Animais

Muitas manchas oculares anteriores são ruins para borboletas


Muitas espécies de borboletas têm marcas circulares distintas, conhecidas como manchas oculares nas asas, e as funções desses anéis de cores contrastantes variam. Uma teoria de longa data é que eles servem como defesas contra predadores: pequenos pontos oculares ao longo da margem das asas podem proteger as borboletas ao direcionar os predadores para atacar partes menos importantes do corpo, como as asas traseiras, o que lhes permite escapar.

A maioria das borboletas da família das ninfalídeos tem metade do número de manchas oculares nas asas dianteiras em comparação com as asas traseiras. Em particular, isso foi observado na borboleta do arbusto marrom. Bicyclus anynana.

Uma pesquisa recente de biólogos da Universidade Nacional de Cingapura (NUS) buscou entender o impacto da distribuição desigual das manchas oculares. A equipa, liderada pela Professora Antónia Monteiro, do Departamento de Ciências Biológicas da NUS, concluiu que a localização destas manchas oculares é fundamental para a sua função protetora.

Em seus estudos, os pesquisadores descobriram que variantes da borboleta marrom do mato que têm mais manchas nos olhos nas asas dianteiras sofreram níveis mais elevados de ataques de predadores nessas asas, que são cruciais para o vôo. Em última análise, isso levou a um aumento nas taxas de predação bem-sucedida, causando um declínio em sua população. A equipe também descobriu que essa variante botava menos ovos devido à sua morte mais rápida e, portanto, tinha menor aptidão, em termos evolutivos, do que aquelas com menos manchas oculares nas asas anteriores.

As descobertas foram publicadas pela primeira vez no jornal. Anais da Royal Society B em 26 de maio de 2021.

Observando o comportamento de predadores

Em uma série de experimentos de predação, a equipe de pesquisa observou o comportamento de louva-a-deus ao atacar duas variantes de borboletas marrom com diferentes números de manchas nos olhos nas asas dianteiras. As borboletas do primeiro grupo tinham, cada uma, duas manchas nos olhos nas asas anteriores, enquanto as do outro grupo tinham quatro. Os resultados mostraram que as borboletas com duas manchas oculares adicionais no segundo grupo experimentaram ataques mais intensos nas asas anteriores, além dos ataques típicos nas asas posteriores.

“As borboletas podem lidar com asas traseiras danificadas, mas suas asas dianteiras são críticas para todos os estágios do vôo, desde o vôo geral até manobras evasivas. Com mais danos nas asas dianteiras, essas borboletas têm menos probabilidade de escapar de ataques e, mesmo se eles eles teriam dificuldade em sobreviver a ataques futuros. A partir deste experimento, fica claro que a asa dianteira com mais manchas nos olhos se torna um alvo mais importante para os predadores “, explicou o Dr. Ian Chan, pesquisador do Departamento de NUS de Ciências Biológicas, que fez parte da equipe de pesquisa.

Para demonstrar os efeitos dos ataques do louva-a-deus às borboletas, os pesquisadores analisaram três indicadores da aptidão da borboleta: a quantidade de danos nas asas que sofreram, o número de ovos postos e a expectativa de vida. A equipe descobriu que, em comparação com borboletas com menos manchas nas asas anteriores, aquelas com mais manchas nos olhos receberam mais danos nas asas anteriores, botaram menos ovos e tiveram uma expectativa de vida mais curta.

Desvendando os mistérios dos padrões das manchas oculares

“Nossas descobertas demonstram como a localização das manchas oculares nas asas das borboletas influencia e é influenciada pelo comportamento de seus predadores, revelando mais sobre a complexidade por trás de como os animais se comunicam entre si. Essa descoberta levanta mais questões sobre por que algumas espécies das borboletas têm o padrão oposto, com mais manchas nos olhos nas asas dianteiras do que nas traseiras ”, disse o professor Monteiro.

Para aprofundar sua compreensão, os pesquisadores do NUS estão procurando investigar comunidades inteiras de predadores-presas para descobrir mais motivadores da diversidade do número de manchas oculares em borboletas.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade Nacional de Singapura. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo