Animais

Carnívoros que vivem perto de pessoas comem comida humana, ameaçando ecossistemas


Ecologistas da Universidade de Wisconsin-Madison descobriram que carnívoros que vivem perto de pessoas podem obter mais da metade de suas dietas de fontes alimentares humanas, uma alteração importante no estilo de vida que pode colocar em risco os ecossistemas dominados. pelos carnívoros da América do Norte. Os pesquisadores estudaram as dietas de sete espécies de predadores na região dos Grandes Lagos dos Estados Unidos. Eles coletaram amostras de ossos e pele para análises químicas de áreas tão remotas quanto parques nacionais a grandes regiões metropolitanas como Albany, Nova York. Eles descobriram que quanto mais próximos os carnívoros viviam das cidades e fazendas, mais comida humana eles comiam.

Embora a evolução tenha moldado essas espécies para competir por diferentes recursos, sua nova dependência de uma fonte de alimento comum pode colocá-las em conflito entre si. Esse conflito pode estar reorganizando a relação entre diferentes carnívoros e entre predadores e presas, com um impacto desconhecido, mas provavelmente prejudicial, sobre os ecossistemas que evoluíram sob a influência significativa de predadores fortes.

Jon Pauli, professor de ecologia florestal e da vida selvagem na UW-Madison, e seu ex-aluno de graduação Phil Manlick, publicaram suas descobertas esta semana no procedimentos da Academia Nacional de Ciências. O estudo é a análise mais abrangente de como a maioria dos carnívoros importantes da região, como lobos cinzentos, coiotes e linces, mudaram suas dietas em resposta às pessoas.

A quantidade de comida humana que ingeriam variava consideravelmente conforme a localização. Em média, mais de 25% das dietas dos carnívoros vieram de fontes humanas nos habitats mais alterados pelo homem.

Também variou por espécie. Por exemplo, carnívoros comprometidos como os gatos selvagens comiam uma quantidade relativamente pequena de comida humana. “Mas o que você vê é que o tipo de espécie generalista que você poderia esperar – coiotes, raposas, pescadores, martas – em paisagens dominadas por humanos, eles obtêm mais de 50 por cento de sua dieta de alimentos humanos”, diz Manlick, principal autor do estudo que agora é um pesquisador de pós-doutorado na Universidade do Novo México. “É um número relativamente chocante, eu acho.”

Pauli e Manlick descobriram que depender de fontes de alimento humano aumentava o número de carnívoros que se sobrepunham em sua competição por comida. Comparado a quando esses predadores competem por presas diferentes, esse aumento na competição pode levar a mais conflito entre os animais. Sua dependência da comida humana também pode tornar os carnívoros vulneráveis ​​ao ataque humano perto das cidades, ou mesmo mudar como e quando eles caçam presas tradicionais, com consequências ecológicas potencialmente prejudiciais.

Os pesquisadores estudaram a dieta de cerca de 700 carnívoros, incluindo raposas vermelhas e cinzas, pescadores e martas americanas. Eles coletaram amostras de ossos e peles de Minnesota, Wisconsin, Nova York e da Península de Upper Michigan com a ajuda de pesquisadores estaduais e federais e caçadores de ciência. Os pesquisadores compararam as dietas dos carnívoros com o grau de desenvolvimento humano na região, que variava de áreas selvagens essencialmente intocadas à expansão urbana.

Graças a peculiaridades na maneira como as plantas incorporam carbono à medida que crescem, uma amostra de osso ou pêlo é suficiente para obter um instantâneo da dieta de um animal. Diferentes pesos, ou isótopos, de carbono são comuns em diferentes plantas e animais que eventualmente os comem.

“Os isótopos são relativamente intuitivos – você é o que come”, diz Manlick. “Se você olhar para os humanos, nós parecemos milho.”

Rico em milho e açúcar, os alimentos humanos fornecem-lhes assinaturas de carbono distintas. Em contraste, as dietas de espécies de presas na natureza conferem suas próprias assinaturas de carbono. A proporção dessas duas impressões digitais de isótopos no osso de um predador pode dizer aos cientistas quanto de sua dieta veio de fontes humanas, diretamente ou de suas presas que comeram comida humana primeiro.

A extensão geográfica do estudo e o grande número de espécies que os ecologistas examinaram demonstram que a tendência de subsídios alimentares para humanos nas dietas dos carnívoros não se limita a um único local ou espécie. O resultado final dessas mudanças generalizadas permanece obscuro.

“Quando a paisagem muda tão drasticamente em função de um dos atributos mais importantes de uma espécie, a alimentação, isso tem consequências desconhecidas para a estrutura geral da comunidade”, diz Pauli. “Portanto, acho que agora, como ecologistas e biólogos conservacionistas, temos a responsabilidade de começar a entender esses novos ecossistemas e prever quem são os vencedores e quem são os perdedores.”

Este trabalho foi apoiado em parte pela National Science Foundation (bolsa DGE-1144752), o National Institute of Food and Agriculture (Hatch Projects 1006604 e 1003605) e o National Park Service.

Fonte da história:

materiais fornecido por Universidade de Wisconsin-Madison. Original escrito por Eric Hamilton. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo