Animais

Cães infectados com parasitas Leishmania têm um cheiro mais atraente para moscas da areia

[ad_1]

Os cães infectados com o parasita Leishmania têm um cheiro mais atraente para as fêmeas dos flebotomíneos do que para os machos, dizem os pesquisadores.

O estudo publicado em PLOS Pathogens É liderado pelo Professor Gordon Hamilton, da Lancaster University.

No Brasil, o parasita Leishmania infantum é transmitido pela picada de flebotomíneos fêmeas infectadas com Lutzomyia longipalpis.

Globalmente, mais de 350 milhões de pessoas correm o risco de contrair leishmaniose, com até 300.000 novos casos por ano. Só no Brasil ocorrem cerca de 4.500 mortes a cada ano por causa da forma visceral da doença, e crianças menores de 15 anos têm maior probabilidade de serem afetadas.

Parasitas Leishmania são transmitidos de cães infectados para pessoas por flebotomíneos quando mordem. A leishmaniose visceral afeta órgãos internos e é fatal se não tratada.

Como apenas as fêmeas de flebotomíneo transmitem o parasita, os pesquisadores queriam saber se a infecção tornava os cães mais atraentes para o inseto.

O professor Gordon Hamilton, da Lancaster University, disse: “Neste estudo, mostramos que o cheiro de um cachorro infectado é muito mais atraente do que o cheiro de um cachorro não infectado para as fêmeas de flebotomíneo. Somente as fêmeas podem transmitir o patógeno e os mosquitos-da-areia machos, que não transmitem o parasita, não são afetados pela mudança de odor.

“Esta clara diferença na atração de flebotomíneos fêmeas e machos sugere que as fêmeas são preferencialmente atraídas por hospedeiros infectados pelo parasita e isso pode levar a maiores oportunidades de infecção e transmissão do parasita.”

Os pesquisadores já haviam descoberto que os cães infectados com parasitas da Leishmania tinham um cheiro diferente em comparação com os cães não infectados.

Professor Hamilton disse: “Os cães domésticos são o reservatório da infecção, portanto, entender como a infecção afeta a atratividade dos cães para o inseto vetor é importante para entender a epidemiologia da doença e oferece oportunidades para novas metodologias de controle e diagnóstico”.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Lancaster University. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo