Animais

Patos, ratos, camundongos, porcos e galinhas tinham pouca ou nenhuma suscetibilidade à infecção

[ad_1]

Os humanos, seguidos dos furões e, em menor medida, dos gatos, algas e cães são os animais mais suscetíveis à infecção pelo SARS-CoV-2, de acordo com uma análise de dez espécies diferentes por pesquisadores do Centro de Regulação Genómica (CRG), com sede em Barcelona.

Os resultados, publicados em PLOS Biologia Computacional, descobriram que patos, ratos, camundongos, porcos e galinhas tinham menos ou nenhuma suscetibilidade à infecção em comparação com humanos.

“Saber quais animais são suscetíveis ao SARS-CoV-2 nos ajuda a prevenir o acúmulo de reservatórios animais dos quais o coronavírus pode ressurgir posteriormente”, diz Luis Serrano, professor de pesquisa do ICREA, diretor do CRG e autor estudo principal. “Nossas descobertas oferecem uma pista de por que os visons, que estão intimamente relacionados ao furão, estão sendo infectados pela doença, que provavelmente piorará devido às condições de vida superlotadas e ao contato próximo com trabalhadores humanos.”

“Embora também tenhamos encontrado uma potencial suscetibilidade à infecção por gatos, eles não coexistem com humanos nas mesmas condições que outros animais, o que pode explicar porque até agora não há casos conhecidos de pessoas infectadas por seus animais de estimação.” acrescenta o Dr. Serrano.

Neste artigo dez espécies foram estudadas. Cinco espécies (humanos, gatos, furões, civetas e cães) tiveram casos documentados de infecção por SARS-CoV-2. Não há relatos de infecção nas outras cinco espécies: camundongos, ratos, porcos, galinhas e patos.

Os pesquisadores usaram modelagem de computador para testar como o coronavírus usa suas proteínas de pico, que se projetam da superfície do vírus, para se infiltrar nas células de diferentes animais. O principal ponto de entrada na superfície de uma célula é o receptor ACE2, que se liga à proteína spike por meio de um mecanismo de bloqueio e chave. Existem muitas variantes diferentes de ACE2 nas populações humanas e em diferentes espécies.

Variantes do receptor ACE2 em humanos seguidos por furões, gatos, cães e civetas têm as maiores afinidades de ligação para a proteína viral, enquanto camundongos, ratos, galinhas e patos têm baixa energia de ligação.

No entanto, a afinidade de ligação por si só não é suficiente para medir a suscetibilidade de uma célula à infecção. Os pesquisadores também testaram o “índice de adaptação do códon” das diferentes espécies, que mostra a eficácia do coronavírus em assumir o controle da máquina celular, uma vez que ela entrou. Quanto mais eficiente for o processo, melhor o coronavírus será capaz de criar as proteínas de que precisa para se replicar.

Humanos, galinhas e patos têm o maior índice de adaptação de códons, enquanto outras espécies são menos bem adaptadas.

Levando em consideração a afinidade de ligação e o índice de adaptação do códon, os pesquisadores concluem que os humanos, seguidos por furões, gatos, algas e cães, são os animais mais suscetíveis à infecção por coronavírus.

Eles também descobriram que diferentes variantes humanas de ACE2 mostraram diferenças na estabilidade e na ligação à proteína spike, uma sensibilidade que pode ser a base do motivo pelo qual algumas pessoas sofrem de sintomas graves de COVID-19.

“Identificamos mutações na proteína S que reduzem drasticamente a capacidade do SARS-CoV-2 de entrar na célula, protegendo o hospedeiro da captura pela Covid-19”, disse Javier Delgado, pesquisador do CRG e primeiro autor do estudo. “Estamos agora projetando miniproteínas da proteína humana ACE2 para ‘distrair’ o vírus de entrar nas células e bloquear uma infecção. Se surgirem novas mutações na proteína viral do pico, poderíamos criar novas variantes para bloqueá-las.”

Compreender a infecciosidade do SARS-CoV-2 em diferentes espécies pode informar melhor as medidas de saúde pública, ajudar a reduzir o contato humano com outros animais suscetíveis e prevenir o possível prolongamento da pandemia de COVID-19.

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo