Animais

Quando as coisas ficam difíceis, o que é considerado uma luta? Os biólogos descobrem uma nova maneira de decidir se devem agrupar comportamentos animais semelhantes. Isso pode ajudar todos os especialistas em comportamento animal. – Ciência Diária


Os biólogos costumam estudar a sociabilidade animal coletando observações sobre vários tipos de interações comportamentais. Essas interações podem ser coisas como brigas severas, pequenas brigas, compartilhar alimentos cooperativos ou consertar um ao outro.

Mas, para analisar o comportamento animal, os pesquisadores devem tomar decisões sobre como categorizar essas interações e como codificar esses comportamentos durante a coleta de dados. Acontece que esta pergunta pode ser complicada.

Pesquisadores da Universidade de Cincinnati investigaram essa questão complicada enquanto estudavam periquitos monge. Em nova pesquisa, publicada na revista Zoologia atual, a equipe perguntou: Como dois comportamentos aparentemente semelhantes são classificados corretamente? O estudo foi conduzido pela pesquisadora de pós-doutorado da UC Annemarie van der Marel, que trabalhou com os alunos de doutorado da UC Sanjay Prasher, Claire O’Connell e Chelsea Carminito, e a professora assistente da UC Elizabeth Hobson.

“Os biólogos precisam lidar com esta questão: os comportamentos que classificamos como únicos são realmente percebidos como únicos pelos animais?” Hobson disse. “Como os animais classificam esses comportamentos?”

Vieses podem facilmente enganar os pesquisadores ao tomar essas decisões. “Se você olhar para os chimpanzés, sorrir é um comportamento agressivo. Mas, em humanos, sorrir é amigável”, disse van der Marel. “Os comportamentos são semelhantes aos nossos, mas as nuances de como eles são usados ​​são muito diferentes.”

Os periquitos monge são papagaios altamente sociais que vivem em grandes colônias, onde freqüentemente interagem com outros indivíduos. Os periquitos passam grande parte do dia lutando, especialmente os pássaros de classificação mais alta, o que torna fácil distingui-los dos pássaros de classificação mais baixa na hierarquia de dominação, disse O’Connell. Os pássaros mostram agressão de várias maneiras. Eles mordem, é claro. Mas os periquitos monge também gostam de assumir a posição de outro papagaio por meio de ameaça ou força.

Os biólogos da UC observaram dois tipos desse comportamento “rei da colina”: “drifts”, em que um pássaro ataca outro pássaro e pode morder para afastá-lo, e “aglomeração”, em que um pássaro ameaçado se move antes de um agressor dentro. alcance da mordida. A equipe codificou esses comportamentos como distintos porque pareciam diferir no nível de agressão, e os deslocamentos pareciam uma forma mais severa de agressão com maior potencial para lesões.

Os periquitos também usavam esses comportamentos de maneira um pouco diferente, com deslocamentos ocorrendo com muito mais frequência do que aglomeração.

A questão é: esses comportamentos foram essencialmente usados ​​da mesma maneira pelas aves, de modo que pudessem ser tratados como os mesmos tipos de eventos em análises posteriores?

A combinação de dois comportamentos traz importantes benefícios de pesquisa, como a criação de um conjunto de dados mais rico para análises futuras. Mas o agrupamento também traz um risco: ao generalizar, os cientistas podem perder nuances de comportamentos que transmitem informações importantes quando consideradas por conta própria, disse Hobson.

Para chegar ao fundo dessa questão, a equipe se voltou para a análise computacional. Eles criaram um novo modelo de computador que comparou os padrões reais de agressão aos que foram randomizados. Essa abordagem permitiu à equipe testar se tratar os dois comportamentos como intercambiáveis ​​levou a mudanças na estrutura social. “Além de ser uma grande experiência de ligação de laboratório, foi uma oportunidade empolgante de aprender como usar simulações para ajudar a responder a perguntas de pesquisa”, disse Prasher.

No estudo da UC, sua análise computacional apoiou a combinação dos dois comportamentos. Para a equipe da UC, esses resultados irão ajudá-los a planejar suas análises futuras enquanto trabalham para entender a vida social complexa desses periquitos. De forma mais geral, van der Marel disse que a nova estrutura também pode ajudar outros pesquisadores do comportamento animal a tomar decisões informadas e baseadas em dados sobre quando agrupar comportamentos e quando separá-los.

Fonte da história:

materiais fornecido por Universidade de Cincinnati. Original escrito por Michael Miller. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo