Animais

As moscas assassinas de bombardeio de mergulho são tão rápidas que perdem o controle de direção


As moscas assassinas podem atingir acelerações de mais de 3g quando mergulham no ar para pegar sua presa, mas em velocidades tão altas elas freqüentemente falham porque não conseguem corrigir seu curso.

Essas são as conclusões de um estudo realizado por pesquisadores das universidades de Cambridge, Lincoln e Minnesota, publicado hoje no Interface do Jornal da Royal Society.

As moscas assassinas (Coenosia attenuata) realizam mergulhos aéreos de alta velocidade para atacar as presas que voam abaixo delas, atingindo acelerações impressionantes de até 36 m / s2, o equivalente a 3,6 vezes a aceleração da gravidade (ou 3,6 g). Isso acontece porque eles batem as asas ao cair, combinando a aceleração do vôo motorizado com a aceleração da gravidade.

Este é um feito impressionante: os falcões mergulhadores, os animais mais rápidos que atacam no ar, atingem acelerações muito mais baixas de apenas 6,8 m / s2. Os falcões mergulham dobrando suas asas e simplesmente permitindo que a gravidade os acelere na direção de suas presas.

Porém, para a pequena mosca assassina, as altas velocidades alcançadas em mergulhos aéreos podem ser uma surpresa, pois os pesquisadores acreditam que a mosca não leva em conta o efeito da gravidade ao mergulhar para interceptar um alvo.

Para obter os resultados, os pesquisadores construíram uma “areia de vôo” transparente e voaram uma presa falsa por ela a uma velocidade constante. As moscas assassinas foram filmadas com câmeras de vídeo de alta velocidade enquanto atacavam o alvo, e os pesquisadores assistiram às imagens em câmera lenta, usando esses dados para reconstruir toda a sequência de ataque em 3D.

O estudo descobriu que as moscas assassinas alcançaram acelerações muito mais altas durante o vôo quando decolaram do telhado da arena, em comparação com o chão ou as paredes. As moscas bateram suas asas em uma taxa semelhante de onde foram lançadas, indicando que sua velocidade de vôo é determinada por uma combinação de força de asa e gravidade.

“Quando as moscas assassinas decolaram do solo ou das paredes da areia, elas se moviam no momento em que podiam pegar o caminho mais curto até o alvo. Mas não conseguiam quando decolavam do teto por causa da alta aceleração causada pela gravidade alterou a trajetória esperada de voo “, disse Sergio Rossoni, aluno de doutorado do Departamento de Zoologia da Universidade de Cambridge e primeiro autor do artigo.

Mergulhando com aceleração superalta, a mosca assassina às vezes pega sua presa alvo extremamente rápido, mas muitas vezes falha porque sua velocidade torna difícil mudar de curso no meio do mergulho se a presa se mover. Mas mesmo se a mosca não pousar no alvo, o mergulho reduz rapidamente sua distância da presa para que ela possa ficar de olho nela enquanto realiza as manobras finais para pegá-la.

Os pesquisadores acreditam que o efeito de desconsiderar a gravidade durante os movimentos descendentes poderia ser compensado por outra vantagem. Os mergulhos em alta velocidade forçam a presa em potencial a mudar de direção quando o atacante se aproxima, mas para fazer isso, a presa deve diminuir a velocidade, tornando-a mais fácil de ser capturada.

Os insetos que caçam no ar costumam atacar suas presas para cima, porque o contraste da presa com o céu facilita sua visão. Moscas assassinas são insetos predadores incomuns nesse aspecto; caçar contra um solo visualmente desordenado, usando olhos que têm apenas uma resolução aproximada, é mais difícil.

“Esta pesquisa em moscas em miniatura nos ajuda a entender quais atalhos são aceitáveis ​​quando a sobrevivência depende de decisões rápidas e ações precisas, mas as capacidades sensoriais e o poder de processamento do predador são severamente restringidos”, disse o professor González-Bellido da Universidade de Minnesota, que conduziu o estudo.

Esta pesquisa foi financiada pelo Escritório de Pesquisa Científica da Força Aérea, pelo Conselho de Pesquisa em Biotecnologia e Ciências Biológicas e pela Royal Society.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade de Cambridge. A história original é licenciada Licença Creative Commons. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo