Animais

Água é um provável vetor de transmissão de vírus em mamíferos – ScienceDaily


A água é uma necessidade vitalícia, mas sua disponibilidade pode ser limitada. Em áreas geográficas que passam por estações secas, os animais se reúnem perto de poucas fontes de água doce, frequentemente atingindo altas densidades. Nesses locais, muitos animais de diferentes espécies chegam aos mesmos locais para beber, potencialmente operando como locais-chave para a transmissão de patógenos dentro e entre as espécies. Uma equipe internacional de cientistas liderada pelo Instituto Alemão Leibniz para Zoológicos e Pesquisa da Vida Selvagem (Leibniz-IZW) sugere que os vírus podem usar fontes restritas de água doce como vetor para se espalhar entre os animais. A principal previsão dessa ideia é que os vírus animais permanecem estáveis ​​e infecciosos na água. A equipe testou essa ideia por amostragem de poços de água em ecossistemas na África e Mongólia com estações de seca pronunciadas e vírus em crescimento nessa água. Os resultados científicos mostraram que isso era possível e estão publicados em Ciência Ambiental Total.

A distribuição da água doce varia geograficamente e sazonalmente, com lugares como a África Oriental e a Ásia Central experimentando escassez sazonal pronunciada. A escassez de água resulta em congregações frequentes e instáveis ​​de numerosas espécies de vida selvagem nas proximidades de fontes de água doce. O objetivo do trabalho de pesquisa científica foi determinar se a estabilidade viral em fontes restritas de água é suficiente para alguns vírus de mamíferos, permitindo sua propagação através da água.

Os herpesvírus equinos (EHVs) foram selecionados como modelo, pois são conhecidos por permanecer estáveis ​​e infecciosos na água por semanas em condições de laboratório e circular na vida selvagem na África e na Mongólia. “Sabíamos por meio de nosso trabalho anterior, especialmente com zebras na África, que os equídeos ficam estressados ​​quando são forçados a se agregar na estação seca. Quando observamos os efeitos do estresse nas zebras em cativeiro, pudemos ver que estava associado à muda de EHV no ambiente. Isso sugere que, assim como os animais são forçados a se congregar, eles têm maior probabilidade de ficar estressados ​​e espalhar vírus. O estresse atua como uma espécie de sinal para o vírus entrar na água e infectar mais pessoas “, diz o professor Alex Greenwood, líder deste trabalho científico.

“As congregações também ajudam a explicar alguns resultados estranhos da vida selvagem em cativeiro e na natureza, como a infecção de não-equídeos com EHV, por exemplo, rinocerontes”, explica o Dr. Peter Seeber de Leibniz-IZW, que coletou amostras de água e zebras na África Oriental. “Se os rinocerontes compartilharem água com os equídeos, provavelmente serão expostos ao vírus”, acrescenta a Dra. Sanatana Soilemetzidou da Leibnz-IZW, que coletou amostras de água e animais na Mongólia.

Para ser validado, todo o conceito de água como vetor viral dependia da demonstração de que o EHV permanece estável na água ambiente. “Não tínhamos certeza do que esperar, pois o crescimento de vírus no ambiente é desafiador por causa de todos os outros micróbios que podem crescer ao tentar isolar um vírus”, disse a autora principal do Leibniz-IZW, Dra. Anisha Dayaram. Dayaram e seus colegas fizeram exatamente isso, usando amostras de água coletadas na África e na Mongólia. Em condições de cultura de células, eles mostraram que os EHVs podiam de fato se replicar e ainda eram infecciosos.

Isso parece explicar o resultado bastante estranho de que os EHVs parecem mostrar evolução viral limitada. Os vírus tendem a evoluir rapidamente, mas os EHVs mudam pouco com o tempo e, nesse sentido, são surpreendentemente estáveis. Os EHVs encontrados na Mongólia e na África são quase idênticos aos dos cavalos domésticos. Isso pode representar uma restrição ou um estado estacionário para EHV encontrado em poços de água. “Nossos resultados sugerem que a estabilidade do EHV na água pode ser fruto de um longo processo evolutivo, que tem levado esses vírus a se adaptarem verdadeiramente ao uso da água como vetor”, explica o Dr. Alexandre Courtiol, outro cientista da Leibniz -IZW envolvido neste trabalho científico.

Os EHVs não são os únicos vírus que podem se espalhar e se espalhar pela água. Pesquisas futuras devem descobrir se outros vírus podem usar água da mesma forma como vetor para se espalhar entre animais. O trabalho também sugere que a compreensão da dinâmica viral exigirá olhar além das interações vírus-hospedeiro em alguns casos e deve incluir adaptações à transmissão através do ambiente.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Instituto Leibniz para Zoos e Pesquisa da Vida Selvagem (IZW). Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo