Animais

Imagens de drones mostram que botos podem ser mais sociais e cooperativos do que se pensava

[ad_1]

Quando você cruza os mares e de repente vê uma barbatana de toninha à distância, é provável que você tenha encontrado apenas um único animal. Os botos costumam ser vistos sozinhos, mas novas pesquisas agora sugerem que eles também andam em grupos e até mesmo entram em uma colaboração sofisticada quando caçam.

  • A forma como colaboram nos surpreende, porque a percepção comum entre os biólogos é que os botos vagam e caçam sozinhos, diz o professor associado Magnus Wahlberg, especialista em mamíferos marinhos e diretor do Centro de Pesquisa Biológica Marinha da Universidade do Sul da Dinamarca. (SDU) . .

Imagens de drones revelaram grupos de caça entre botos se reunindo para caçar cardumes de peixes.

A equipe de pesquisa gravou quase 44 horas de imagens de drones das águas ao redor de Funen, correspondendo a 159 sequências de caça. Em 95 deles, participaram entre dois e seis botos adultos. Os pesquisadores esperavam ver os botos caçando sozinhos. E se vários botos estivessem caçando juntos, os pesquisadores esperavam que fosse uma caça não estruturada, sem qualquer cooperação entre os animais individuais.

  • Em vez disso, um animal aparentemente solitário acabou sendo mais social do que se pensava, diz a estudante de doutorado Sara Torres Ortiz, que estava na SDU quando a pesquisa foi conduzida, mas agora está no Instituto Max Planck de Ornitologia, na Alemanha. Ela investiga a cognição animal.

As imagens também mostram botos caçando sozinhos. De acordo com os pesquisadores, os caçadores solitários têm menos sucesso na coleta do que os botos que caçam em grupos.

Para caçar como observado, os botos devem ser capazes de compartilhar informações e coordenar suas ações. Eles assumem papéis diferentes durante a caça, e a filmagem do drone revelou seis papéis diferentes:

  • O coletor distante (limite distante) nada ao redor do cardume de peixes a uma distância de pelo menos três comprimentos de corpo.
  • O coletor próximo (borda próxima) nada ao redor do cardume de peixes a uma distância de menos de três comprimentos de corpo e com seu corpo e cabeça paralelos ao cardume.
  • O pastor (peixe pastor) nada perto do cardume de peixes e influencia sua direção.
  • O divisor (escola cruzada) nada pela escola
  • A lança (tentativa de caça) nada diretamente em direção à escola em alta velocidade.
  • Nadando para longe da escola.

Cada toninha pode assumir diferentes papéis durante a caça, e o resultado da colaboração é que o cardume de peixes eventualmente se torna tão confuso e exausto que os caçadores individuais podem pegar os peixes que fugiram do cardume.

Existem vários tipos diferentes de caça em grupo no reino animal. A forma observada pode ser chamada de caça colaborativa e é mais sofisticada do que a forma denominada caça cooperativa, explica Sara Torres Ortiz.

Animais como chimpanzés e raves exibem habilidades de caça cooperativa. Durante esta forma de caça, vários caçadores se encontram sem assumir papéis diferentes.

A caça colaborativa, na qual caçadores individuais desempenham papéis diferentes, é mais rara, ou melhor: não é observada com muita frequência porque é inerentemente difícil de seguir. O uso de drones abre novas possibilidades para acompanhar um rebanho de animais de cima, como este estudo de botos, e isso pode contribuir com novos e aprimorados conhecimentos sobre a caça de animais no futuro.

Até agora, a caça colaborativa foi descrita cientificamente em animais como leões, fossas, lobos e chacais. Lobos e chacais dividem a matilha de caça em duas equipes, onde uma espreita enquanto a outra empurra a presa para a frente. Entre os leões, a estratégia é que todo o bando se aproxime da presa de diferentes direções, após o que alguns caçadores se deitam para se esconder enquanto o resto do grupo empurra a presa em sua direção.

Predadores marinhos são muito difíceis de observar, o que significa que os pesquisadores não podem dizer com certeza se animais como baleias assassinas e golfinhos caçam cooperativamente e / ou colaborativamente. No entanto, vários pesquisadores observaram comportamentos de caça complexos em baleias assassinas e golfinhos. Por exemplo, orcas foram vistas fazendo ondas que empurram as focas dos blocos de gelo.

Que outras surpresas o aguardam?

A filmagem do drone agora levanta novas questões:

O grupo de caça consiste nos mesmos indivíduos a cada vez ou é composto aleatoriamente? Com que frequência os participantes trocam de papéis? E os botos têm outras relações sociais uns com os outros?

“Os drones realmente mudaram as possibilidades de estudar os animais marinhos e será emocionante ver se eles podem nos surpreender novamente”, diz Sara Torres Ortiz.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade do Sul da Dinamarca. Original escrito por Birgitte Svennevig. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo