Animais

Cientistas identificam como bactérias intestinais inofensivas ‘ficam ruins’ – ScienceDaily


Uma equipe internacional de cientistas determinou como bactérias inofensivas do intestino de E. coli em galinhas podem facilmente pegar os genes necessários para evoluir e causar uma infecção fatal. Seu estudo, publicado em Comunicações da natureza, adverte que essas infecções não afetam apenas a indústria avícola, mas também podem infectar humanos.

E. coli é uma bactéria comum que vive no intestino da maioria dos animais, incluindo humanos. Geralmente é inofensivo quando permanece no intestino, porém pode se tornar muito perigoso se invadir a corrente sanguínea, causando uma infecção sistêmica que pode até levar à morte.

A E. coli patogênica aviária (APEC) é a infecção mais comum em frangos criados para carne ou ovos. Pode causar a morte em até 20 por cento dos casos e causar perdas de vários milhões de libras na indústria avícola. O problema é agravado pelo aumento da resistência aos antibióticos, e as infecções também representam um risco de causar doenças em humanos.

A equipe de cientistas, liderada pelo Milner Center for Evolution da University of Bath, sequenciou e analisou todos os genomas da bactéria E. coli encontrados em frangos saudáveis ​​e infectados criados em granjas comerciais para entender melhor por que e como eles são normalmente inofensivos insetos. pode se tornar mortal.

Eles descobriram que não há um único gene responsável por transformar uma bactéria inofensiva em um patógeno, mas que isso pode ser causado por várias combinações de um conjunto diversificado de genes.

Seus resultados indicam que todas as bactérias nos intestinos das galinhas têm o potencial de pegar os genes de que precisam para se tornar uma infecção perigosa, por meio de um processo chamado transferência horizontal de genes.

A transferência horizontal de genes permite que as bactérias adquiram novo material genético de outras bactérias próximas. Isso pode acontecer removendo moléculas de DNA de bactérias mortas; trocando fitas de DNA por ter “sexo bacteriano” ou se infectando com vírus que transferem DNA de uma bactéria para outra.

O professor Sam Sheppard, do Milner Center for Evolution da University of Bath, conduziu o estudo. Ele disse: “Anteriormente, pensávamos que a E. coli se tornava patogênica ao adquirir genes específicos de outros insetos, muitas vezes embalados em elementos móveis chamados plasmídeos.

“Mas nosso estudo comparou os genomas de E. coli inofensiva e causadora de doenças em galinhas e descobriu que eles podem ‘se deteriorar’ simplesmente por pegar genes de seu ambiente.

“As bactérias fazem isso o tempo todo dentro do intestino das galinhas, mas na maioria das vezes os genes deletados são ruins para as bactérias, então se torna um beco sem saída evolutivo.

“No entanto, existem 26 bilhões de galinhas em todo o mundo, o que representa cerca de 70 por cento de toda a biomassa de aves na Terra.

“Isso aumenta a probabilidade de que as bactérias adquiram genes que podem ajudar as bactérias a sobreviver e se tornar infecciosas, ou até mesmo pular em espécies para infectar humanos.”

Os autores do estudo enfatizam a necessidade de monitorar as cepas que têm maior probabilidade de se tornarem patogênicas para que possam ser tratadas antes de se tornarem perigosas.

O professor Sheppard disse: “Ficamos surpresos ao descobrir que não é apenas uma cepa que causa APEC, mas que qualquer cepa pode potencialmente adquirir a ‘mistura de monstros’ de genes necessária para se tornar mal.”

As cepas com potencial para se tornarem patogênicas podem ser identificadas usando um método semelhante ao usado para detectar cepas variantes de Covid19. Após o sequenciamento do genoma completo, testes de PCR rápidos podem ser usados ​​para procurar genes específicos que podem levar à infecção por APEC.

O professor Sheppard disse: “Identificamos cerca de 20 genes que são comuns em patógenos de insetos e se pudermos procurar esses genes-chave em um bando de pássaros, isso ajudaria os agricultores a identificar esses portadores antes que eles causem um problema.”

Fonte da história:

Materiais fornecido por Bath University. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo