Animais

Capacidade de capturar presas não afetadas pela queda defensiva da cauda

[ad_1]

Um novo estudo da UC Riverside descobriu que as lagartixas são caçadores ferozes, estejam suas caudas presas ao corpo ou não.

Lagartixas e outros lagartos podem distrair predadores baixando rapidamente suas caudas. As vértebras da cauda são perfuradas, facilitando a desconexão sem a formação de tecido cicatricial ou perda de sangue. Embora essa habilidade possa impedir que lagartos sejam comidos, a manobra tem um custo.

“Outros estudos documentaram os efeitos negativos da perda da cauda na capacidade dos lagartos de correr, pular, acasalar e se reproduzir”, disse a bióloga do UCR Marina Vollin, principal autora do estudo. “No entanto, poucos examinaram sua capacidade de capturar comida quando perdem a cauda, ​​o que é crítico para a regeneração da cauda e sobrevivência geral.”

Para ajudar a preencher essa lacuna na compreensão, Vollin e Tim Higham, professor associado do Departamento de Evolução, Ecologia e Biologia Organística da UCR, observaram lagartixas intactas e recentemente sem cauda na caça. Seu trabalho foi publicado em um recente Biologia Integrativa e Comparativa artigo de revista.

Os pesquisadores descobriram que as lagartixas capturaram com sucesso os grilos cerca de 77% das vezes antes e depois de perderem suas caudas, surpreendente retenção de precisão, já que as caudas parecem ajudar a estabilizar as posições corporais das lagartixas durante e após um ataque.

“As lagartixas eram muito mais lentas sem cauda e seu ataque era muito mais desconfortável”, disse Vollin.

As lagartixas ocidentais, nativas do sudoeste dos Estados Unidos e do México, são um dos poucos répteis que ajudam a controlar as populações de escorpiões.

Neste estudo, lagartixas foram observadas caçando grilos em recintos artificiais. Vollin e Higham estão planejando estudos futuros nos quais esperam observar lagartixas caçando na selva e se alimentando de outros pequenos insetos.

“É muito possível que lagartixas sofram uma perda no desempenho e no sucesso de forrageamento após a autotomia na natureza, dada a complexidade do habitat e mais espaço para a presa escapar”, disse Higham.

Eles também vão estudar se as lagartixas podem recuperar totalmente sua agilidade depois que suas caudas se regenerarem, o que pode levar até um mês.

“É importante ter uma ideia de como eles operam na natureza, onde elementos adicionais podem afetar se eles tiverem mais dificuldade para capturar a presa”, disse Vollin.

Compreender como lagartos como a lagartixa-branca-ocidental podem sobreviver tem um significado além dos próprios lagartos. Embora comam uma variedade de pequenos insetos, eles também servem como uma fonte importante de alimento para pássaros, cobras e outros mamíferos predadores.

“Ouvi dizer que eles são chamados de ‘pipoca da natureza’, porque outros animais podem comer muito de uma vez, eles são abundantes e fáceis de comprar”, disse Vollin. “Eles são uma grande parte da base da cadeia alimentar.”

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade da Califórnia – Riverside. Original escrito por Jules Bernstein. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo