Animais

Importância da história natural e conservação do gato selvagem chinês

[ad_1]

Sabemos que o gato doméstico tem parentes distantes que vagam pela terra: leões, tigres, chitas e pumas. Menos conhecidas são as 38 espécies diferentes da Família Felidae, muitas com nomes estranhos como gato pampas, kodkod e gato malhado enferrujado. O novo campo da genômica, a descoberta de genomas de DNA de espécies separadas, está resolvendo velhos quebra-cabeças e revelando novos segredos ao longo da história de espécies evolutivamente relacionadas entre gatos, cães, ursos e nós mesmos.

No maior estudo já realizado com gatos chineses, os detetives genéticos destacam a singularidade evolutiva e a importância primordial para a conservação do evasivo gato selvagem chinês (Felis silvestris bieti), que é encontrado apenas no planalto tibetano da China. Também chamado de gato chinês do deserto ou gato da estepe, o gato selvagem chinês tem uma aparência distinta de pelo arenoso, com listras escuras esmaecidas, cauda grossa e pupilas azul-claras.

A pesquisa é publicada em Progresso da ciência.

Este novo estudo comparou três felinos diferentes que vivem na China: o gato da montanha chinês, Felis silvestris bieti, o gato selvagem asiático Felis silvestris ornatae gatos domésticos selvagens Felis silvestris catus. O gato selvagem asiático tem um padrão distinto de pelo manchado em uma ampla variedade que se estende do Mar Cáspio no leste ao oeste da Índia e sul da Mongólia até partes do oeste da China. Aproximadamente 600 milhões de gatos domésticos são encontrados em todo o mundo.

O estudo foi liderado pelo Laboratório de Diversidade Genômica da Universidade de Pequim, em Pequim, e apoiado por uma equipe internacional que inclui pesquisadores genéticos da Nova Southeastern University, nos EUA e na Malásia. Os dados genômicos resolvem uma incerteza de classificação taxonômica, revelam o momento da divergência evolutiva e apontam para as perspectivas de sobrevivência de uma importante espécie em extinção.

Usando 270 amostras individuais, o estudo de genética molecular descobriu que o gato selvagem chinês é uma subespécie única de uma ampla gama de gatos selvagens. Felis silvestris. A espécie de gato selvagem é encontrada na Europa, África e grande parte da Ásia Ocidental. O Felis silvestris bieti A subespécie, no entanto, é encontrada apenas na China e é adaptada às presas e ao clima alpino do planalto tibetano.

Aplicando a hipótese do relógio molecular, a data da divisão evolutiva entre F. s. bieti Y F. s. ornata foi estimado em cerca de 1,5 milhão de anos atrás, enquanto a distância genética dos dois para o mais próximo Felis parente da espécie, o gato de pés pretos, Felis nigripes é o dobro de 3,0 MY. Esses tempos diferentes apóiam a classificação de F. s. ornata Y F. s. bieti como uma subespécie de Felis silvestris. Uma subespécie intimamente relacionada da Ásia Central e do Norte da África, Felis silvestris lybica , é o predecessor claro dos gatos domésticos do mundo, incluindo os de toda a China. O processo de domesticação dos gatos ocorreu de 10 a 12 mil anos atrás no Oriente Próximo, mais ou menos na mesma época e lugar, quando os ancestrais da humanidade se transformaram de caçadores-coletores itinerantes em fazendeiros sedentários na região do Crescente Fértil.

O gato selvagem chinês enfrenta várias ameaças significativas, uma das quais vem de práticas agrícolas modernas que desviam habitat precioso. Uma segunda ameaça mais existencial é o cruzamento com gatos domésticos trazidos pela crescente população humana para o habitat limitado do gato. E, finalmente, a mudança climática, que pode estar expandindo a gama de gatos selvagens vizinhos em sua terra natal.

“Este estudo ajudará os cientistas conservacionistas a identificar ameaças e decidir as melhores maneiras de conservar este gato especial em sua área nativa”, disse Stephen J. O’Brien, Ph.D., geneticista e cientista pesquisador do Halmos College of Arts em NSU . e Ciências.

O estudo solidifica o status taxonômico do lince, Felis silvestris lybica, por meio de uma análise do genoma do gato, colocando o gato em um contexto evolutivo em relação a outras espécies e subespécies de gatos. Essas distinções taxonômicas misteriosas são importantes para a conservação porque os cientistas devem ter certeza de que todos estão falando sobre o mesmo animal ao discutir estratégias, e não menos porque as proteções legais devem ser específicas para o grupo em questão. Sem uma taxonomia acordada, as proteções legais e a conservação param.

Outro resultado importante deste estudo é a descoberta de que os gatos domésticos na China são derivados do mesmo rebanho comum e origem dos gatos domésticos em todo o mundo, e que não havia origem independente de domesticidade na China. Estudos anteriores sugeriram associações estreitas entre as primeiras comunidades agrícolas chinesas e animais selvagens locais, incluindo gatos selvagens asiáticos, e que alguns desses animais podem ter começado a passar da natureza para viver com pessoas em comunidades estabelecidas.

O que o estudo atual mostra é que isso não aconteceu com os gatos domésticos; agora o foco da investigação pode mudar para determinar – por quê? Por que algumas espécies foram domesticadas em um lugar, mas não em outros? Por que esses processos aconteceram quando aconteceram, e quais foram as condições que permitiram, talvez até promoveram, a integração dos animais selvagens nas sociedades humanas? Responder a essas perguntas relacionadas nos ajudará a entender a história da China primitiva e, de fato, nos ajudará a entender a história do antigo mundo antropocêntrico com mais detalhes.

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo