História

Afonso I – Enciclopédia do Novo Mundo


Alfonso I
Rei de portugal
Alfonso I de Portugal
Pintura do séc. XVII de Afonso Henriques.
Reinado 24 de abril de 1112 (acontece com o pai dele)
24 de junho de 1128 (derrota sua mãe)
26 de julho de 1139 (proclama-se rei)
5 de outubro de 1143 (reconhecido por León)

6 de dezembro de 1185
Coroação 26 de julho de 1139
Nome completo Afonso Henriques da Borgonha
Títulos Conde de Portugal, Doge de Portugal, Príncipe de Portugal
Nascermos 25 de julho de 1109
Castelo de Guimarães, Guimarães, Concelho de Portugal, Reino de Leão
Morreu 6 de dezembro de 1185
Coimbra, Reino de Portugal
Enterrado Mosteiro de Santa Cruz, Coimbra, Distrito de Coimbra, Portugal
Antecessor Henrique da Borgonha, conde de Portugal (de jure)
Teresa de León, condessa de Portugal (de fato)
Herdeiros
irmã
filho
irmã
filha
filho
Magpie Henriques (1139-1147)
Infante henrique (1147)
Magpie Henriques (1147-1148)
Infanta Mafalda (1148-1154)
Infante sancho (futuro Sancho I) (1154-1185)
Sucessor Sancho I de Portugal
Consorte Maud of Savoy
Consorte Rainha
questão Infante henrique (1147)
Infanta Mafalda (1148 – c. 1160)
Infanta Urraca, Rainha de Leão (c. 1151-1188)
Infante sancho (futuro Sancho I) (1154-1212)
Infanta Teresa, condessa de Flandres (1157-1218)
Infante joão (1160)
Infanta Sancha (1160)
Casa real Capet House of Burgundy
Pai Henrique da Borgonha, conde de Portugal
Mãe Teresa de León, condessa de Portugal

Alfonso I, Rei de Portugal, mais comumente conhecido como Afonso Henriques, (25 de julho de 1109 – 6 de dezembro de 1185), também conhecido como O Conquistador, ele foi o primeiro rei de Portugal, declarando sua independência de Leão. Ele desempenhou um papel importante na recuperação da Península Ibérica aos mouros e defendeu Portugal de Castela, que relutava em reconhecer sua independência. O conflito com Castela terminou com um tratado de paz (1143), prova de que Alfonso I podia fazer a paz e guerrear. Afonso consolidou a identidade católica de Portugal, prometendo que ele e a nação serviriam à Igreja. Os territórios reconquistados foram povoados por uma população cristã, guardada por membros das ordens militares.

Afonso I deixou a sua marca no mapa da Europa. O ímpeto criado pela conquista do sul da Península Ibérica e pelo processo de colonização daquela região continuaria a impulsionar e inspirar a expansão imperial portuguesa, visto que o Reino posteriormente adquiriu um grande império ultramarino. Menos de 20 anos após a morte de Afonso, Portugal estava mais ou menos definido pelas fronteiras atuais, o que tornava Portugal um dos mais antigos ‘Estados-nação’, como países como Espanha, França, Itália e Alemanha eles não se unificaram até muito mais tarde. .

Tempo de vida

Alfonso I era filho de Enrique de Borgoña, conde de Portugal e de Teresa de León, filha ilegítima do rei Alfonso VI de Leão e Castela. Foi proclamado rei a 26 de julho de 1139, imediatamente a seguir à batalha de Ourique, e faleceu a 6 de dezembro de 1185 em Coimbra.

Contexto político

No final do século XI, a agenda política da Península Ibérica centrou-se principalmente na Reconquista, a expulsão dos estados sucessores muçulmanos do Califado de Córdoba após seu colapso. Com as aristocracias militares europeias voltadas para as Cruzadas, Alfonso VI de León y Castilla solicitou a ajuda da nobreza francesa para enfrentar os mouros. Em troca, ele deveria dar as mãos de suas filhas em casamento aos líderes da expedição e conceder privilégios reais a outros. Assim, o herdeiro real Urraca de Castilla casou-se com Raimundo de Borgoña, filho mais novo do Conde de Borgonha, e sua meia-irmã, Princesa Teresa de León, casou-se com seu primo, outro cruzado francês, Enrique de Borgoña, irmão mais novo do Duque da Borgonha. Borgonha, cuja mãe era filha do Conde de Barcelona. Enrique foi nomeado conde de Portugal, um condado oneroso no sul da Galiza, onde se esperavam incursões e ataques mouros. Com sua esposa Teresa como co-governante de Portugal, Enrique resistiu à provação e ficou com as terras para o sogro.

Deste casamento nasceram vários filhos, mas apenas um, Afonso Henriques (que significa “Alfonso filho de Enrique”) sobreviveu. O menino, provavelmente nascido por volta de 1109, seguiu seu pai como Conde de portugal em 1112, sob a tutela de sua mãe. As relações de Teresa com o filho Afonso foram difíceis. Alfonso, com apenas onze anos, já tinha ideias políticas próprias, muito diferentes das de sua mãe. Em 1120, o jovem príncipe aliou-se ao arcebispo de Braga, inimigo político de Teresa, e ambos foram exilados por ordem deste. Afonso passou os anos seguintes fora do seu concelho, sob o olhar atento do bispo. Em 1122, Alfonso completou quatorze anos, a idade adulta no século XII. Ele se tornou um cavaleiro por conta própria na Catedral de Zamora, formou um exército e passou a assumir o controle de suas terras. Perto de Guimarães, na Batalha de São Mamede (1128), derrotou as tropas sob o comando do amante e aliado de sua mãe, o Conde Fernando Peres de Trava de Galicia, prendendo-a e exilando-a para sempre num mosteiro em León. Assim, a possibilidade de incorporar Portugal a um Reino da Galiza foi eliminada e Alfonso tornou-se o único soberano (Duque de portugal) após as exigências de independência do povo do condado, da igreja e dos nobres. Ele também derrotou Afonso VII de Castela e Leão, outro aliado de sua mãe, e assim libertou o condado da dependência política da coroa de Leão e Castela. A 6 de abril de 1129, Afonso Henriques expediu o despacho em que se autoproclama Príncipe de portugal.

Nascimento do Reino de Portugal

Alfonso então voltou suas armas contra o problema persistente dos mouros no sul. As suas campanhas tiveram êxito e, a 26 de julho de 1139, obteve uma vitória esmagadora na Batalha de Ourique, sendo imediatamente depois proclamado por unanimidade. Rei de portugal para seus soldados. Isso significava que Portugal não era mais um condado vassalo de Leão-Castela, mas um reino por direito próprio. Em seguida, convocou a primeira assembleia geral dos estados em Lamego (na qual o arcebispo de Braga lhe teria dado a coroa para confirmar esta independência), embora seja provável que seja um ornamento da história portuguesa do século XVII.

Como tenente papal

Independência, entretanto, não era algo que um país pudesse escolher por conta própria. Portugal ainda não tinha sido reconhecido pelas terras vizinhas e, mais importante, pela Igreja Católica Romana e pelo Papa, então a fonte última de legitimidade política. Afonso casou-se com Mafalda de Saboya, filha do conde Amadeo III de Sabóia, e enviou embaixadores a Roma para negociar com o Papa. Em Portugal, construiu vários mosteiros e conventos e concedeu importantes privilégios às ordens religiosas. Em 1143, ele escreveu ao Papa Inocêncio II declarando que ele e o reino eram servos da Igreja e prometendo que expulsaria os mouros da Península Ibérica. Sem descurar nenhum rei de Castela ou Leão, Afonso declarou-se herdeiro direto do papado. Afonso passou então a distinguir-se pelas suas façanhas contra os mouros, que arrebatou de Santarém e de Lisboa em 1147. Conquistou também uma parte importante das terras a sul do rio Tejo, embora esta se tenha perdido novamente para os mouros nos anos seguintes. . “Ele conquistou mais território muçulmano do que qualquer outro reis cristãos da península.”[1] Ele estabeleceu súditos cristãos nesses territórios, onde numerosas fundações monásticas também foram estabelecidas. Posteriormente, os Cavaleiros Templários receberam território no sul, onde novas ordens militares foram criadas para garantir a segurança da região, incluindo a Ordem dos Cavaleiros de São Tiago. Então Alfonso recrutou colonos do exterior. Grandes concessões de terras foram feitas para mosteiros e ordens militares.

Conflito com Castilla

Enquanto isso, o rei Alfonso VII de Castela (primo de Alfonso) considerava o governante independente de Portugal nada mais que um rebelde. O conflito entre os dois foi constante e acirrado nos anos seguintes. Alfonso se envolveu em uma guerra, ficando do lado do rei aragonês, inimigo de Castela. Para garantir a aliança, seu filho Sancho ficou noivo de Dulce Berenguer, irmã do conde de Barcelona e princesa de Aragão. Finalmente, em 1143, o Tratado de Zamora estabeleceu a paz entre os primos e o reconhecimento pelo Reino de Castela e Leão de que Portugal era um reino independente.

Em 1169, Afonso foi incapacitado numa batalha perto de Badajoz por uma queda do cavalo, e foi feito prisioneiro pelos soldados do Rei de Leão. Portugal foi obrigado a render quase todas as conquistas que Afonso fizera na Galiza nos anos anteriores como resgate.

Aprovação papal

Em 1179, os privilégios e favores concedidos à Igreja Católica Romana foram compensados. Na bula papal Manifestis Probatum, O Papa Alexandre III reconheceu Alfonso como rei e Portugal como uma terra independente com o direito de conquistar as terras dos mouros. Com esta bênção papal, Portugal foi finalmente assegurado como país e protegido de qualquer tentativa castelhana de anexação.

Morte

Em 1184, apesar da grande idade, ainda tinha forças para socorrer o filho Sancho, sitiado em Santarém pelos mouros. Ele morreu pouco depois, em 6 de dezembro de 1185.

Legado

Os portugueses reverenciam-no como um herói, tanto pelo seu carácter pessoal como pelo fundador da sua nação. Na verdade, pode ter fundado o primeiro ‘Estado-nação’ no sentido de que em 1200, apenas 16 anos após a sua morte, Portugal continental atingiu a dimensão que é hoje, embora só muito depois da França. ou a Espanha tornou-se estados unificados.[1] Existem histórias lendárias de que seriam necessários dez homens para carregar sua espada e que Alfonso gostaria de se envolver em um combate pessoal com outros monarcas, mas ninguém ousaria aceitar seu desafio. Ele não apenas transformou Portugal quase sozinho de um estado vassalo em um reino independente, mas através do patrocínio da Igreja Católica ele deixou uma marca distintamente cristã e católica na nação. Quando, nos anos seguintes, adquiriu um império ultramarino, a cristianização das terras que governou foi sempre uma prioridade.

Investigação científica

Em Julho de 2006, investigadores da Universidade de Coimbra (Portugal) e da Universidade de Granada (Espanha) inauguraram o túmulo do Rei (que se encontra no Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra) para fins científicos. A abertura do túmulo, destinada a permitir aos investigadores reconstituir um perfil biológico de Afonso através do exame dos seus ossos, dentes ou cabelos, causou grande preocupação a alguns sectores da sociedade portuguesa e do IPPAR- Instituto Português do Património Arquitectónico (Agência Nacional do Património Arquitectónico). O governo suspendeu a abertura, solicitando mais protocolos à equipe científica, devido à importância do rei na formação da nação.

Decendentes

Alfonso casou-se em 1146 com Mafalda ou Maud de Saboya (1125-1158), filha de Amadeo III, Conde de Saboya e Mafalda de Albon.

Nome Nascimento Morte Notas
Por Maud of Savoy (1125-1158; casado em 1146)
Infante Henrique (Henry) 5 de março de 1147 1147
Infanta Mafalda 1148 C. 1160
Infanta Urraca C. 1151 1188 Rainha de Leão por casamento com o rei Fernando II de Leão
Infante sancho 1154 26 de março de 1212 Ele o sucedeu como Sancho I, segundo rei de Portugal
Infanta Teresa (Teresa) 1157 1218 Condessa consorte de Flandres por casamento com Felipe I de Flandres. Duquesa consorte da Borgonha por casamento com Eudes III da Borgonha.
Infante João (Juan) 1160 1160
Infanta Sancha 1160 1160
Elvira Gálter
Pega Afonso C. 1130 ? Filha natural. Casada com Pedro Afonso Viegas. Senhora de Aveiro.
Outra prole natural
Fernando afonso C. 1166 é uma data errada C. 1172 Alto General do Reino (Condestável de Portugal)
Pedro Afonso c 1130 1169 Também conhecido como Pedro Henriques. 1º Grão-Mestre da Ordem de Aviz.
Alfonso C. 1135 1207 XI Mestre da Ordem de San Juan de Rodas.
Teresa afonso C. 1135 ? Casada com Fernando Martins Bravo ou Martim Moniz.

Notas

  1. 1.01,1 Portugal: História Relatório de estudos de país da Biblioteca do Congresso, Mongabay.com. Recuperado em 28 de setembro de 2020.

Referências

  • Amaral, Diogo Freitas. D. Afonso Henriques: biografia. Colecção Figuras de todos os tempos, 3. Lisboa: Bertrand Editora, 2000. ISBN 9722511572
  • Anderson, James Maxwell. A História de Portugal. The Greenwood Stories of Modern Nations. Westport, Connecticut: Greenwood Press, 2000. ISBN 9780313311062
  • Marques, Antonio Henrique R. de Oliveira. História de Portugal. Nova York: Columbia University Press, 1972. ISBN 9780231031592
  • Mattoso, José. D. Afonso Henriques. Lisboa, Portugal: Circulo de Leitores, 2006. ISBN 9789724238678

Créditos

New World Encyclopedia escritores e editores reescreveram e completaram o Wikipedia Artigo
de acordo com New World Encyclopedia Regras. Este artigo é regido pelos termos da licença Creative Commons CC-by-sa 3.0 (CC-by-sa), que pode ser usada e divulgada com a devida atribuição. O crédito é devido nos termos desta licença, que pode referir-se a ambos New World Encyclopedia colaboradores e colaboradores voluntários altruístas da Fundação Wikimedia. Para citar este artigo, clique aqui para obter uma lista de formatos de citação aceitáveis. Os pesquisadores podem acessar a história das contribuições wikipedistas anteriores aqui:

O histórico deste item desde que foi importado para New World Encyclopedia:

Nota: Algumas restrições podem ser aplicadas ao uso de imagens individuais que são licenciadas separadamente.



Traduzido de Enciclopédia do Novo Mundo/a>

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo