Animais

Novos insights sobre encontros próximos entre albatrozes e barcos de pesca


Uma nova análise de encontros de embarcações de pesca comercial-albatroz no Oceano Pacífico Norte está fornecendo aos pesquisadores uma nova compreensão importante das interações entre aves marinhas e embarcações que podem ajudar a reduzir encontros prejudiciais.

O novo método de pesquisa, que combina dados de localização de albatrozes marcados com GPS e embarcações de pesca comercial, permite aos pesquisadores identificar com precisão os encontros entre pássaros e navios e entender melhor o comportamento das aves, as condições ambientais e as características que influenciam esses encontros.

“É difícil conceituar a frequência com que os pássaros encontram navios em mar aberto, mas com esses novos dados, torna-se realmente evidente”, disse Rachael Orben, professora assistente do Departamento de Peixes e Vida Selvagem da Faculdade de Ciências Agrárias dos Estados Unidos Estados Unidos. Oregon State University. e o principal autor do estudo. “Algumas dessas aves estão em um ambiente onde veem barcos o tempo todo, enquanto outras estão em um ambiente onde raramente veem barcos.”

Os resultados acabam de ser publicados no Journal of Applied Ecology. Os co-autores incluem Leigh Torres, professor associado do Instituto de Mamíferos Marinhos da OSU, e David Kroodsma, diretor de pesquisa e inovação da Global Fishing Watch, uma organização sem fins lucrativos dedicada a promover a governança dos oceanos por meio de maior transparência da atividade humana no mar. .

Os albatrozes são aves marinhas grandes e longevas que vagueiam amplamente no oceano aberto. Três espécies de albatrozes são encontradas no Pacífico Norte: o albatroz-de-perna-preta, o albatroz-de-cauda-curta e o albatroz-de-cauda-curta. Todas as três espécies são de grande preocupação para a conservação e o albatroz-de-cauda-curta está listado como ameaçado de extinção pela Lei de Espécies Ameaçadas.

A pesca pode oferecer oportunidades para as aves forragearem, mas não sem riscos, incluindo a ameaça de captura acidental. Captura acidental é o termo para peixes, pássaros ou outros animais capturados acidentalmente e inclui interações com barcos e equipamentos de pesca.

Os pesquisadores têm usado a biologia, a prática de conectar dispositivos de registro de dados a animais, para rastrear movimentos individuais de pássaros no mar por mais de 20 anos. Mas eles não tiveram muito acesso a informações sobre a localização dos barcos, que é uma peça crítica para entender o quebra-cabeça da interação entre aves marinhas e peixes, disse Torres.

Torres soube que o Global Fishing Watch estava processando e disponibilizando dados do Sistema de Identificação Automática, ou AIS, sistema de rastreamento automático que utiliza transceptores em navios. Os dados incluem informações sobre o tamanho do barco, movimento, método de pesca e muito mais. O acesso aos dados foi uma “virada de jogo”, disse ele.

“Com seus dados, você pode rastrear embarcações individuais”, disse Torres. “Você pode obter informações precisas sobre a localização de um navio, seu tamanho, o tipo de equipamento que usa e a nação da bandeira do navio.”

Os objetivos do Global Fishing Watch incluem tornar a pesca comercial em alto mar mais transparente para o público, melhorar a regulamentação da pesca e garantir a sustentabilidade dos recursos oceânicos.

“Este estudo representa uma nova fronteira em nossa capacidade de entender como a pesca afeta a vida marinha”, disse David Kroodsma, diretor de pesquisa e inovação da Global Fishing Watch. “Os dados de rastreamento de embarcações, coletados por satélites e processados ​​com aprendizado de máquina, podem ser uma ferramenta poderosa para analisar como a biodiversidade e os navios de pesca interagem no mar.”

Membros da equipe de pesquisa já haviam coletado dados de rastreamento de albatrozes de albatrozes adultos de patas negras e Laysan que se reproduzem no Papah? Naumoku? Kea nas ilhas do noroeste do Havaí; Nidificação do albatroz de Laysan em Oahu, Havaí; e albatrozes de cauda curta juvenis nativos de suas colônias no Japão.

Os pesquisadores foram capazes de combinar dados de barcos de pesca com dados de rastreamento de albatrozes marcados com GPS durante os mesmos períodos para identificar e localizar onde as interações barco-pássaro ocorrem em todo o Oceano Pacífico Norte.

Quando os pássaros estão a 30 quilômetros de um navio, os pesquisadores presumiram que o albatroz estava ciente da presença do navio, disse Orben. Quando o pássaro estava a menos de 3 quilômetros do navio, os pesquisadores presumiram um encontro próximo entre os dois. A equipe de pesquisa então modelou os motivadores para esses encontros imediatos.

“Com esses modelos, podemos começar a entender por que os pássaros às vezes interagem e às vezes não interagem com um barco de pesca”, disse Torres. “Essas informações podem ajudar a identificar como e quando esforços devem ser feitos para garantir que essas interações não dêem errado para a ave. Conforme começamos a identificar padrões, podemos potencialmente ajudar a mitigar esses eventos de captura acidental.”

Entre as descobertas dos pesquisadores:

  • Quando os pássaros estão em trânsito, onde viajam diretamente de um lugar para outro, é improvável que parem e se envolvam com um barco. Mas quando estão em um estado de forrageamento, é mais provável que parem.
  • As características da embarcação, incluindo o método de pesca e a nação de bandeira da embarcação, não parecem ser fatores na interação de uma ave com uma embarcação.
  • Em áreas onde há muita pesca, o albatroz-de-cauda-curta e o albatroz-de-Laysan estão associados com mais frequência aos barcos pesqueiros.
  • Os albatrozes de cauda curta tinham maior probabilidade de permanecer em um barco por um período mais longo em condições de vento mais fraco.

“Esses resultados indicam que pode ser mais importante usar métodos de mitigação de capturas acessórias de um navio de pesca em condições de vento fraco”, disse Torres. “Coisas como essa podem ajudar a orientar os esforços para reduzir a captura acidental de aves marinhas. Os melhores regulamentos são aqueles que são menos onerosos para os pescadores e os mais eficazes.”

A estrutura de análise desenvolvida pelos pesquisadores pode ser usada para estudar encontros entre barcos de pesca e outras aves marinhas ou mamíferos marinhos. As informações coletadas através do estudo dessas interações também podem ajudar a informar as decisões de gestão da pesca, disseram os pesquisadores.

“Nosso estudo é realmente um dos primeiros a observar a sobreposição em grande escala entre os barcos pesqueiros e os animais marinhos em alto mar, em águas internacionais”, disse Torres. “Isso abre uma compreensão totalmente nova da dinâmica entre animais e barcos. Este trabalho pode ajudar a comunidade pesqueira a pescar melhor e ajudar essas aves marinhas a sobreviver e prosperar.”


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo