Animais

Corações retirados de porcos podem em breve ajudar a resolver uma escassez crônica desses órgãos de doadores


O objetivo de extrair corações de porco para resolver a escassez crônica desses órgãos de doadores parece estar ao nosso alcance, de acordo com uma nova revisão científica realizada por pesquisadores do Massachusetts General Hospital (MGH). Esta análise, publicada na revista Circulação, descreve como avanços recentes na engenharia genética e no desenvolvimento de drogas levaram ao transplante bem-sucedido de corações de porco em babuínos por uma equipe na Alemanha. Esse xenotransplante cardíaco pioneiro, que envolve o implante de um coração de uma espécie para outra, pode ajudar a prolongar e salvar inúmeras vidas humanas.

Um transplante de coração costuma ser a única esperança de sobrevivência para pacientes com insuficiência cardíaca grave e algumas outras doenças cardíacas que não respondem a outros tratamentos. Em 2019, cirurgiões nos Estados Unidos realizaram 3.552 transplantes de coração, de acordo com a United Network for Organ Sharing. Um paciente que precisa de um novo coração normalmente espera mais de seis meses para que um órgão de um doador fique disponível, e geralmente muito mais. Para muitos, a espera é muito longa.

O autor principal Richard N. Pierson III, MD, pesquisador da Divisão de Cirurgia Cardíaca do MGH, e seus co-autores discutem os avanços científicos que superaram os obstáculos ao xenotransplante cardíaco. Por exemplo, o sistema imunológico de babuínos e outros primatas (incluindo, presumivelmente, humanos) reconhece corações de porco como “estranhos” e os ataca, causando rejeição de órgãos. Em resposta, os cientistas usaram técnicas de engenharia genética para produzir porcos cujos órgãos carecem de certos carboidratos que são os alvos primários do sistema imunológico.

A engenharia genética também ajudou a resolver outro problema com o xenotransplante cardíaco. Os primeiros experimentos descobriram que a incompatibilidade entre as proteínas do sangue humano e as proteínas do revestimento dos vasos sanguíneos dos porcos pode causar coágulos sanguíneos. Pierson e seus colegas contribuíram com os esforços para desenvolver e testar porcos que são projetados para transportar genes responsáveis ​​pela produção de uma versão humana de uma proteína chamada trombomodulina, que mantém a coagulação sob controle.

A inovação no desenvolvimento de medicamentos também tornou possível o xenotransplante cardíaco. Os receptores de transplantes devem tomar medicamentos que suprimem o sistema imunológico para prevenir a rejeição de órgãos. “Mas essas drogas não funcionam quando você coloca um órgão de porco em um babuíno”, diz Pierson, sugerindo que a imunossupressão convencional também não funcionaria em humanos. Para resolver este problema, Pierson colaborou com outros pesquisadores para desenvolver anticorpos monoclonais que bloqueiam moléculas “coestimulatórias” conhecidas como CD40 e CD154. Esses anticorpos monoclonais evitam que as células imunes humanas ou de babuíno ataquem os órgãos dos suínos com muito mais eficácia do que os imunossupressores convencionais.

finalmente, o Circulação A revisão aborda a questão de saber se o transplante de órgãos de animais para humanos pode transmitir doenças infecciosas, uma preocupação agravada pela atual pandemia de coronavírus. “Isso parece bastante improvável”, diz Pierson. “O culminar de muitas pesquisas e trabalho árduo por nosso grupo e outros nos últimos 35 anos é que agora parece que o transplante de coração de porco para humano é viável.” Ele prevê que os primeiros humanos poderão receber corações de porco transplantados já no final de 2021.

Richard N. Pierson III, MD, é Diretor Científico do MGH Center for Transplantation Science e Professor de Cirurgia na Harvard Medical School. Ele é o titular da cadeira W. Gerald e Patricia Austen de Cirurgia Cardíaca.

Fonte da história:

materiais fornecido por Hospital Geral de Massachusetts. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo