Animais

A mudança climática superará a adaptação das espécies? As espécies evoluem a tolerância ao calor mais lentamente do que a tolerância ao frio


Muitas espécies podem ficar vulneráveis ​​às mudanças climáticas, incapazes de adaptar sua fisiologia para responder ao rápido aquecimento global. De acordo com uma equipe de pesquisadores internacionais, as espécies desenvolvem tolerância ao calor mais lentamente do que tolerância ao frio, e o nível de calor ao qual podem se adaptar tem limites.

Em um estudo publicado no Comunicações da natureza, McGill professora Jennifer Sunday e seus co-autores queriam entender como os limites térmicos das espécies evoluíram. Para examinar a variação na árvore da vida, os pesquisadores desenvolveram o maior banco de dados disponível que compila tolerâncias térmicas para todos os tipos de organismos (banco de dados GlobTherm).

Os pesquisadores descobriram que, antes de mais nada, a tolerância térmica de uma espécie está relacionada ao clima atual em que vive. “É lógico que os limites térmicos coincidam principalmente com o clima atual de uma espécie, mas traçar a história evolutiva dos limites térmicos pode revelar como as espécies chegaram onde estão hoje”, disse Sunday, professor assistente do Departamento de Biologia.

Os pesquisadores também descobriram que a tolerância ao frio evoluiu muito mais rápido do que a tolerância ao calor, particularmente em endotérmicos em comparação com ectotérmicos e plantas. Animais endotérmicos são aqueles que geram calor metabólico para regular sua própria temperatura corporal – por exemplo, mamíferos e pássaros – enquanto animais ectotérmicos são aqueles que regulam sua temperatura corporal usando fontes externas de calor, como répteis, peixes e invertebrados.

Uma causa dessa disparidade pode ser que a tolerância ao calor atingiu uma barreira evolutiva, chamada de ‘atrator’, além da qual a evolução posterior é restrita ou selecionada. “Isso é muito preocupante porque sugere que a grande maioria das espécies não será capaz de se adaptar rápido o suficiente para sobreviver ao ritmo sem precedentes das mudanças climáticas contemporâneas”, disse a coautora Joanne Bennett, da Universidade de Leipzig e da Universidade de Canberra.

Os resultados deste estudo são particularmente relevantes para o manejo da conservação, dizem os pesquisadores. Proteger e criar áreas que fornecem refúgios para a biodiversidade de temperaturas extremas é uma estratégia chave para os gestores de conservação.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade McGill. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.


Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo