Animais

Pesquisadores identificam uma nova fonte de proteína para humanos

Traduzido de Science Daily

A colza tem potencial para substituir a soja como a melhor fonte de proteína vegetal para humanos. Em um estudo atual, cientistas de nutrição da Universidade Martin Luther Halle-Wittenberg (MLU) descobriram que consumir proteína de colza tem efeitos benéficos comparáveis ​​no metabolismo humano como a proteína de soja. O metabolismo da glicose e a saciedade foram ainda melhores. Outra vantagem: as proteínas podem ser obtidas a partir dos subprodutos da produção do óleo de colza. O estudo foi publicado na revista Nutrientes.

Para uma alimentação saudável e equilibrada, os seres humanos precisam de proteínas. “Ele contém aminoácidos essenciais que não podem ser sintetizados no corpo”, diz o professor Gabriele Stangl do Instituto de Ciências Agrícolas e Nutricionais da MLU. Carne e peixe são fontes importantes de proteínas de alta qualidade. No entanto, certas plantas também podem fornecer proteínas valiosas. “A soja é geralmente considerada a melhor fonte de proteína vegetal, pois contém uma composição particularmente benéfica de aminoácidos”, diz Stangl.

Sua equipe investigou se a colza, que tem uma composição de aminoácidos comparativamente benéfica, poderia ser uma alternativa à soja. A colza também contém fitoquímicos, compostos químicos produzidos por plantas, que podem ter efeitos benéficos para a saúde, diz Stangl. “Até agora, apenas alguns dados estavam disponíveis sobre o efeito da ingestão de proteína de colza em humanos”, acrescenta o cientista. Em comparação com a soja, a colza tem outras vantagens: ela já está sendo cultivada na Europa e os subprodutos ricos em proteínas da produção de óleo de colza podem ser usados ​​como ingredientes para novos produtos alimentícios. Atualmente, esses subprodutos são utilizados exclusivamente para ração animal.

Em um estudo com 20 participantes, a equipe investigou o efeito das proteínas ingeridas de soja e colza no metabolismo humano. Antes das intervenções, os participantes foram solicitados a documentar suas dietas por alguns dias. Eles foram então convidados a comer uma refeição preparada especificamente em três dias diferentes: macarrão com molho de tomate, que não continha nenhuma proteína adicional ou era enriquecido com proteína de soja ou colza. Após a refeição, o sangue foi coletado dos participantes regularmente durante um período de seis horas. “Usando este desenho de estudo, fomos capazes de avaliar a resposta metabólica aguda de cada participante do estudo aos tratamentos dietéticos.” Stangl diz.

O estudo mostrou: “A proteína da colza induziu efeitos comparáveis ​​sobre os parâmetros metabólicos e fatores de risco cardiovasculares como a proteína da soja. A colza produziu até uma resposta de insulina ligeiramente mais benéfica no corpo”, disse o nutricionista da MLU, Christin Volk. . Outro benefício foi que os participantes tiveram uma sensação de saciedade por mais tempo após comer a proteína da colza. “Para concluir, o estupro parece ser uma alternativa valiosa à soja na dieta humana”, disse Volk.

A única desvantagem: “A proteína de colza, ao contrário da proteína de soja, tem sabor de mostarda”, diz Volk. Por isso, a colza é mais indicada para a produção de alimentos salgados do que doces, explica a pesquisadora.

O trabalho foi apoiado pela Union for Oil and Plant Technology e.V. (UFOP, número de concessão: 528/181).

Fonte da história:

materiais fornecido por Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo