Animais

A anatomia interna em forma de árvore de um verme simbiótico e uma esponja é descrita.

[ad_1]

O verme marinho Ramisyllis multicaudata, que vive nos canais internos de uma esponja, é uma das duas únicas espécies a possuir corpo ramificado, com cabeça e múltiplas extremidades traseiras. Uma equipe de pesquisa internacional liderada pelas universidades de Göttingen e Madrid é a primeira a descrever a anatomia interna deste animal intrigante. Os pesquisadores descobriram que o corpo complexo desse verme está amplamente espalhado nos canais das esponjas que os hospedam. Além disso, eles descrevem os detalhes anatômicos e o sistema nervoso de suas unidades reprodutivas incomuns, os estolões, que formam seus próprios cérebros quando separados para fertilização, permitindo-lhes navegar em seu ambiente. Os resultados foram publicados no Journal of morphology.

A equipe de pesquisa encontrou as esponjas hospedeiras e seus vermes convidados em uma área remota em Darwin, Austrália, onde esses animais vivem. Eles coletaram amostras, algumas das quais agora estão nas coleções do Museu da Biodiversidade da Universidade de Göttingen. Para sua análise, eles combinaram técnicas como histologia, microscopia ótica eletrônica, imunohistoquímica, microscopia confocal a laser e microtomografia computadorizada de raios X. Isso permitiu a obtenção de imagens tridimensionais dos diferentes órgãos internos dos vermes e do interior das esponjas que habitar. Os cientistas mostram que quando o corpo desses animais se divide, o mesmo acontece com todos os seus órgãos internos, algo que nunca foi observado antes.

Além disso, os modelos tridimensionais desenvolvidos durante a pesquisa permitiram encontrar uma nova estrutura anatômica exclusiva desses animais, que é formada por pontes musculares que se cruzam entre os diferentes órgãos a cada vez que seu corpo precisa formar um novo ramo. Essas pontes musculares são fundamentais porque confirmam que o processo de bifurcação não ocorre nos primeiros estágios da vida, mas sim uma vez que os vermes são adultos e depois ao longo de suas vidas. Além disso, os pesquisadores propõem que esta “impressão digital” única das pontes musculares torna teoricamente possível distinguir o ramo original do novo a cada bifurcação da complexa rede corporal.

Além disso, este novo estudo investiga a anatomia das unidades reprodutivas (estolões) que se desenvolvem nas extremidades traseiras do corpo quando esses animais estão para se reproduzir e que são características da família a que pertencem (Syllidae). Os resultados mostram que esses estolões formam um novo cérebro e têm olhos próprios. Isso permite que eles naveguem em seu ambiente quando são separados do corpo para fertilização. Esse cérebro está conectado ao resto do sistema nervoso por um anel de nervos que circunda o intestino.

“Nossa pesquisa resolve alguns dos quebra-cabeças que esses animais curiosos colocaram desde que o primeiro anelídeo ramificado foi descoberto no final do século 19”, explica a autora principal, Dra. Maite Aguado, da Universidade de Göttingen. “No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer para entender completamente como esses animais fascinantes vivem na natureza. Por exemplo, este estudo concluiu que o intestino desses animais poderia ser funcional, mas nenhum traço de comida foi visto em dentro deles, por isso ainda é um mistério como eles podem alimentar seus enormes corpos ramificados. Outras questões que surgem neste estudo são como a circulação sanguínea e os impulsos nervosos são afetados pelos ramos do corpo. ” Esta pesquisa estabelece a base para a compreensão de como essas criaturas vivem e como seu incrível corpo ramificado evoluiu.

Fonte da história:

Materiais fornecido por Universidade de Göttingen. Nota: o conteúdo pode ser editado quanto ao estilo e comprimento.

[ad_2]
Traduzido de Science Daily

Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo