Animais

Bactérias responsáveis ​​pela morte de espécies criticamente ameaçadas de extinção


As populações de répteis nativas na Ilha Christmas diminuíram severamente com duas espécies, a lagartixa de Lister e o lagarto de cauda azul, desaparecendo completamente da natureza. Embora anteriormente o principal fator para esse declínio fosse a provável predação por espécies invasoras e a destruição do habitat, um assassino silencioso agora ameaça exterminar totalmente as espécies.

Os criados em cativeiro no Território Australiano no Oceano Índico também estão morrendo misteriosamente, deixando as duas espécies, que somam apenas cerca de 1.000 cada, em perigo de extinção. Cientistas veterinários da Universidade de Sydney, do Australian Wildlife Health Registry e da Taronga Conservation Society da Austrália descobriram agora a causa dessas mortes: uma bactéria, Enterococcus lacertideformus (E. lacertideformus).

A bactéria foi descoberta em 2014 depois que répteis em cativeiro desenvolveram deformidades faciais e letargia, e alguns até morreram. As amostras foram coletadas e analisadas por microscopia e teste genético.

As descobertas dos pesquisadores, publicadas em Fronteiras em microbiologia, relatará testes de antibióticos em répteis para ver se a infecção pode ser tratada.

A bactéria cresce na cabeça do animal, depois em seus órgãos internos, antes de causar a morte. Pode ser transmitido por contato direto, inclusive pela boca de répteis ou quando os répteis se mordem, geralmente durante as lutas da época de reprodução.

“Isso significa que animais saudáveis ​​em cativeiro devem ser mantidos separados dos infectados e também longe de áreas onde os animais infectados estiveram”, disse Jessica Agius, co-pesquisadora principal e candidata a doutorado na Sydney School of Veterinary Sciences.

A Sra. Agius e a equipe de pesquisa não apenas identificaram a bactéria, como decodificaram sua composição genética sequenciando todo o genoma.

Foram identificados genes específicos que provavelmente estão associados à capacidade da bactéria de infectar seu hospedeiro, invadir seus tecidos e contornar o sistema imunológico.

“Também descobrimos que a bactéria pode se envolver com um biofilme, uma ‘comunidade de bactérias’ que pode ajudá-la a sobreviver”, disse Agius.

“Entender como E. lacertideformus produz e mantém biofilme pode fornecer informações sobre como tratar outras espécies de bactérias formadoras de biofilme.”

A busca pelo código genético sugeriu que a bactéria assassina era suscetível à maioria dos antibióticos.

O professor David Phalen, codiretor de pesquisa da Sra. Agius e supervisor de doutorado, disse: “Isso sugere que os animais infectados podem ser tratados com sucesso. Isso é o que precisamos determinar agora.”

Em outro esforço para proteger répteis ameaçados de extinção na Ilha Christmas, uma população de lagartos de cauda azul foi estabelecida nas Ilhas Cocos. A Sra. Agius desempenhou um papel crítico na translocação, testando répteis nas Ilhas Cocos para se certificar de que estavam livres de E. lacertideformus.

“É fundamental agirmos agora para garantir que esses répteis nativos sobrevivam”, disse Agius.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade de Sydney. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo