Animais

Estudo de primeiro mundo mostra que eventos humanos episódicos desencadeiam o movimento animal

[ad_1]

Pela primeira vez, os cientistas calcularam o impacto global da atividade humana no movimento dos animais, revelando impactos generalizados que ameaçam a sobrevivência e a biodiversidade das espécies.

Embora atividades como extração de madeira e urbanização tenham demonstrado grandes impactos sobre a vida selvagem, estudos feitos por cientistas da University of Sydney e da Deakin University, na Austrália, mostram que eventos episódicos como caça, atividade militar e recreação podem provocar mudanças ainda maiores. no comportamento animal.

“É vital que entendamos a escala do impacto que os humanos têm sobre outras espécies animais”, disse o autor principal, Dr. Tim Doherty, ecologista da vida selvagem da Universidade de Sydney. “As consequências da mudança no movimento dos animais podem ser profundas e levar à redução da aptidão dos animais, menores chances de sobrevivência, menores taxas de reprodução, isolamento genético e até extinção local.”

O estudo é publicado hoje em Ecologia e evolução da natureza.

As principais conclusões incluem:

    – Mudanças no movimento do animal em resposta à perturbação são comuns.

    – Atividades humanas episódicas como caça, uso de aeronaves, atividade militar e recreação podem causar aumentos muito maiores nas distâncias de movimento do que a modificação do habitat, como extração de madeira ou agricultura.

    – As alterações episódicas forçam uma mudança geral de movimento de 35 por cento (aumento e diminuição); modificações de habitat forçam uma mudança de 12 por cento

    – Aumentos no movimento dos animais em média 70 por cento

    – Diminuições no movimento animal em média 37 por cento

O estudo aponta para uma reestruturação global dos movimentos dos animais causados ​​por distúrbios humanos, com impactos potencialmente profundos nas populações, espécies e processos ecossistêmicos animais.

“O movimento é crítico para a sobrevivência dos animais, mas pode ser interrompido por distúrbios humanos”, disse o Dr. Doherty. “Os animais adotam mecanismos comportamentais para se adaptar à atividade humana, como fugir ou evitar os humanos, viajar mais para encontrar comida ou companheiros, ou encontrar um novo refúgio para evitar humanos ou predadores.”

Em alguns casos, a atividade humana forçou uma redução no movimento dos animais, o estudo descobriu, devido ao aumento do acesso a alimentos em locais humanos, capacidade reduzida de se mover de um habitat modificado ou restrições ao movimento por barreiras físicas.

“Além do impacto direto nas espécies animais, existem efeitos colaterais”, disse o Dr. Doherty. “A movimentação de animais está ligada a processos ecológicos importantes, como polinização, dispersão de sementes e renovação do solo, então a interrupção da movimentação de animais pode ter impactos negativos em todos os ecossistemas.”

IMPLICAÇÕES POLÍTICAS

O Dr. Doherty, que iniciou esta pesquisa na Deakin University antes de se mudar para a University of Sydney, disse que as descobertas têm implicações políticas importantes para o manejo da biodiversidade animal.

“Em ambientes e paisagens marítimas relativamente intocados pelo impacto humano, é importante que a modificação do habitat seja evitada”, disse o Dr. Doherty, da Faculdade de Ciências da Vida e Ambientais da Faculdade de Ciências.

“Isso poderia envolver o fortalecimento e o apoio às áreas protegidas existentes e a obtenção de mais áreas silvestres para proteção legal”.

O estudo diz que pode ser mais fácil reduzir os impactos de distúrbios episódicos gerenciando cuidadosamente certas atividades, como caça e turismo, em áreas silvestres, especialmente durante os períodos de reprodução animal.

“Quando a modificação do habitat é inevitável, recomendamos que o conhecimento do comportamento do movimento dos animais informe o projeto e o manejo da paisagem para garantir que o movimento dos animais seja garantido”, disse Dr. Doherty.

Ele disse que reduzir os impactos negativos da atividade humana sobre o movimento dos animais será vital para garantir a biodiversidade em um mundo cada vez mais dominado pelo homem.

“Mais pesquisas são necessárias para entender melhor o impacto da modificação do habitat no movimento dos animais em partes do mundo em rápido desenvolvimento”, disse o Dr. Doherty.

A pesquisa compilou e analisou 208 estudos separados em 167 espécies animais ao longo de 39 anos para avaliar como a perturbação humana influencia o movimento dos animais. Em mais de um terço dos casos, os animais foram forçados a fazer alterações que aumentaram o movimento em mais de 50%.

As espécies incluídas no estudo variam desde a sonolenta borboleta laranja de 0,05 grama até o grande tubarão branco de mais de 2.000 quilos. Foram contempladas 37 espécies de aves, 77 espécies de mamíferos, 17 espécies de répteis, 11 espécies de anfíbios, 13 espécies de peixes e 12 espécies de artrópodes (insetos).

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo