collusion with the state. According to Rothbard, “what Marx and later writers have done is to lump to­gether two extremely different and even contradictory concepts and actions under the same portmanteau term. These two contradictory concepts are what I would call ‘free-market capitalism’ on the one hand, and ‘state capitalism’ on the other.”[44]

“The difference between free-market capitalism and state capitalism,” writes Rothbard, “is precisely the difference between, on the one hand, peaceful, voluntary exchange, and on the other, violent expropriation.” He goes on to point out that he is “very optimistic about the future of free-market capi­talism. I’m not optimistic about the future of state capitalism—or rather, I am optimistic, because I think it will eventually come to an end. State capitalism inevitably creates all sorts of problems which become insoluble.”[45]

According to this argument, the free market is simply the natural situation that would result from people being free from authority, and entails the establishment of all voluntary associations in society: cooperatives, non-profit organizations (which would, just as today, be funded by individuals for their existence), businesses, etc. A free market does not equal the end of civil society.

Anarcho-capitalist literature

The following is a partial list of notable nonfiction works discussing anarcho-capitalism.

  • Murray Rothbard founder of anarcho-capitalism:
  • Frederic Bastiat. The Law Radical classical liberalism
  • Bruce L. Benson:
    • The Enterprise of Law: Justice Without The State
    • To Serve and Protect: Privatization and Community in Criminal Justice
  • James Dale Davidson and William Rees-Mogg. The Sovereign Individual: Mastering the Transition to the Information Age. Historians look at technology & implications
  • David D. Friedman, The Machinery of Freedom Classic consequentialist defense of anarchism
  • Auberon Herbert, The Right and Wrong of Compulsion by the State
  • Hans-Hermann Hoppe, The Economics and Ethics of Private Property
  • Juan Lutero Madrigal, anarcho-capitalism: principles of civilization An anarcho-capitalist primer
  • Stefan Molyneux, Universally Preferable Behavior, [2]
  • Albert Jay Nock, Our Enemy the State Oppenheimer’s thesis applied to early US history
  • Robert Nozick, Anarchy, State, and Utopia Academic philosopher on libertarianism
  • Franz Oppenheimer, The State Analysis of State; political means vs. economic means
  • Herbert Spencer, Social Statics Includes the essay “The Right to Ignore the State”
  • Linda and Morris Tannehill, The Market for Liberty Classic on Private defense agencies
  • George H Smith, Justice Entrepreneurship in a Free Market Examines the Epistemic and entrepreneurial role of Justice agencies.

Notas

  1. Robert P. Murphy, 4/1/2005, What Are You Calling ‘Anarchy’?. von Mises Institute.
  2. Ian Adams, 2002. Political Ideology Today. (Manchester University Press), 135 ; Geoffrey Ostergaard. 2003. “Anarchism.” In W. Outwaite, (Ed.), The Blackwell Dictionary of Modern Social Thought. (Blackwell Publishing), 14.
  3. Karl Hess, The Death of Politics. Interview in Playboy Magazine, (March 1969)
  4. Randall G. Holcombe, Common Property in Anarcho-Capitalism, Journal of Libertarian Studies 19 (2) (Spring 2005):3–29.
  5. Encyclopædia Britannica Online: “Libertarianism”. Retrieved July 30 2007
  6. Murray N. Rothbard, A Future of Peace and Capitalism. von Mises Institute. ; Murray N. Rothbard, and Right: The Prospects for Liberty. von Mises Institute.
  7. Adams, 33
  8. “A student and disciple of the Austrian economist Ludwig von Mises, Rothbard combined the laissez-faire economics of his teacher with the absolutist views of human rights and rejection of the state he had absorbed from studying the individualist American anarchists of the nineteenth century such as Lysander Spooner and Benjamin Tucker.” Blackwell Encyclopaedia of Political Thought. (Blackwell Pub., 1987, ISBN 0631179445), 290
  9. Murray N. Rothbard, “For A New Liberty.” The Libertarian Manifesto.
    12 The Public Sector, III: Police, Law, and the Courts.von Mises Institute.
  10. David D. Friedman. (1973) The Machinery of Freedom, Second ed. (La Salle, IL: Open Court, 1989), 116–117.
  11. Friedman, Chapter 42
  12. Hans-Hermann Hoppe “Argumentation Ethics” hanshoppe.com. Retrieved 6 February 2007
  13. Murray N. Rothbard, “What’s Wrong with Liberty Poll; or, How I Became a Libertarian,” Liberdade (July 1988), 53
  14. Andrew Rutten, “Can Anarchy Save Us from Leviathan?” dentro The Independent Review 3 (4): 581. “He claims that the only consistent liberal is an anarcho-liberal.”
  15. “Murray N. Rothbard (1926–1995), American economist, historian, and individualist anarchist.” Paul Avrich. Anarchist Voices: An Oral History of Anarchism in America. (1996), 282. “Although there are many honorable exceptions who still embrace the “socialist” label, most people who call themselves individualist anarchists today are followers of Murray Rothbard’s Austrian economics, and have abandoned the labor theory of value.” Kevin Carson, Preface, Mutualist Political Economy.mutualist.org.
  16. 16.016.116.216.316.4 Hans-Hermann Hoppe, (2001) “Anarcho-Capitalism: An Annotated Bibliography” lewrockwell.org. Retrieved 23 May 2005
  17. Murray N. Rothbard, (1982) “Law, Property Rights, and Air Pollution” Cato Journal 2 (1) (Spring 1982): 55–99. Retrieved 20 May 2005
  18. 18.018,118.2 Murray N. Rothbard, The Ethics of Liberty (Humanities Press. 1982. ISBN 0814775063), 162. Retrieved 20 May 2005
  19. Murray N. Rothbard, (1973) For a new Liberty (New York: Collier Books), 24–25. Retrieved 20 May 2005
  20. Rothbard, (1975) Society Without A State (pdf) Libertarian Forum Newsletter (January 1975)
  21. Exclusive Interview With Murray Rothbard The New Banner: A Fortnightly Libertarian Journal (February 25, 1972)
  22. 22.022.1 Hans-Hermann Hoppe, (2002) “Rothbardian Ethics” lewrockwell.com. Retrieved 23 May 2005
  23. 23.023.123.2 Murray N. Rothbard, (1962) ch 2 Man, Economy & State with Power and Market. von Mises Institute.org. Retrieved 19 May 2005
  24. Karl Hess, (1969) Letter From Washington. The Libertarian Forum I (VI) (June 15, 1969), Retrieved 5 August 2006
  25. Randall G. Holcombe, Common Property in Anarcho-Capitalism, Journal of Libertarian Studies 19 (2) (Spring 2005): 3–29.
  26. Roderick T. Long, 199 . “A Plea for Public Property.” Formulations 5, no. 3 (Spring)
  27. Robert Nozick. (1973) Anarchy, State, and Utopia.
  28. David Friedman. The Machinery of Freedom: Guide to a Radical Capitalism. (Harper & Row), 144–145
  29. Susan Love Brown. The Free Market as Salvation from Government: The Anarcho-Capitalist View, Meanings of the Market: The Free Market in Western Culture, edited by James G. Carrier. (Berg/Oxford, 1997), 113.
  30. Andre Goldman, The Common Economic Protocols.ravenescrow.com.
  31. David Friedman. (1973) The Machinery of Freedom, Second ed. (La Salle, IL: Open Court, 1989. ISBN 0812690699), 116–117.
  32. Friedman, 1989, 127–128
  33. 33.033.1 Gustave de Molinari, (1849) The Production of Security, trans. J. Huston McCulloch.
  34. David Friedman. The Machinery of Freedom: Guide to a Radical Capitalism. (Harper & Row, 1973. ISBN 0060910100) chapter 29
  35. Murray N. Rothbard, (1973) For a new Liberty (New York: Collier Books), 223. Retrieved 5 August 2006
  36. Matthew O’Keeffe, (1989) “Retribution versus Restitution” Legal Notes No. 5, (Libertarian Alliance. ISBN 1870614224) Retrieved 19 May 2005
  37. Murray N. Rothbard, Interview Reason (February 1973), antiwar.com. Retrieved 10 August 2005
  38. Henry David Thoreau, (1849) Civil Disobedience
  39. Sally Razeen. Classical Liberalism and International Economic Order: Studies in Theory and Intellectual History. (Routledge (UK), 1998. ISBN 0415164931), 17
  40. Ralph Raico, 2004, Authentic German Liberalism of the 19th Century Ecole Polytechnique, Centre de Recherce en Epistemologie Appliquee, Unité associée au CNRS
  41. Ulrike Heider. Anarchism: Left, Right and Green. (San Francisco: City Lights Books, 1994), 95–96
  42. “The Spooner-Tucker Doctrine: An Economist’s View,” Journal of Libertarian Studies 20 (1): 7[1] (1965, 2000)
  43. Tom Lane, Interview, Dec. 23, 1996, “Noam Chomsky On Anarchism.” chomsky.info. Znet. Recuperado em 21 de fevereiro de 2009.
  44. Murray N. Rothbard. “A Future of Peace and Capitalism,” James H. Weaver, ed., Modern Political Economy. (Boston: Allyn and Bacon, 1973), 419-430.
  45. Rothbard, Future of Peace and Capitalism, Retrieved February 21, 2009.

Referências

Sources that consider anarcho-capitalism a form of anarchism

As a form of individualist anarchism

  • Adams, Ian. Political Ideology Today. Manchester University Press, 2002. ISBN 0719060206. p. 135
  • Avrich, Paul. Anarchist Voices: An Oral History of Anarchism in America. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1995. ISBN 9780691034126.
  • Barry, Norman. Modern Political Theory. New York: St. Martin’s Press, 1981. ISBN 9780312430986.
  • Bottomore, Tom. Dictionary of Marxist Thought, Anarchism. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1983. ISBN 9780674205253.
  • Brooks, Frank H., ed. The Individualist Anarchists: An Anthology of Liberty (1881–1908). Transaction Publishers, 1994. Preface p. xi ISBN 9781560001324.
  • Busky, Donald. Democratic Socialism: A Global Survey. Praeger/Greenwood, 2000. ISBN 9780313002083.
  • Grant, Moyra. Key Ideas in Politics. Nelson Thomas, 2003. ISBN 0748770968. p. 91
  • Heider, Ulrike. Anarchism: Left, Right, and Green. City Lights, 1994. p. 3 – ISBN 9780872862890.
  • Heywood, Andrew. Politogie. Praha: Eurolex Bohemia, 2004. ISBN 9788086432953.
  • Offer, John. Herbert Spencer: Critical Assessments. London: Routledge (UK), 2000. ISBN 9780415181839.
  • Ostergaard, Geoffrey. Resisting the Nation State – the anarchist and pacifist tradition, Anarchism As A Tradition of Political Thought. Peace Pledge Union Publications [3] ISBN 0902680358.
  • Raico, Ralph. Authentic German Liberalism of the 19th Century. Ecole Polytechnique, Centre de Recherce en Epistemologie Appliquee, Unité associée au CNRS, 2004.
  • Tormey, Simon. Anti-Capitalism. One World, 2004. ISBN 9781851683420.
Sources claiming that individualist anarchism was reborn as anarcho-capitalism
  • Blackwell Encyclopaedia of Political Thought. 1991. ISBN 0631179445.
  • Levy, Carl. Anarchism, Microsoft® Encarta® Online Encyclopedia, 2006. [4] MS Encarta (UK).

As a form of anarchism in general

  • Brown, Susan Love. The Free Market as Salvation from Government: The Anarcho-Capitalist View, Meanings of the Market: The Free Market in Western Culture, edited by James G. Carrier, Berg/Oxford, 1997. ISBN 9781859731499.
  • DeLeon, David. The American as Anarchist: Reflections of Indigenous Radicalism. Chapter: The Beginning of Another Cycle, Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1979. ISBN 9780801821264.
  • Goodwin, Barbara. Using Political Ideas, fourth ed. John Wiley & Sons, 1987. ISBN 9780471101161.
  • Kearney, Richard. Continental Philosophy in the 20th Century. London: Routledge (UK), 2003. ISBN 9780415308809.
  • Perlin, Terry M. Contemporary Anarchism. New Brunswick, NJ: Transaction Books, 1979. ISBN 9780878550975.
  • Sargent, Lyman Tower. Extremism in America: A Reader. NYU Press, 1995. ISBN 9780814780114.
  • Sanders, John T.; Narveson, For and Against the State. Rowman and Littlefield Publishers, 1996. ISBN 0847681653. review
  • Sylvan, Richard. Anarchism. A Companion to Contemporary Political Philosophy, editors Goodin, Robert E. and Pettit, Philip. Blackwell Publishing, 1995. ISBN 9780631179931.

Sources that do not consider anarcho-capitalism to be a form of anarchism

  • Eatwell, Roger, and Anthony Wright. Contemporary Political Ideologies. 1999. ISBN 1855676060.
  • Marshall, Peter. Demanding the Impossible. London: Fontana Press, 1992. ISBN 0006862454. Chapter 38.
  • Meltzer, Albert. Anarchism: Arguments For and Against. AK Press, 2000.

Otras lecturas

  • Murray Rothbard Father of modern anarcho-capitalism:
    • 1962. Man, Economy, and State; A Treatise on Economic Principles. Princeton, NJ: Van Nostrand. A general book on Austrian economics.
    • 1970. Power & Market; Government and the Economy. Menlo Park, CA: [Institute for Humane Studies]]Classification of economic interventions by the state.
    • 1978. For a New Liberty: The Libertarian Manifesto. New York, NY: Collier Books. ISBN 0020746903.
    • (1982) 1998. The Ethics of Liberty. [5]. New York, NY: University Press. ISBN 0814775063. Moral justification of a free society.
    • 2004. Man, economy, and state]]with Power and market: government and economy. [6]. Ludwig von Mises Institute ISBN 0945466307.
  • Bastiat, Frederic. The Law. ozarkia.net. Radical classical liberalism
  • Davidson & Rees-Mogg, The Sovereign Individual Historians look at technology & implications
  • Friedman, David D. The Machinery of Freedom. Classic utilitarian defense of anarchism
  • Herbert, Auberon. The Right and Wrong of Compulsion by the State.libertyfund.org.
  • Hoppe, Hans-Hermann.
  • Madrigal, Juan Lutero. anarcho-capitalism: principles of civilization. An anarcho-capitalist primer
  • Nock, Albert Jay. Our Enemy the State Oppenheimer’s thesis applied to early US history
  • Nozick, Robert. Anarchy, State, and Utopia. Academic philosopher on libertarianism
  • Oppenheimer, Franz. The State. Analysis of State; political means vs. economic means
  • Spencer, Herbert. Social Statics.libertyfund.org. Includes the essay “The Right to Ignore the State”
  • Tannehill, Morris and Linda. The Market for Liberty. Classic on private defense agencies (PDAs)
  • Wolff, Robert Paul. In Defense of Anarchism. influential defense of anarchism within contemporary analytical philosophy

links externos

All links retrieved March 19, 2016.

Créditos

New World Encyclopedia escritores e editores reescreveram e completaram o Wikipedia Artigo
de acordo com New World Encyclopedia Regras. Este artigo é regido pelos termos da licença Creative Commons CC-by-sa 3.0 (CC-by-sa), que pode ser usada e divulgada com a devida atribuição. O crédito é devido nos termos desta licença, que pode referir-se a ambos New World Encyclopedia colaboradores e colaboradores voluntários altruístas da Fundação Wikimedia. Para citar este artigo, clique aqui para obter uma lista de formatos de citação aceitáveis. Os pesquisadores podem acessar a história das contribuições wikipedistas anteriores aqui:

O histórico deste item desde que foi importado para New World Encyclopedia:

Nota: Algumas restrições podem ser aplicadas ao uso de imagens individuais que são licenciadas separadamente.



Traduzido de Enciclopédia do Novo Mundo/a>

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo