Animais

A produção sonora dos animais não vem só do tronco

[ad_1]

A comunicação é crucial para elefantes que vivem em sistemas sociais complexos de vários níveis. Além de suas trombetas icônicas lançadas através de suas trombas, os elefantes asiáticos também emitem guinchos específicos para espécies com o zumbido dos lábios. Mais uma vez, isso demonstra a flexibilidade do elefante na produção de som.

Todo mundo sabe que os elefantes tocam trombeta. Durante as últimas décadas, a pesquisa em geral e na Universidade de Viena estudou principalmente o estrondo de baixa frequência dos elefantes. Sua frequência fundamental atinge a faixa infra-sônica abaixo do limiar da audição humana. Esta chamada é produzida pelas enormes cordas vocais do elefante. Muito menos se sabia sobre como os elefantes produzem seus sons agudos, trombetas e guinchos.

A seguinte regra geralmente se aplica à produção de som em mamíferos: quanto maior a prega vocal, mais baixa é a frequência fundamental das chamadas. Em contraste, o tamanho das cordas vocais define um limite superior para as frequências fundamentais que podem ser alcançadas. O guincho agudo que apenas elefantes asiáticos, mas não africanos, produzem quando excitados não se encaixa nesse espectro.

Em seu estudo recente, Veronika Beeck, que faz parte da escola de doutorado em Cognição e Comunicação da FWF no Departamento de Biologia Comportamental e Cognitiva da Universidade de Viena e sua supervisora ​​Angela Stöger, juntamente com Gunnar Heilmann e Micheal Kerscher da gfai tech, Berlim, estudou o chiado dos elefantes asiáticos no Nepal.

Os pesquisadores usaram uma câmera acústica com um conjunto de 48 microfones que visualiza sons em cores semelhantes a uma câmera térmica. Desta forma, a fonte de som foi precisamente localizada. “Nossas imagens mostram claramente que os guinchos são emitidos pela boca e não pelo tronco”, explica Veronika Beeck.

De acordo com a teoria do pesquisador, os elefantes asiáticos produzem guinchos ao pressionar o ar por seus lábios tensos, induzindo à vibração dos lábios. Essa técnica combina o zumbido dos lábios de músicos de metal humanos para produzir um som complexo cujos tons harmônicos subsequentemente ressoam com o instrumento, resultando em seu som metálico característico. “Além dos músicos de metal humanos, essa técnica de zumbido labial para produzir sons, até onde sabemos, não foi descrita em nenhuma outra espécie animal e, portanto, é considerada única no reino animal”, diz Veronika Beeck.

A icônica trombeta do elefante, por outro lado, é produzida por uma rajada de ar na tromba. Novamente, no entanto, a fonte sonora anatômica vibratória ainda não foi estudada de forma conclusiva.

Esta nova evidência destaca ainda mais a flexibilidade do elefante na produção de som. Há alguns anos, Angela Stöger-Horwath mostrou que os elefantes são capazes de aprender sons novos. Um elefante asiático em um zoológico coreano, imitando seu treinador, aprendeu a falar algumas palavras em coreano. Uma vez que apenas alguns elefantes gritaram neste estudo recente, os pesquisadores sugerem que gritar também pode ser aprendido.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade de viena. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo