Animais

Onde está meu coelho do tamanho de um cavalo? Falta de diversidade de tamanhos em coelhos e lebres

[ad_1]

Juntamente com os vídeos de gatos, assistir a coelhinhos fofos é provavelmente um dos passatempos mais populares da Internet. Além disso, eles aparecem na literatura e no folclore tradicional que abrange várias culturas, provavelmente graças ao fato de que os coelhos residem em todos os continentes, exceto na Antártica.

No entanto, apesar de sua onipresença, lagomorfos, incluindo coelhos, lebres e pikas, são bastante limitados em sua diversidade de tamanhos. Compare isso com suas irmãs evolucionárias, roedores, que variam em tamanho de camundongos pigmeus de quatro gramas a capivaras que pesam até 50 quilos.

Então, por que não vemos coelhos que rivalizam com o tamanho dos cavalos?

Para responder a essa pergunta, uma equipe de pesquisa liderada pelo Instituto de Pesquisa de Primatas da Universidade de Kyoto investigou o registro fóssil e a história evolutiva dos lagomorfos. Em um estudo de revista Evolução, a equipe relata que os maiores competidores herbívoros eram uma restrição evolutiva que limitava o tamanho dos coelhos.

“Os maiores lagomorfos selvagens vivos pesam apenas 5 kg em média, um décimo do maior roedor vivo, a capivara”, diz o primeiro autor Susumu Tomiya.

“Mas algumas raças de coelhos domésticos e outras espécies extintas podem pesar até 8 kg. Ficamos surpresos com isso e começamos a investigar que tipos de forças externas impedem que lagomorfos selvagens em todo o mundo evoluam para tamanhos maiores de corpo.”

Os cientistas começaram observando os fatores ecológicos e descobriram que o tamanho do corpo dos ungulados (animais com cascos) é o indicador mais influente.

“Em seguida, comparamos quanta energia as populações de lagomorfos e ungulados usam em relação ao tamanho de seu corpo”, continua Tomiya, “descobrindo que lagomorfos pesando mais de seis quilos estão energeticamente em desvantagem competitiva com ungulados do mesmo tamanho.”

Finalmente, a equipe revisou o registro fóssil de lagomorfos na América do Norte e descobriu que o melhor preditor do tamanho máximo do corpo era o do menor ungulado contemporâneo.

“Vemos esse padrão hoje em várias ecorregiões, sugerindo que há um ‘teto’ evolutivo colocado nos lagomorfos por seus concorrentes ungulados”, explica Tomiya.

Essas descobertas sugerem que os processos bióticos competitivos podem desempenhar um papel importante na formação da história evolutiva das ordens dos mamíferos, trabalhando lado a lado com processos abióticos, como mudanças no clima.

“Um debate em curso na biologia evolutiva se preocupa se os processos biológicos ou ambientais são mais importantes na formação da diversidade biológica”, afirma Tomiya, “como caracterizado pelas hipóteses da ‘rainha vermelha’ e do ‘bobo da corte’.”

“Há algum tempo, o modelo do bobo da corte, que atribui diversidade a forças abióticas como o clima, é dominante, devido à dificuldade de estudar as interações biológicas no registro fóssil”.

Os resultados da equipe mostram que as interações bióticas desempenham um papel importante na orientação das trajetórias evolutivas de algumas espécies, dentro do contexto mais amplo de influências abióticas.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade de Kyoto. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo