BiologiaBiologia Humana

Células dendríticas

Células dendríticas sob o microscópioCélulas dendríticas pertencem às células de defesa do sistema imunológico dos mamíferos.
O nome não tem nada a ver com as extensões das células nervosas (dendritos), mas sim
é derivado da estrutura ramificada característica das células dendríticas (do grego antigo ‘dendron’ = árvore). no
Século 19 descreveu o patologista Paul Langerhans primeiro o tipo de célula, mas assumiu erroneamente o dendrítico
As células pertencem às células nervosas. Este é o motivo da semelhança nos nomes dos dois tipos de células.

As células dendríticas se desenvolvem a partir de monócitos e podem ser encontradas em quase todos os tecidos do corpo,
especialmente no trato gastrointestinal, os pulmões e as membranas mucosas da boca e
Nariz.

A tarefa central das células dendríticas é o Produção de antígeno e Apresentação de antígeno sob o congênito
Reação imunológica. O processo é como se segue:
1 Uma célula dendrítica no tecido fagocita um patógeno estranho. A fagocitose só pode ocorrer uma vez para cada célula dendrítica. Nesse momento, a célula ainda está no estágio imaturo.
2 A célula dendrítica agora deixa o tecido e ‘migra’ (migração celular) para o linfonodo mais próximo.
3 – Os antígenos do patógeno previamente fagocitado são transferidos da célula dendrítica para a superfície celular (geração do antígeno) e tornados visíveis aos linfócitos T (apresentação do antígeno).
Com a apresentação das proteínas, a célula apresentadora de antígeno entra no estágio maduro.
5 As quimiocinas (citocinas quimiotáticas) liberadas pelas células dendríticas ativam os linfócitos T do ambiente imediato.
6 Os linfócitos T atraídos reconhecem e se ligam aos antígenos apresentados.
O receptor de células T agora é capaz de reconhecer os antígenos específicos que foram anteriormente apresentados pela célula dendrítica.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo