Animais

Um Embaixador da Maior Área de Conservação Terrestre do Mundo – ScienceDaily


A dispersão é um processo importante que rege a persistência das populações de animais selvagens. Ao atingir a maturidade sexual, os indivíduos geralmente se dispersam de sua área natal em busca de habitat e companheiros adequados para a reprodução. Como tal, a dispersão promove o fluxo gênico entre as populações, permite que populações pequenas e isoladas sejam resgatadas e permite a colonização de habitats desocupados. Em paisagens dominadas por humanos, no entanto, animais dispersos acham cada vez mais difícil cruzar áreas densamente povoadas que separam habitats adequados. Por esta razão, a identificação e preservação de corredores de vida selvagem se tornou de extrema importância para as autoridades de conservação em todo o mundo.

Na África Austral, os governos de Angola, Botswana, Namíbia, Zâmbia e Zimbabwe concordaram em preservar uma rede sem precedentes de corredores de vida selvagem, ligando até 35 parques nacionais existentes, reservas de caça e outras áreas protegidas. A Área de Conservação Kavango-Zambeze (KAZA) cobre aproximadamente 520.000 quilômetros quadrados, tornando-se a maior área de conservação terrestre do mundo. Mas os limites do KAZA coincidem com o comportamento de dispersão das espécies que ele busca proteger? Pesquisadores da Universidade de Zurique tentaram responder a essa pergunta estudando o cão selvagem africano (Lycaon pictus), a espécie mais ameaçada e móvel de KAZA.

Grande predador criticamente ameaçado

Os cães selvagens africanos atualmente somam cerca de 6.000 indivíduos na natureza nas poucas populações restantes no sul e leste da África. Os cães selvagens vivem em matilhas de até 30 indivíduos liderados por um casal dominante. Depois de atingir a maturidade sexual, os cães selvagens se dispersam na tentativa de encontrar parceiros em potencial e territórios adequados para se estabelecerem. Como os lobos, os cães selvagens podem viajar centenas de quilômetros durante essa jornada.

“Queríamos descobrir como e para onde se movem os cães selvagens espalhados e investigar se diferentes populações dentro da Área de Conservação do Kavango-Zambeze podem se conectar entre si”, disse David Hofmann, primeiro autor do estudo e estudante de doutorado no Departamento. de Biologia Evolutiva e Estudos Ambientais. Para fazer isso, a equipe de pesquisa do UZH colocou coleiras de GPS em vários cães selvagens e usou os dados de rastreamento para descobrir quais habitats os dispersores preferem cruzar e, por fim, prever quais áreas contêm corredores de vida selvagem adequados.

Muito poucos corredores fora da área de conservação.

Os resultados sugerem que a maioria dos corredores de vida selvagem identificados estão dentro do KAZA, e o norte de Botswana parece atuar como um centro central para a dispersão de indivíduos. Outro corredor importante liga os parques nacionais de Angola e Zâmbia. “Enquanto o corredor ainda passa por áreas desprotegidas, a iniciativa KAZA pretende colocar essas áreas sob proteção”, disse Hofmann. “No entanto, ainda há potencial para expansão, pois o KAZA continua a descobrir várias rotas de dispersão adequadas.”

Nem todas as áreas são igualmente adequadas para o estabelecimento de corredores de vida selvagem. Em alguns países, os dispersores encontram pequenos obstáculos durante a dispersão, enquanto em países como Zâmbia e Zimbábue, altas densidades populacionais e atividades associadas impedem os movimentos dos animais. Portanto, os pesquisadores pediram que essas diferenças específicas de cada país sejam levadas em consideração ao implementar a iniciativa KAZA.

Leões e elefantes também serão beneficiados

Os métodos estatísticos e os dados de movimento usados ​​neste estudo não serão úteis apenas para os tomadores de decisão envolvidos na iniciativa KAZA, mas também podem ser usados ​​para criar novas áreas protegidas ou modificar as existentes. As descobertas dos pesquisadores enfatizam que a Área de Conservação Transfronteiriça Kavango-Zambeze atende amplamente às necessidades de dispersão de cães selvagens africanos, dando uma importante contribuição para a conservação desta espécie ameaçada de extinção na África Austral. “Em última análise, expandir a rede de corredores de vida selvagem não ajuda apenas os cães selvagens africanos. Outras espécies que vivem no mesmo ecossistema, como leões, elefantes e guepardos, também serão beneficiadas”, diz Hofmann.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade de Zurique. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo