Animais

Felino amigável? Como construir uma pata rápida com seu gato


Uma equipe de psicólogos das Universidades de Sussex e Portsmouth aperfeiçoou a arte de criar laços com gatos.

O novo estudo ‘O papel dos movimentos de estreitamento do olho do gato na comunicação gato-homem’, publicado online na revista Nature Relatórios científicos, mostrou pela primeira vez que é possível estabelecer um bom relacionamento com um gato usando uma técnica de estreitar os olhos com eles. Essa ação de apertar os olhos pelos humanos gera algo popularmente conhecido como sorriso do gato, o chamado “piscar lento”, e parece tornar o humano mais atraente para o gato. Os movimentos de estrabismo em gatos têm alguns paralelos com o sorriso genuíno em humanos (o sorriso de Duchenne), bem como os movimentos de estrabismo em situações positivas em algumas outras espécies.

A equipe, liderada pelo Dr. Tasmin Humphrey e pela Professora Karen McComb, cientistas do comportamento animal da Universidade de Sussex, conduziu dois experimentos. O primeiro revelou que os gatos têm maior probabilidade de piscar lentamente para seus donos depois que eles piscam lentamente, em comparação com quando eles não interagem. O segundo experimento, desta vez com um pesquisador da equipe de psicologia, ao invés do proprietário, descobriu que os gatos eram mais propensos a se aproximar da mão estendida do experimentador depois de piscar lentamente para o gato, em comparação com quando eles adotaram um tom neutro. expressão. Em conjunto, o estudo mostra que esta técnica de piscar lento pode fornecer uma forma positiva de comunicação entre gatos e humanos.

O estudo descobriu:

  • Os gatos tinham maior probabilidade de piscar lentamente para seus donos se eles piscassem lentamente, em comparação a quando o proprietário estava presente na sala, mas não emitia um estímulo de piscar lento.
  • Os gatos tinham maior probabilidade de piscar lentamente quando um experimentador desconhecido olhava para eles, em comparação com quando eles mantinham uma expressão neutra.
  • Os gatos preferiram se aproximar de um experimentador após piscar lentamente para o gato do que se tivessem mantido uma expressão neutra.

A professora Karen McComb, da Escola de Psicologia da Universidade de Sussex, que supervisionou o trabalho, disse: “Como alguém que estudou o comportamento animal e possui um gato, é ótimo ser capaz de mostrar que os gatos e os humanos podem comunicar-se dessa maneira é algo que muitos proprietários de gatos já suspeitavam, por isso é emocionante ter encontrado evidências disso.

“Este estudo é o primeiro a investigar experimentalmente o papel do piscar lento na comunicação gato-homem. E é algo que você pode testar com seu próprio gato em casa ou com gatos que você encontra na rua. É uma ótima maneira para melhorar o vínculo que você tem com os gatos. Tente semicerrá-los como faria com um sorriso relaxado, seguido de fechar os olhos por alguns segundos. Você verá que eles respondem da mesma maneira e poderá iniciar um tipo de conversa . “

O Dr. Tasmin Humphrey, estudante de doutorado na Escola de Psicologia da Universidade de Sussex durante o trabalho, que foi o primeiro autor do estudo, disse: “Compreender as formas positivas em que os gatos e os humanos interagem podem melhorar o a compreensão pública dos gatos, melhora o bem-estar felino e nos fala mais sobre as capacidades sociocognitivas desta espécie pouco estudada.

“Nossas descobertas podem ser usadas para avaliar o bem-estar dos gatos em uma variedade de ambientes, incluindo clínicas veterinárias e abrigos.

“Em termos de por que os gatos se comportam dessa forma, pode-se argumentar que os gatos desenvolveram comportamentos de piscar lento porque os humanos perceberam o piscar lento como positivo. Os gatos podem ter aprendido que são recompensados ​​pelos humanos por responderem ao piscar. Também é possível que o piscar nos gatos tenha começado como uma forma de interromper um olhar ininterrupto, potencialmente ameaçador na interação social.

O Dr. Leanne Proops, da Universidade de Portsmouth, que co-liderou o trabalho, disse: “Definitivamente, não é fácil estudar o comportamento natural dos gatos, então esses resultados fornecem uma visão rara do mundo da comunicação gato-homem. “

Como os experimentos funcionaram

Dois experimentos foram conduzidos para explorar a importância do piscar lento na comunicação entre gatos e humanos. O primeiro experimento incluiu um total de 21 gatos de 14 famílias diferentes. Quatorze proprietários diferentes participaram da Experiência 1. Dez dos gatos eram machos e 11 dos gatos eram fêmeas, com uma idade estimada de 0,45 a 16 anos. Os experimentos foram realizados na casa de cada gato. O psicólogo aconselhou o dono do gato a piscar devagar. Assim que o gato se acomodou em um local, a psicóloga pediu ao dono que se sentasse a cerca de 1 m de distância do gato.

O experimento 2 incluiu um total de 24 gatos adicionais. Doze gatos eram machos e 12 gatos eram fêmeas, com idade estimada entre 1 e 17 anos. Os gatos incluídos nas análises finais eram de 8 famílias diferentes. Nesse experimento, o pesquisador, que não conhecia o gato, piscou lentamente para o gato ou adotou uma cara neutra sem contato visual direto. Este experimento também testou em que contexto os gatos preferiam se aproximar do experimentador desconhecido, oferecendo ao gato uma mão espalmada com a palma para cima enquanto estava sentado ou agachado diretamente na frente do gato. Ambos os experimentos foram gravados em vídeo.

Psicologia felina: o contexto existente

No novo artigo, os autores fornecem contexto para suas descobertas. A psicologia dos gatos não foi estudada tão amplamente quanto a dos cães, mas o que já se sabe inclui:

  • Que os gatos atraem e manipulam a atenção humana de maneira eficaz por meio do “ronronar do pedido”
  • Que os gatos podem discriminar seu nome de outras palavras, mesmo quando chamados de humanos desconhecidos.
  • Que os gatos podem ser sensíveis às pistas emocionais humanas e vão esfregar ou bater a cabeça contra o dono que está triste

Fonte da história:

materiais fornecido por Sussex University. Original escrito por Anna Ford. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo