Animais

Lambs Break Your Silence – ScienceDaily


Um estudo de ossos antigos mostra que os criadores de ovelhas do início do Neolítico enfrentavam altos níveis de mortalidade entre os animais jovens em seus rebanhos. Um modelo estatístico, desenvolvido em parte no Ludwig-Maximilians-Universitaet (LMU) em Munique, tornou possível determinar com precisão a distribuição de idade dos ossos.

No oitavo milênio AC. C., os primeiros pastores de ovelhas já sabiam que as condições em que seus animais eram alojados influenciavam as taxas de mortalidade dos cordeiros. Este é o resultado de um estudo que os pesquisadores liderados por Nadja Pöllath (curadora da Coleção Estadual de Antropologia e Paleoanatomia em Munique), o zooarqueólogo Joris Peters (que também é o Diretor da coleção estadual) e o estatístico Sevag Kevork da LMU agora realizaram um olhar mais atento aos ossos de cordeiros em gestação e recém-nascidos, que fazem parte do acervo estudado por eles. O material vem do sítio neolítico inicial Aşıklı Höyük, um dos maiores e mais bem pesquisados ​​assentamentos desse período na Anatólia central. O local foi ocupado de 8350 a cerca de 7300 aC. C., e o estudo revela que a expectativa de vida dos cordeiros recém-nascidos aumentou gradativamente durante esse período. Os pesquisadores atribuem essa descoberta a melhorias na criação do rebanho, que permitiu que uma proporção maior de recém-nascidos sobrevivesse ao período de lactação e pudesse pastar em pastagens próximas.

Os vestígios arqueológicos descobertos em Aşıklı Höyük fornecem informações valiosas, não apenas sobre sua arquitetura doméstica e práticas culturais, mas também sobre a vegetação circundante e as dietas das pessoas e animais que vivem na área. Além disso, lança luz sobre o desenvolvimento da agricultura e da pecuária durante o início do período Neolítico. Os resultados indicam que, na fase inicial do povoamento, seus habitantes ainda obtinham sua carne principalmente da caça. Mais tarde, porém, animais domésticos, principalmente ovelhas, forneceram grande parte da proteína animal consumida. A descoberta de camadas de esterco compactado dentro do assentamento indica que as ovelhas foram mantidas por períodos mais longos dentro dos limites do assentamento.

Uma nova análise da distribuição de idade dos ossos de animais encontrada em Aşıklı Höyük ilustra os problemas enfrentados pelos primeiros pastores de ovelhas e como eles aprenderam a mitigá-los. A maioria das abordagens convencionais usadas para determinar a idade exata em que os animais morreram concentra-se nos dentes. No entanto, esses métodos não são sensíveis o suficiente para permitir aos pesquisadores diferenciar com segurança entre os estágios de desenvolvimento em animais muito jovens, neste caso, ovelhas que cobrem a faixa etária de fetos a recém-nascidos e juvenis.

Para determinar a idade de fetos e cordeiros com a maior precisão possível, os pesquisadores desenvolveram um novo modelo estatístico. Eles primeiro analisaram a morfologia do úmero ou osso do braço em uma amostra de raças modernas de ovelhas, com base em material contido em coleções de referência anatômica nos Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, Portugal e Alemanha. E usaram os resultados para construir um modelo comparativo. Modelo neolítico de ovelhas. Desta forma, a idade de morte dos ossos de cordeiro de Aşıklı Höyük pode ser determinada com precisão. “Nossas análises foram de grande valor para nos permitir reduzir a gama de idades possíveis de morte em fetos e cordeiros”, disse Nadja Pöllath. “Agora entendemos melhor as dificuldades enfrentadas pelos primeiros pastores nos estágios iniciais da domesticação de ovelhas em Aşıklı Höyük.” As infecções foram as principais causas de mortalidade precoce, junto com a desnutrição e deficiências alimentares. Além disso, os animais foram mantidos em condições de superlotação. Quando eles foram posteriormente autorizados a ir para a grama, sua saúde melhorou. Dados zooarqueológicos também sugerem que, no final da ocupação de Aşıklı Höyük, a mortalidade fetal diminuiu e mais cordeiros sobreviveram. O professor Peters conclui: “Nossa pesquisa mostra pela primeira vez que aprender fazendo determinou a fase inicial da criação de animais no 9º e 8º milênios aC”.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Ludwig-Maximilians-Universität München. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo