Animais

O ácido domóico aumenta o risco de doenças cardíacas fatais para lontras em um oceano aquecido

[ad_1]

A doença cardíaca é uma ameaça mortal para as lontras do mar do sul que se alimentam de ácido domóico em sua cadeia alimentar, de acordo com um estudo conduzido pela Universidade da Califórnia em Davis.

O estudo, publicado na revista Algas prejudiciais, examinou a relação entre a exposição de longo prazo ao ácido domóico e doenças cardíacas fatais em lontras marinhas do sul, um mamífero marinho ameaçado.

“As lontras marinhas são um indicador incrível do que está acontecendo no ambiente costeiro, não apenas para outros animais marinhos, mas também para nós, especialmente no que diz respeito ao ácido domóico”, disse Christine K. Johnson, diretora do EpiCenter for Disease Dynamics no One Health Institute da UC Davis College of Veterinary Medicine e principal autor do estudo.

EM ÁGUA QUENTE

O ácido domóico é uma neurotoxina que se acumula na cadeia alimentar, contaminando caranguejos e amêijoas, presas comuns das lontras marinhas. É produzido pela proliferação de algas prejudiciais, que geralmente ocorrem quando a água está excepcionalmente quente. Por exemplo, uma enorme “mancha” de água quente em 2015 criou uma proliferação tóxica generalizada ao longo da costa oeste, fazendo com que os níveis de ácido domóico aumentassem e forçando o encerramento da pesca do caranguejo Dungeness naquela temporada.

As projeções das mudanças climáticas indicam que a proliferação tóxica e a exposição ao ácido domóico continuarão a aumentar. As temperaturas oceânicas mundiais em 2020 foram as terceiras mais altas já registradas, e os cinco anos mais quentes já registrados para os oceanos ocorreram nos últimos cinco anos.

LONTRAS SUPER EXPOSTAS

Para identificar as causas ecológicas das doenças cardíacas, os cientistas combinaram vários conjuntos de dados de ácido domóico com dados de história de vida detalhados de 186 lontras do mar do sul liberados na Califórnia de 2001 a 2017. Desses animais, relatórios de necropsia mostram que a doença cardíaca foi a causa da morte por 34 das 48 lontras que morreram naquela época.

Os cientistas descobriram que a exposição ao ácido domóico aumentou o risco de uma lontra marinha morrer de doença cardíaca 1,7 vezes. O risco é até 2,5 vezes maior para lontras que consomem grande proporção de caranguejos e amêijoas, que acumulam ácido domóico em seus tecidos, ajudando a persistir na cadeia alimentar.

O estudo também foi o primeiro a demonstrar uma tendência perturbadora e inesperada: a exposição ao ácido domóico é especialmente prejudicial para as lontras marinhas adultas em idade produtiva, cuja sobrevivência é vital para o crescimento populacional.

“Isso é preocupante para a recuperação de longo prazo da população de lontras do mar do sul, que são uma espécie ameaçada”, disse a autora principal Megan Moriarty, veterinária da vida selvagem que conduziu esta pesquisa para seu doutorado. Doutora em epidemiologia na UC Davis. “Este estudo enfatiza que o ácido domóico é uma ameaça que não vai embora. É uma toxina na cadeia alimentar e é bastante comum.”

A infecção por Toxoplasma gondii, um parasita associado às fezes de gatos selvagens e selvagens em terra que atinge o oceano, também aumentou o risco de doença cardíaca fatal em 2,4 vezes.

A co-autora Melissa Miller, veterinária e patologista do Departamento de Peixes e Vida Selvagem da Califórnia e afiliada ao One Health Institute da UC Davis, conduziu recentemente um estudo separado examinando as causas de morte de lontras marinhas.

“Melhorar nossa compreensão dos efeitos do ácido domóico na saúde e na recuperação da população de lontras do mar do sul é extremamente importante”, disse Miller sobre o estudo do ácido domóico. “Dada sua biologia única e dieta especializada, as lontras marinhas são extremamente vulneráveis ​​à proliferação de algas tóxicas, que podem piorar com a mudança climática. Portanto, os resultados deste trabalho têm implicações de longo alcance.”

O estudo foi financiado pela Morris Animal Foundation e pela National Science Foundation.

Fonte da história:

materiais fornecido por Universidade da Califórnia – Davis. Original escrito por Kat Kerlin. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo