Animais

Gravações de gritos de coruja usados ​​para ajudar a distinguir espécies

[ad_1]

A floresta amazônica está repleta de criaturas desconhecidas para a ciência, e isso apenas em plena luz do dia. Depois de escurecer, a floresta é um lugar totalmente novo, cheio de animais noturnos que permaneceram ainda mais evasivos para os cientistas do que seus colegas do turno do dia. Em um novo documento em Zootaxa, os pesquisadores descreveram duas novas espécies de corujas que vivem nas florestas amazônica e atlântica, que já estão criticamente ameaçadas de extinção.

“As corujas são consideradas um grupo bem conhecido em comparação com outros tipos de organismos nessas áreas”, diz John Bates, curador de pássaros no Field Museum em Chicago e um dos autores do estudo. “Mas quando você começa a ouvi-los e compará-los em toda a geografia, descobre-se que há coisas que as pessoas não haviam apreciado. É por isso que essas novas espécies estão sendo descritas.”

“Mesmo ornitólogos profissionais que trabalharam com corujas durante toda a vida não concordariam com o número real de espécies encontradas neste grupo, então um estudo como o nosso é esperado há muito tempo”, diz Alex Aleixo., Chefe de investigação. responsável pelo estudo e atualmente curador de aves no Museu Finlandês de História Natural da Universidade de Helsinque, Finlândia.

As corujas-guincho recém-descobertas são primas das corujas-guincho orientais que são comuns nos Estados Unidos. “São lindas corujas, provavelmente com 12 ou 15 centímetros de comprimento, com tufos de penas na cabeça”, diz Bates. “Alguns são marrons, alguns são cinza e alguns estão no meio.” Até este estudo, as novas espécies eram agrupadas com a coruja-da-índia de barriga amarela e a coruja-da-índia de cabeça preta, que são encontradas em toda a América do Sul.

A descoberta das diferenças entre as espécies começou com anos de trabalho de campo na floresta amazônica, bem como na mata atlântica que se estende por todo o leste do Brasil e países vizinhos. Bates, que geralmente faz trabalho de campo durante o dia, diz que fazer trabalho de campo na floresta tropical à noite traz novos desafios. “Para mim é mais um sentimento de fascínio do que de medo, mas ao mesmo tempo, você se depara com teias de aranha. Se você está usando uma lanterna frontal, você vê o brilho nos olhos de animais noturnos. Uma vez eu estava passando por cima de um tronco e Eu olhei para baixo e havia uma tarântula do tamanho da minha mão “, disse Bates. “Se fosse uma criança, eu teria morrido de medo.”

As corujas que os pesquisadores procuravam vivem em árvores, geralmente 30 metros acima do solo da floresta. Isso torna difícil estudá-los. Mas os pesquisadores tinham uma arma secreta: o guincho homônimo das corujas.

“Para retirar os pássaros, usamos gravações em fita”, explica Bates. “Gravamos suas ligações e depois os ouvimos. As corujas são territoriais e, quando ouviram as gravações, saíram para defender seu território.”

Os cientistas compararam o canto dos pássaros e descobriram que havia variações nos sons que eles emitiam, indicativas de diferentes espécies. Eles também examinaram a aparência física dos pássaros e colheram amostras de tecido para estudar o DNA das corujas no laboratório de DNA Pritzker no Museu Field.

No total, 252 espécimes, 83 gravações em fita e 49 amostras genéticas de toda a extensão do complexo da coruja-do-mato na América do Sul foram analisadas. A própria equipe de pesquisa coletou um número significativo de espécimes, com destaque para o autor principal do estudo, Sidnei Dantas, que passou boa parte de seu tempo na pós-graduação procurando e registrando corujas-guincho nas florestas tropicais da América do Sul. Além disso, as coleções de história natural e seus materiais coletados ao longo dos séculos foram fundamentais para completar a amostragem sem precedentes do estudo.

“O estudo não teria sido possível se não fossem as grandes coleções biológicas do Brasil e dos Estados Unidos que visitei durante meu trabalho e que nos enviaram material essencial, tanto genético quanto morfológico. Isso destaca a importância dessas pesquisas instituições para o progresso. da ciência e, portanto, dos países que representam ”, diz Dantas, que fez o estudo como parte de sua tese de doutorado no Museu Goeldi, em Belém, e atualmente atua como guia de natureza na Amazônia brasileira.

A combinação de variação genética, diferenças físicas e vocalizações únicas levaram a equipe a descrever duas novas espécies além da já conhecida coruja-da-china: a coruja-guincho do Xingu e a coruja-da-índia de Alagoas. O nome científico da coruja do Xingu é uma homenagem à Irmã Dorothy May Stang, uma ativista que trabalhou com agricultores brasileiros para desenvolver práticas sustentáveis ​​e lutar por seus direitos à terra; seu nome comum é para a área onde a coruja é encontrada próxima ao rio Xingu. O nome da coruja alagoana é uma referência ao estado de Alagoas, no nordeste do Brasil, onde a coruja é encontrada principalmente.

Embora as corujas sejam novas para a ciência, elas já correm o risco de desaparecer para sempre. “Ambas as novas espécies estão ameaçadas pelo desmatamento”, diz Jason Weckstein, curador associado de ornitologia da Academia de Ciências Naturais da Universidade Drexel e professor associado do Departamento de Biodiversidade, Ciências da Terra e Ambientais da universidade. “A coruja-da-índia do Xingu é endêmica da área mais gravemente queimada na Amazônia pelos incêndios sem precedentes de 2019, e a coruja-da-índia de Alagoas deve ser considerada criticamente ameaçada, dada a extensa fragmentação da floresta na minúscula área onde ocorre,” ele diz Weckstein. , que é co-autora e começou a trabalhar neste projeto como pesquisadora de pós-doutorado no Museu do Campo.

Bates diz que espera que o estudo esclareça a diversidade das florestas amazônica e atlântica e como a simples proteção de certas áreas não é suficiente para preservar a biodiversidade florestal. “Se você apenas disser: ‘Bem, você sabe que a Amazônia é a Amazônia, e é grande’, você não acaba priorizando esforços para evitar que as florestas sejam cortadas nessas diferentes partes da Amazônia. Isso pode significar a perda total fauna da região ”, diz Bates.

Além das implicações do estudo para a conservação, os autores destacam a colaboração internacional que tornou o trabalho possível. “Este estudo mostra como é importante treinar a próxima geração de cientistas em todo o mundo”, diz Bates. “Isso significa que alunos como Sidnei vêm do Brasil e trabalham no Laboratório Pritzker em Campo e medem espécimes em nossa coleção para suas pesquisas. É ótimo construir essas conexões.”

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo