Animais

Como o comportamento humano está afetando o movimento da vida selvagem? – Ciência Diária


Para que as espécies sobrevivam na natureza, é essencial manter a conectividade entre as populações. Sem ‘corredores de vida selvagem’, grupos de animais ficam isolados, incapazes de se reproduzir e podem morrer. Ao avaliar a conectividade da vida selvagem, muitos aspectos da paisagem são medidos, mas o impacto do comportamento humano tem sido amplamente esquecido. Agora, uma equipe internacional liderada pela Universidade de Göttingen e pela Universidade Humboldt de Berlim apresenta o conceito de ‘resistência antropogênica’, que deve ser estudado para garantir paisagens sustentáveis ​​para a vida selvagem e as pessoas no futuro. Seu artigo de perspectiva foi publicado na revista Uma terra.

As paisagens em todo o mundo são cada vez mais afetadas pela rápida urbanização, desmatamento e desenvolvimentos humanos semelhantes. Até agora, a coleta de dados tem se concentrado principalmente na medição de propriedades de terra, como agricultura, urbanização, florestas, plantações ou elevação. Outros impactos de pessoas são geralmente agrupados em categorias como densidade populacional ou distância de assentamentos ou estradas. Os pesquisadores propõem que não é apenas a presença, ausência ou número de pessoas, mas o que as pessoas estão realmente fazendo que afeta o movimento da vida selvagem. Na verdade, uma série de fatores psicológicos e socioeconômicos podem influenciar a “resistência antropogênica”. Alguns exemplos desses fatores incluem caça, caça furtiva ou alimentação complementar.

Para seu estudo, os pesquisadores analisaram três estudos de caso em detalhes: lobos no estado de Washington; leopardos no Irã; e grandes carnívoros na Índia central. O mesmo conceito pode ser aplicado a outras espécies: por exemplo, o lince eurasiático, que está retornando às suas áreas históricas; ou veados que usam terras agrícolas como abrigo e alimento, mas reduzem sua presença durante a temporada de caça. Em algumas partes do mundo, as crenças culturais e religiosas podem resultar em tolerância para grandes carnívoros, como tigres e leões, apesar de perdas significativas de gado e ameaças à vida humana. Os pesquisadores consideraram os efeitos das crenças, valores e tradições sobre a vida selvagem em diferentes áreas. Os autores afirmam que essas diferenças de nuances no comportamento humano determinam amplamente para onde a vida selvagem pode se mover e persistir em uma paisagem.

O professor Niko Balkenhol, da University of Göttingen Wildlife Sciences, explica: “A resistência antropogênica também é relevante para o projeto BearConnect, que visa compreender os fatores que determinam a conectividade nas populações de ursos pardos europeus. Os ursos são capazes de se mover por enormes distâncias, como mostrado por o urso JJ1, mais conhecido como ‘Bruno’, que viajou da região italiana de Trento à Baviera, onde foi baleado. É importante notar que, embora Bruno tenha conseguido atravessar a paisagem física, foi detido por severos ‘antropogênicos resistência ‘fornecida por humanos que não podiam tolerar seu comportamento. “

“Nosso artigo mostra que a ‘resistência antropogênica’ é uma peça importante do quebra-cabeça do planejamento de conectividade para garantir a funcionalidade dos corredores para a vida selvagem e as pessoas”, disse a Dra. Trishna Dutta, autora principal do estudo, também da Universidade de Ciências da Vida Selvagem. de Göttingen. Dutta prossegue dizendo: “Isso revela que há vantagens para os cientistas sociais e naturais colaborarem na compreensão dos efeitos da ‘resistência antropogênica’ em estudos futuros.”

Fonte da história:

materiais fornecido por Universidade de Göttingen. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo